- Publicidade -
Quarta-feira, Dezembro 8, 2021
- Publicidade -

“A semana”, por Vasco Damas

Semana profícua em epifenómenos, aquela que passou. Daquelas que ajudam a restaurar a confiança na humanidade e nas instituições… só que não, como dizem os jovens de agora.

- Publicidade -

Desfiando a semana sem nenhuma organização cronológica, ficámos a perceber que o nosso governo trabalha bem ao fim-de-semana e que em poucas horas conseguiu tomar decisões que já devia ter tomado há alguns meses… ou em bom rigor, há algumas décadas.

Curiosa a reação de alguma oposição na sequência do anúncio deste plano de ação. Aquela que antes criticava o governo por nada fazer, é a mesma que agora o critica pela precipitação de estar a querer fazer depressa demais.

- Publicidade -

Curiosa também a reação da outra oposição, aquela que se opõe sem se opor e que, neste assunto, colocou o acento tónico na prioridade à resposta que se aguarda em relação à pergunta sobre a origem dos recursos para financiar o que estava a ser anunciado.

Como referi inicialmente, confiança renovada quando se percebe que, mesmo em matérias aparentemente consensuais, a prioridade continua a ser dada aos jogos de poder, ficando o país e as pessoas num plano secundário.

Semana em que ficámos também a saber o que muitos já suspeitavam, ficando confirmado que foram desviados recursos e meios do incêndio que fustigou o Concelho de Mação entre os dias 23 e 27 de Julho por ordem do então Comandante Nacional da Proteção Civil. Este facto, associado ao caso da sua licenciatura terminada com 32 equivalências num total de 36 cadeiras, reforça a nossa confiança nas instituições públicas geridas pelo mérito…das nomeações políticas.

Confiança renovada também na nossa justiça, logo agora que pensávamos ser impossível ficar acima dos píncaros. Há juízes que a ajudam a renovar quando nos ensinam que nem tudo o que está na lei deve fazer lei. Mais importante que a lei, são as convicções de cada um, principalmente se se tiver o poder de decidir e se lhes permitirem que continuem a decidir com base no seu julgamento individual. Haja fé, dura lex sed lex… mas só para alguns!

É gestor e trabalhar com pessoas, contribuir para o seu crescimento e levá-las a ultrapassar os limites que pensavam que tinham é a sua maior satisfação profissional. Gosta do equilíbrio entre a família como porto de abrigo e das “tempestades” saudáveis provocadas pelos convívios entre amigos. Adora o mar, principalmente no Inverno, que utiliza, sempre que possível, como profilaxia natural. Nos tempos livres gosta de “viajar” à boleia de um bom livro ou de um bom filme. Em síntese, adora desfrutar dos pequenos prazeres da vida.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome