À Descoberta: Torres Novas, um encontro na “Villa da Torre”

*Este artigo é parte integrante de uma série especial sobre os Museus no Médio Tejo. Descubra mais sugestões em mediotejo.net

PUB

C om variados vestígios romanos dentro das suas fronteiras, Torres Novas tem na Villa Cardílio um dos mais emblemáticos núcleos museológicos sobre a passagem do Império pela região. “Villa da Torre”, como está inscrito em latim num dos mosaicos destas ruínas ao ar livre, é a primeira associação conhecida a uma possível origem do nome da cidade. Mais tarde a localidade de “Turris” foi reconquistada aos muçulmanos por D. Afonso Henriques, cujo filho, D. Sancho I, ordenaria a reconstrução do Castelo local, em ruínas. Tais torres seriam, anos depois, alvo de nova reconstrução.

Há uma estrada de calçada antiga que conduz ao Centro de Interpretação e ruínas da Villa Cardílio. É um dos pormenores característicos da visita, preparando quase que o ambiente para um regresso ao passado. A prospeção e investigação histórica sobre esta villa romana está estagnada há cerca de 30 anos e boa parte da propriedade continua sem ver a luz do dia. São visíveis, no entanto, os mosaicos romanos e algumas características daqueles antigos edifícios senhoriais, como as termas, o sistema de aquecimento e o pátio central.

Foto: mediotejo.net
Foto: mediotejo.net

Descobertas nos anos 30 do século XX, as ruínas foram escavadas e o seu espólio armazenado a partir de 1962. Encontraram-se moedas dos séculos II, III e IV d.C., cerâmicas, bronzes, ferros, vidros, anéis, uma estátua de Eros, entre outros artefactos que estão atualmente em exposição no Museu Municipal Carlos Reis.

Da passagem dos romanos também se fala em Lapas, onde a existência de grutas artificiais resulta das escavações para extração do tufo calcário. Torres Novas deve assim possivelmente o seu nome ao Império, tal como a sua fundação enquanto economia agrícola e industrial da região.

Villa Cardílio Estrada Municipal de Santo António da Caveira, Torres Novas

Grutas das Lapas (centro de interpretação em projeto) Largo das Catacumbas, Lapas

O que visitar mais?

Museu Agrícola de Riachos Inaugurado em 1989, este museu reúne um espólio representativo da vida social e económica do povo de Riachos, com enfoque na sua grande tradição agrícola. O lagar e a eira, a casa tradicional e a maquinaria agrícola, o traje e as artes e ofícios tradicionais são os grandes temas deste acervo. A entrada é gratuita.

Rua Dr. José Marques, 14, Riachos

Carlos Reis, numa pintura de Columbano Bordalo Pinheiro. Foto: DR
Carlos Reis, numa pintura de Columbano Bordalo Pinheiro. Foto: DR

Museu Municipal Carlos Reis Carlos Reis foi um pintor de Torres Novas que viveu na transição entre os séculos XIX/XX, tendo retratado a realeza e a nobreza da época. O Museu Municipal apresenta ao público cerca de 30 obras do artista, entre paisagens e retratos, que evidenciam a predileção do pintor pelos aspetos do quotidiano e da vida campestre. Neste espaço estão ainda patentes os achados arqueológicos de Villa Cardílio. A entrada é gratuita.

Rua do Salvador, 10, Torres Novas

Corredores estreitos, quartos minúsculos, a Casa onde nasceu Humberto Delgado está completamente preservada. foto mediotejo.net
Apesar dos corredores estreitos e quartos minúsculos, a casa onde nasceu Humberto Delgado está completamente preservada e atrai muitos visitantes. Foto: mediotejo.net

Casa-Memorial Humberto Delgado Situada na aldeia do Boquilobo, trata-se da casa da família de Humberto Delgado, o General Sem Medo, que ali viveu apenas o seu primeiro ano de vida. O espólio existente é dedicado à sua ação política em defesa da democracia e da liberdade em Portugal. A entrada é gratuita.

Largo General Humberto Delgado, Boquilobo, Brogueira

Igrejas do concelho Há no concelho de Torres Novas várias Igrejas e capelas dignas de visitação, algumas centenárias e com uma arquitetura riquíssima, sobretudo do período Barroco. Dadas as suas características históricas e sociais, referimos as seguintes:

  • Capela do Convento de Santo António Capela do extinto Convento de Santo António construído em 1593, de estilo barroco.
  •  Igreja da Misericórdia Igreja do século XVI que é considerada uma das mais emblemáticas de Torres Novas. Tem elementos renascentistas e de estilo manuelino. É considerado imóvel de interesse público desde 1986.
  • Igreja de Santiago Diz a lenda de D. Afonso Henriques mandou erguer uma capela a Santiago em 1148, sendo posteriormente aumentada. O altar está ricamente ornado com talha dourada do século XVIII e é aí que se encontra a imagem do Senhor Jesus dos Lavradores, de grande devoção em Riachos.
  • Igreja do Salvador Com datação do século XIII, as suas paredes são revestidas de azulejos seiscentistas e os altares, maior e colaterais, de retábulos de talha dourada.
  •  Igreja de São Sebastião Edificada no século XVII, na Zibreira, também com elementos em talha dourada e cerâmica.
  • Capela do Vale Imóvel de interesse público desde 2002, é um dos templos mais antigos do concelho, de estilo românico.
  •  Igreja de Nossa Senhora da Graça Situada em Lapas, tem data de 1550 e sofreu várias requalificações. Possui elementos do barroco.
  • Igreja de Nossa Senhora do Carmo Fez parte do antigo Convento de S. Gregório Magno e foi construída em 1558. Imóvel de interesse público, é a maior Igreja de Torres Novas.
  • Capela de Vargos/Capela de Santa Ana Integrada na casa senhorial de Vargos, uma grande residência rural do século XVIII, hoje convertida em Turismo de Habitação, possui revestimento de azulejo e talha dourada.
  •  Igreja de Nossa Senhora da Conceição Templo do século XVII, na Ribeira Branca, possui os elementos barrocos característicos das congéneres no concelho.
  • Igreja ortodoxa da Ladeira do Pinheiro Também designado de Santuário de Nossa Senhora das Graças, é uma grande Igreja do século XX construída sob o impulso de Maria Horta, a quem muitos fiéis tinham como santa. Foi reconhecido pela Igreja Ortodoxa, encontrando-se hoje ligada a um ramo menor da mesma.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here