Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Setembro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Abrantes | ‘Abrir Abrantes’ juntou em debate os candidatos da oposição à Câmara Municipal

“Abrir Abrantes”, uma iniciativa de António Colaço, quis juntar em debate os candidatos à Câmara Municipal de Abrantes, mas o atual presidente do município e candidato do PS, Manuel Jorge Valamatos, acabou por não comparecer por “motivos pessoais”. Sentaram-se assim à mesa Armindo Silveira (BE), Chaleira Damas (CDU), Vasco Damas (ALTERNATIVAcom) e Vitor Moura (PSD), para falarem das suas propostas para a cidade.
 
Não foi um debate segundo as linhas jornalísticas: a ideia era juntar os intervenientes à mesa do São Lourenço By Trincanela, tal como aconteceu nas últimas nove edições do projeto “Abrir Abrantes”, pois “a mesa é sempre um local de convívio e de troca de impressões”, tal como hoje repetiu o mentor do projeto, António Colaço – homem das artes e da cultura com raízes em Abrantes e em Mação, militar de Abril que entrou no mundo da comunicação como radialista e fez carreira no meio político nacional como assessor de imprensa do PS na Assembleia da República, durante mais de 20 anos.
 
Sob a batuta de Colaço houve, portanto, um debate informal dividido em dois momentos: um primeiro de apresentações e um segundo mais “duro”, de exposição de ideias.
 
A ausência do autarca Manuel Jorge Valamatos pautou o início da conversa, o que levou a que Vasco Damas, gestor de 50 anos, frisasse que uma das coisas que o ALTERNATIVAcom tem dito é que “existe algum défice democrático ao nível da falta de debate”. Indo mais longe, acrescentou que “as maiorias absolutas acabam por propiciar alguns comportamentos menos próprios às democracias e as decisões vão sendo tomadas de forma quase unilateral, sem se ouvir as outras pessoas”.
 
O candidato referiu que é intenção deste recente movimento independente que as ideias propostas sejam “pontos de partida” para que em conjunto se possa convergir para as melhores soluções e as que façam mais sentido em termos coletivos.
 
Vítor Moura (PSD), empresário com 68 anos, disse esperar que “este seja o primeiro de vários debates até ao dia 26 de setembro”, afirmando que tem consciência de que é uma “surpresa” para os abrantinos nestas eleições. Quis desde logo reforçar duas palavras que são o mote da sua campanha apoiada pelo Partido Social Democrata: “acordar” e “desenvolver” Abrantes. Palavras já perceptíveis, diz, através dos outdoors que colaram na cidade. “Pelo feedback que nos está a chegar, há quem tenha gostado bastante deles, e há os que não estão a gostar, sinal que talvez estejam a produzir o seu efeito”, disse o empresário, natural da localidade de Chainça.
 
O candidato pelo PSD diz que “os abrantinos precisam de se convencer de que são eles que fazem Abrantes” e que têm de ser exigentes com os políticos, mas que também têm de ser eles a dar o seu melhor pela cidade.
 

Chaleira Damas (CDU), engenheiro mecânico reformado de 71 anos, disse que a sua experiência como autarca durante oito anos – quatro como vereador e quatro na assembleia municipal – o alertou para os problemas existentes e que isso levou a um “despertar natural” para estas eleições. Chaleira Damas afirmou que se foi apercebendo que o concelho “estava parado, não evoluía e não havia ideias nem diálogo”, afirmando que este é um problema recorrente das maiorias absolutas. Por isso, entende, “não faz qualquer sentido não construirmos pontes, estamos no ponto de partida e o que interessa é chegarmos ao fim com um concelho melhor, mais dinâmico, mais solidário e melhor para quem cá reside e o visita”.

- Publicidade -

Da esquerda para a direita: Armindo Silveira (BE), Chaleira Damas (CDU), António Colaço (organizador), Vítor Moura (PSD) e Vasco Damas (ALTERNATIVAcom), com uma obra que António Colaço oferece a cada um dos seus convidados na iniciativa “Abrir Abrantes” Foto: DR.

Armindo Silveira (BE), é atualmente vereador na Câmara de Abrantes, tem 55 anos, e referiu que as principais lutas que o levaram a entrar na política há oito anos foi a ambiental e a da educação. Apresentando-se, o candidato ao município referiu que “existe uma inação na população do concelho de Abrantes, muito resignada àquilo que há, e um marasmo que é preciso combater”, sendo que também será preciso que as pessoas acreditem que elas próprias podem fazer alguma coisa. Armindo Silveira afirmou que a sua pretensão é “tornar Abrantes uma referência a nível ambiental”.

Vasco Damas (ALTERNATIVAcom) referiu nesta troca de ideias que Abrantes tem uma identidade fortíssima que tem vindo a ser adiada, dizendo que a sua posição geográfica central complementada pela A23, os rios Tejo e Zêzere e a ferrovia tem sido descurada. O candidato alertou para o desemprego crónico de Abrantes, que representa cerca de 25% do desemprego de todos os concelhos da região do Médio Tejo, afirmando que é preciso inverter esta tendência através do investimento na indústria.

“Abrantes era uma cidade que tinha poder e reconhecimento a nível nacional e tem vindo a perder esse seu peso”, disse Vasco Damas, afirmando que “se conseguirmos recuperar a identidade de Abrantes, passaremos a ter condições para aquela que é a nossa grande prioridade, que é a fixação da juventude”. “Não me incomoda que a juventude saía por opção, incomoda-te que saía por falta de opção”, rematou o candidato.

A questão do mercado diário de Abrantes foi um dos temas abordados pelos candidatos. Créditos: DR

Em relação ao mercado municipal de abrantes, Vasco Damas disse que o ALTERNATIVAcom já assumiu publicamente a sua posição, e que não está contra o projeto multiusos, que a redinamização devia passar por uma lógica de modernização, mas que não se pode confundir o multiusos que vai ser projetado com os multiusos de outros concelhos: “Vemos logo que não tem área para isso, e portanto o que defendemos é o regresso do mercado àquele espaço, até porque para onde foi deslocado o mercado não é funcional”.

Sobre este tema, Vítor Moura (PSD) disse que a requalificação do antigo mercado teria resolvido o problema, até porque vai ser gasto muito mais dinheiro do que o que seria necessário, e que o multiusos não vai ser adequado às dimensões de Abrantes, como acontece com o caso do Pavilhão dos Desportos de Torres Novas, que o candidato refere como um bom exemplo.

Vítor Moura relembrou que o concelho de Abrantes dispõe de uma riqueza diversa que não o deixa dependente de uma monocultura ou indústria única e que tem uma população superior a algumas capitais de distrito, mas que a realidade é que enquanto a população em Portugal desceu 2,5%, em Abrantes desceu 10%, afirmou o candidato, adiantando que não há uma varinha mágica para resolver este problema, mas que a solução passa muito por “Desenvolver Abrantes” (mote da candidatura do PSD). O candidato defendeu o investimento privado e o empreendedorismo, uma vez que “ninguém vem morar para Abrantes se aqui não houver emprego”, e relembrou a importância de dinamizar as zonas industriais do Tramagal (que é muito mais do que a Mitsubishi) e do Pego (cujo ramal ferroviário ali instalado pode ser aproveitado para a instalação de uma zona industrial de outra dimensão).

Chaleira Damas, candidato pela CDU, referiu que Abrantes é um concelho florestal mas que não tem indústria transformadora da madeira, algo que devia existir e que pode potenciar esta riqueza natural, assim como o rio Tejo, que permite desenvolver uma componente agrícola que tem também um grande potencial para se desenvolver. 

O candidato recordou o passado industrial riquíssimo de Abrantes e referiu igualmente os polos industriais do concelho – deixando um alerta especial para o Rossio que “tem ali grandes áreas à espera que alguém olhe para aquilo e que faça ali alguma coisa” – potenciados pela existente ferrovia (“o transporte do futuro”), a qual precisa de investimento e de melhoramentos. Da mesma forma mas no campo do turismo, Chaleira Damas considera que este não está a ser bem explorado e que é preciso pensar no Tejo não só como paisagem mas sim com áreas de recreio e de lazer.

Armindo Silveira (BE), reiterou a necessidade do reforço da ferrovia com mais comboios a circular no e entre o concelho, sendo que a médio e longo prazo se deve pensar num terminal intermodal no Rossio ao Sul do Tejo, pois este local precisa de outra fonte de interesse, segundo o candidato. O candidato pelo Bloco de Esquerda à presidência do município abrantino considera igualmente a reabilitação dos centros históricos como muito importante, seja os da sede do concelho ou das freguesias, assim como a construção do centro escolar de Alvega, importantíssimo para fixar pessoas, uma vez que muitos alunos vão para o Gavião e Sardoal.

Armindo Silveira disse ainda que um dos maiores desafios está nas aldeias mais afastadas da sede do concelho de Abrantes, que olham para Abrantes como o “cabeço”, sendo que é necessário desmistificar-se esta opinião da população e perceber o porquê desta situação, pois no entendimento do candidato este “é também um impedimento ao desenvolvimento de Abrantes”.

Tanto Vasco Damas como Armindo Silveira criticaram o horário das reuniões e assembleias municipais, que decorrem em horário laboral e que portanto diminuem a oportunidade que as pessoas têm de exercerem um envolvimento participativo.

Foto: DR

Relativamente a expetativas, Vasco Damas (ALTERNATIVAcom) referiu a existência de um “apoio silencioso”, o qual se confirmará ou não nas urnas de voto, dizendo no entanto que independentemente do resultado, a partir do 26 de setembro, é preciso ter-se a capacidade de se aproveitar as melhores ideias para o desenvolvimento do concelho, pois é ele que sai a ganhar.

Já Vitor Moura (PSD) afirmou não estar muito acostumado a perder e que “o resultado será sempre uma vitória se fizermos de tudo por acordar os abrantinos”, enquanto que Chaleira (CDU), recordando as palavras do partido “Trabalho, competência e honestidade”, afirmou que a CDU vai para a campanha à procura do melhor resultado possível, pretendendo eleger um vereador, mostrando-se o candidato confiante de que “a maioria vai deixar de ser maioria e que numa nova mescla partidária vai ser possível construir um futuro melhor”.

Já para o Bloco de Esquerda, na pessoa do candidato Armindo Silveira, as expetativas são de “até reforçar com mais um vereador, mas somos realistas e ninguém é dono do voto. O nosso objetivo é contribuir para o bem da comunidade”.

Atualmente a Câmara Municipal de Abrantes é presidida pelo PS, contando com quatro vereadores no executivo. Foram eleitos outros dois vereadores: um pelo PSD (mas que no mês passado se tornou independente) e outro pelo Bloco de Esquerda.

As eleições autárquicas estão marcadas para o próximo dia 26 de setembro.

Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo. Ávido leitor, não dispensa no entanto um bom filme e um bom serão na companhia dos amigos.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome