Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

À Descoberta | Ir à água à fonte em Ourém, Torres Novas e Alcanena

Algumas secaram, outras continuam ativas, nem sempre as águas são devidamente controladas mas as pessoas continuam a passar e a beber. As fontes estão ligadas à memória afetiva das populações e por vezes são a justificação encontrada para uma vida saudável. Fomos à procura das fontes que ainda persistem na tradição do Médio Tejo.

- Publicidade -

Em Ourém, a fonte mais conhecida é a “Fonte do Povo”, na localidade de Mata, freguesia de Urqueira. Com quase 40 anos, a “Fonte do Povo” nasceu da vontade de um morador que, ao fazer um furo na sua propriedade, começou a jorrar água e criou a estrutura. Mais tarde esta foi deixada ao encargo da junta de freguesia e são muitas as pessoas que ali vão buscar água em garrafões, por vezes faz-se fila e gera-se até alguma tensão entre os mais apressados. Fala-se numa água leve e boa para a saúde, sem químicos. A popularidade da “Fonte do Povo” é de tal ordem que existe uma página de facebook que apela ao controlo regular das suas águas.

fonte do povo
foto página facebook “Fonte do Povo”

- Publicidade -

Existem muitas outras  fontes ao longo do município, a maioria das quais têm vindo a ser desativadas. A localidade de Fontainhas da Serra, freguesia de Atouguia, deve o seu nome exatamente a existirem na terra um conjunto de fontes que abasteciam a população. Há alguns anos aquela autarquia resolveu recuperar o local, criando ali um parque de merendas bastante utilizado, sobretudo durante o Verão, por gentes locais. As fontes e os tanques continuam a deixar fluir a água, mas não há tradição de recolha.

Do mesmo modo, a nascente do rio Nabão, na praia fluvial do Agroal, tem estado desde sempre ligada a curas, nomeadamente em termos de doenças de pele. Ainda que se vejam com frequência pessoas com garrafões a recolher água, a praia tem bem sinalizada a indicação de que a água é imprópria para consumo. Ainda assim há quem se banhe nas suas águas gélidas, mesmo no inverno.

Na vila medieval, a fonte do Castelo é um dos pontos de paragem para quem visita Ourém. De estilo gótico, tem esculpidas as armas do 4º conde de Ourém e a seguinte frase: “Esta fonte mandou fazer D. Affonso, neto do muito nobre rey D. João, e conde desta villa, a qual foi arvorada e acabada no anno da era do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1434”. A fonte continua a verter água e em tempos esta (como outras na freguesia) era bastante utilizada, mas segundo informação da junta de freguesia de Nossa Senhora das Misericórdias não há actualmente o costume de recolha pelas populações. Chegou inclusive ali a existir uma placa a informar que a água estava imprópria para consumo.

fonte DR
Fonte Gótica da Vila Medieval de Ourém, foto DR

Em Alcanena as fontes mereceram um percurso pedestre em Bugalhos. A Rota das Fontes Naturais (PR3 ACN) possui 13 quilómetros e passa por quatro fontes naturais, ainda utilizadas pela população, sobretudo para regas, ou pelos ciclistas para encheram os seus cantis durante o percurso. Existe um fontanário junto ao edifício da junta de freguesia, mas a ligação está feita à rede pública de água.

Também em Alcanena, Monsanto possui uma fonte, a Fonte do Pião, com fama municipal. Para além da água, a fonte tem a particularidade ser um dos pontos turísticos da aldeia, por possuir um conjunto de mosaicos que retratam as antigas gentes da terra. É “água muito boa, de nascente”, justificou-se ao mediotejo.net um consumidor que encontrámos pelo caminho, referindo que também vai às nascentes de outras freguesias de Alcanena.

Fonte do Pião em Monsanto, foto mediotejo.net
Fonte do Pião em Monsanto, foto mediotejo.net

Em Espinheiro ainda procurámos a “Fonte dos Namorados”, que assim ficou conhecida por ser ponto de encontro dos enamorados. Há alguns anos toda a zona levou obras de requalificação e o local encontra-se cuidado, mas neste momento a água já não corre. Na mesma localidade existe a fonte natural de “Rio de Cantos”, esta sim com grande afluência por parte da população dos arredores. “Dizem que é bom para os rins”, comenta-se na junta de freguesia ao contacto do mediotejo.net. A água aqui é analisada mensalmente pelo centro de saúde e geram-se filas para conseguir encher os garrafões.

Fonte dos Namorados, Espinheiro foto do mediotejo.net
Fonte dos Namorados, Espinheiro
foto do mediotejo.net

Em Torres Novas a lista de fontes municipais é extensa. Ouvimos rasgados elogios à fontanário da Meia Via, junto à Igreja Paroquial, que apesar de já não possuir a afluência de outrora continua a ser utilizado pelos que passam, crianças e idosos, para matar a sede.

fonte meia via
fontanário da Meia Via, foto DR

Torres Novas tem ainda vários fontanários espalhados pela sede de concelho, a maioria de torneira ou bebedouros de pedal. Olaia, Paço e Chancelaria são freguesias que ainda possuem os seus fontanários.

 

*Artigo publicado em 2016, republicado em abril de 2019

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here