Segunda-feira, Dezembro 6, 2021

“A magia da mater(pater)nidade!”, por Vânia Grácio

Dizem que quando nasce um bebé, nasce uma mãe, um pai, às vezes um irmão ou uma irmã, os avós e por aí fora. Quando descobrimos que estamos grávidas, há um misto de sentimentos. Insegurança, felicidade, amor, medo, mas há também uma certeza: a certeza de que nada vai voltar a ser como era. Os palpites, as boas intenções, os comentários, o querer ajudar mas só atrapalhar, é aquilo de que os recém papás mais sofrem, principalmente os de primeira viagem. Mas, efectivamente ser mãe é mágico. Nunca conseguirei explicar por palavras aquilo que sentimos quando temos um bebé dentro de nós, que está a crescer, que mexe e interage connosco. Que sente quando estamos bem e quando estamos tristes e é a partir do ventre que se começa a estabelecer uma relação para a vida. Quando o bebé nasce, nem sempre acontece (logo) o “imprinting”, que por outras palavras é o momento “clique” em que bebé e mamã se olham pela primeira vez e se reconhecem. Mas quando ele acontece, é outro daqueles momentos que não se conseguem explicar por palavras.

- Publicidade -

Quando nasce então um bebé, a uma mãe há todo um mundo para descobrir. Há uma adaptação a ser feita. Ao bebé, aos pais, aos espaço, às mudanças, ao dar mama a toda a hora, a mudar fraldas, a gerir visitas. Acumula-se a roupa para passar, a loiça por lavar, até nos esquecemos de nos pentear. A condição física debilitada nos primeiros tempos, e as questões sobre como cuidar de alguém tão pequenino, podem criar dúvidas sobre as capacidades dos pais. Mas não as tenham. Nós vimos quase com um “aparelho de série” que resolve todas as questões. Com mais ou menos necessidade de ajuda de terceiros, mas a nossa capacidade de mãe “vem de origem”. Acredita em ti. As gravidezes não são todas iguais. Os partos não são todos iguais. Os bebés não são todos iguais, mas as mães são todas iguais (e os pais de certa forma também).

Abusem da família e amigos para vos ajudarem nesta nova fase, mas não deixem que eles abusem de vós com visitas inesperadas, ou demasiadas intromissões. Oiçam tudo, dos que já foram pais e dos que ainda não foram e filtrem a informação que vos interessar. Ninguém sabe o que é melhor para vocês do que vocês próprios. Ninguém sabe o que é melhor para os vossos filhos do que vocês. Não deixem de fazer aquilo em que acreditam. Ser mãe e pai é isso mesmo. Ser desafiado todos os dias, em todas as questões, quer pelos miúdos, quer pelos graúdos. Bem-vindos a este mundo mágico.

- Publicidade -

Vânia Grácio é Assistente Social e Mediadora Familiar e de Conflitos.
Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior Bissaya Barreto e Mestre em Serviço Social pelo Instituto Superior Miguel Torga. Pós Graduada em Proteção de Menores pelo Centro de Direito da Família da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e em Gestão de Instituições de Ação Social pelo ISLA. Especializou-se na área da Mediação de Conflitos pelo Instituto Português de Mediação Familiar e de Conflitos.
Trabalha na área da Proteção dos Direitos da Criança e da Promoção da Parentalidade Positiva. Coloca um pouco de si em tudo o que faz e acredita que ainda é possível ver o mundo com “lentes cor-de-rosa”. Gosta de viajar e de partilhar momentos com a família e com os amigos (as). Escreve no mediotejo.net ao sábado.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome