“A pandemia tecnológica”, reflexão de Pérsio Basso

“Mutei o microfone. Pagamentos só com MB-Way. A minha avó já sabe fazer videochamadas”. Estas e outras expressões vieram para ficar. A humanidade está a assistir a um dos maiores choques tecnológicos dos últimos séculos, num curtíssimo espaço de tempo. As ferramentas já existentes massificaram-se. Aperfeiçoaram-se. O mundo reinventou-se. Fruto da pandemia, a sociedade foi forçada à mudança, à inovação. Paralelamente ao coronavírus, o contágio das novas tecnologias também foi global.

PUB

PUB

Zoom, Microsoft Teams, Jitsi, Skype e outras plataformas para videoconferência são termos que passaram a fazer parte do léxico diário, em todo o planeta. Foram implementadas em tempo recorde para reunir com os colegas de trabalho, assistir a aulas ou simplesmente falar com a família, em tempos de isolamento. Nos últimos tempos, ginástica, escrituras e até divórcios passaram a ser feitos à distância.

As crianças em idade escolar nunca tiveram um contacto tão intenso com os meios digitais como agora. Aulas síncronas, email, pesquisas online e utilização de plataformas como a Escola Virtual são triviais para os alunos desta geração. O domínio destas ferramentas desde os primeiros anos de escolaridade vai permitir uma preparação sem antecedentes nestes domínios. Além dos “swipes” nos smartphones praticamente desde a nascença, os chamados “nativos digitais” foram agora obrigados a teclar. Os nossos filhos adquiriram novas competências.

PUB

Também os professores menos habituados a estas lides se viram forçados a agilizar novos processos de trabalho utilizando as novas tecnologias, para chegar aos alunos em confinamento, mesmo antes da implementação do #estudoemcasa. Uma hercúlea tarefa que elevou a classe ao estatuto de heróis, não apenas em períodos críticos.

As empresas e as instituições, por força das circunstâncias, viram-se repentinamente contagiadas pelo teletrabalho, constatando-se a sua viabilidade para o futuro, por períodos limitados, em muitas profissões.

Apesar dos efeitos nefastos para muitos sectores da sociedade, tal como as outras crises, também esta terá os seus efeitos positivos. Veja-se o exemplo do comércio. Multiplicaram-se as lojas on-line (como a Paladin, que apresentou a sua em abril), os novos sites, as páginas no Facebook e perfis no Instagram, para publicitar serviços dos mais diversos ramos. Os pequenos agricultores passaram a ter uma comunicação regular com os clientes, fazendo chegar os seus produtos diretamente aos consumidores. As redes sociais passaram a ser a montra preferencial dos restaurantes, das mercearias, das padarias, entre outros negócios, para potenciar as vendas take-away e as entregas ao domicílio. Os personal trainers orientam as “tabatas” através dos monitores.

O mundo empresarial, desde a mais pequena microempresa, criou ou renovou os seus canais de comunicação. Nasceu um novo paradigma no Marketing Digital. Disparou o investimento em publicidade paga nas redes sociais. A ativação das marcas é feita online. Os gestores também perceberam as enormíssimas poupanças em custos e o ganho de eficiência que as videoconferências permitem, em tempo e despesas de deslocação.

Na Comunicação Social, os suportes em papel foram arrasados, o que poderá significar uma redução da pegada ecológica. Por outro lado, a imprensa viu reforçada a sua credibilidade na sociedade, como fonte de informação de confiança.

Na saúde, os avanços são conhecidos. Generalizaram-se as teleconsultas. Na China foi feito há poucos dias o primeiro transplante de pulmões no mundo. Em Portugal, em Matosinhos, criaram-se ventiladores em tempo recorde. Desenvolveram-se sistemas de inteligência artificial para analisar as TAC. Estudam-se centenas de novos fármacos e novas vacinas. A ciência recebeu um investimento e um reconhecimento global nunca antes alcançado.

Confirma-se a teoria de que os períodos pandémicos são tempos de grandes avanços civilizacionais. É o lado positivo da coisa.

*Texto de Pérsio Basso, técnico de comunicação autárquica

PUB
APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser), através do IBAN PT50001800034049703402024 (conta da Médio Tejo Edições) ou usar o MB Way, com o telefone 962 393 324.

PUB
PUB

1 COMENTÁRIO

  1. Bom trabalho Pérsio. É o futuro, com tudo o que tem de bom e de mau, é também um tempo de oportunidades e oportunistas e, se este estado de “coisas” não serviu para nada… então, estaremos muito perto do mundo “Orwelliano”.
    Espero mais “reflexões” neste médiotejo.net
    Abraço
    cv

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here