Terça-feira, Dezembro 7, 2021

À Mesa | Rei dos Leitões, por Armando Fernandes

Mensageiro de apurado palato informou-me que o restaurante Rei dos Leitões, na Mealhada, estava a apresentar leitões pequenos, assados com conveniente constipada – pele reluzente num tostado a redundar em pele estaladiça – e carne suculenta, leitosa.

- Publicidade -

Antes de saciar a luxúria relativa ao Tó (apodo afectivo de leitão), apreciei prazenteiramente finas fatias de presunto de excelente qualidade com o concurso de um pequeno pão de trigo. Se o leitão despertou luxúria, o presunto bem curado acendeu a gula e o pecado foi grande.

O bacorinho chegou à mesa repartido em quadrados bem talhados e revelando a assinalada pele estaladiça e substrato guloso, com as recém-nascidas costelas a desfazerem-se à primeira mastigação pois não passavam de leves cartilagens. Dispensei as batatas palha, o dito pãozinho e alguns fiapos de alface acompanharam a preceito. E nada sobrou. Um queijo de amanteigado de boa estirpe finalizou o suculento ágape.

- Publicidade -

Serviço atento e expedito, feminil sorridente. Mesas bem vestidas, cutelarias e vidros de evidente qualidade.

Aceita cartões de crédito. Encerramento: quartas-feiras. Telefone 968 123 804. Avenida da Restauração, 17. Mealhada

VINHO | Vale de Lobos, Riesling

Ao falarmos desta conceituada casta a memória transporta-nos à Alemanha, à Alsácia e à Áustria. Trata-se de um vinho fragrante, agradável ao olhar numa mistura de tons violáceos e amarelo palha seca, um vinho festivo e guloso.

Pois bem, a Quinta de Vale de Lobos acaba de colocar no mercado o seu Riesling colheita de 2017, pleno de aromas a flor de laranjeira, laranjas e limões, suave no beber e por isso mesmo tentador, seja a sós ao modo de aperitivo refrescante, seja a acompanhar leitão assado, carnes frias, frutos secos, peixes brancos e por todas as razões e ainda as escondidas frutos vermelhos vindos do mar. Após a prova sensorial deu alegre réplica a amêndoas torradas e perdiz em escabeche. Uma alegria para o palato.

Origem: TEJO. Produzido e engarrafado por Quinta da Ribeirinha. Achete. Santarém. Ano de colheita: 2017. Graduação: 12,5º.

Armando Fernandes é um gastrónomo dedicado, estudioso das raízes culturais do que chega à nossa mesa. Já publicou vários livros sobre o tema e o seu "À Mesa em Mação", editado em 2014, ganhou o Prémio Internacional de Literatura Gastronómica ("Prix de la Littérature Gastronomique"), atribuído em Paris.
Escreve no mediotejo.net aos domingos

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome