Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Novembro 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

À Descoberta | 13 Museus a visitar para conhecer a história e a cultura do Médio Tejo

A 18 de maio celebra-se o Dia Internacional dos Museus mas todos os dias podem ser uma boa altura para descobrir alguns dos locais que celebram a riqueza da história e cultura da região do Médio Tejo.

- Publicidade -

Propomos a visita a 13 museus das mais variadas temáticas, da arqueologia à arte, da metalúrgia às bonecas, dos comboios aos fósforos.

Abrantes

Museu Metalúrgica Duarte Ferreira, no Tramagal. Foto: CMA

- Publicidade -

1. Museu Metalúrgica Duarte Ferreira
É precisamente no edifício onde funcionavam os antigos escritórios da Metalúrgica Duarte Ferreira (MDF), entretanto recuperado, que se encontra este museu que se dedica à preservação e divulgação do património industrial da MDF, importante indústria nacional do século XX que ajudou a escrever a história de Tramagal, e que visa igualmente honrar a memória do pioneiro da metalomecânica em Portugal que foi Eduardo Duarte Ferreira (1856-1948). O Museu Metalúrgica Duarte Ferreira recebeu no ano de 2018 a distinção de Melhor Museu Português do Ano atribuído pela Associação Portuguesa de Museologia.  
R. Comendador Eduardo Duarte Ferreira, 116, Tramagal. Tel. 968 504 601. Aberto de qua-dom 09h-12h30/14h00-17h30. Entrada gratuita

Alcanena

Museu de Aguarela Roque Gameiro, em Minde, Alcanena. Foto: DR

2. Museu de Aguarela Roque Gameiro
Aberto ao público desde 2009, este é o único museu português exclusivamente dedicado à aguarela e aos trabalhos de Alfredo Roque Gameiro. Instalado na Casa dos Açores, imóvel notável pela sua arquitetura, o museu conta com mais de centena e meia de obras deste pintor natural de Minde e das suas filhas, mas igualmente com alguns retratos do próprio Alfredo Roque Gameiro de outros pintores do seu tempo como Abel Manta, António Tagarro, Alfredo Morais e Columbano Bordalo Pinheiro. O acervo integra ainda obras em depósito de longa duração pertencentes à família de Roque Gameiro e todas as ilustrações de “As pupilas do Senhor Reitor”, pertencentes à coleção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian.
Largo Justino Guedes, 2, Minde. Tel. 249 841 292. Aberto de Ter-Dom, 10h-12h30/14h-18h. Entrada 3€

Museu da Boneca, em Alcanena (Foto: mediotejo.net)

3. Museu da Boneca
O Museu da Boneca reúne em exposição uma coleção privada de mais de 8000 exemplares de bonecas e bonecos que variam nos seus tamanhos, materiais e formas. Seja em cerâmica ou madeira, em miniatura ou à escala de casas de brincar, com ou sem acessórios, são variados os modelos que pode observar e dos quais depreender a evolução do gosto por este tipo de brinquedos. O museu conta ainda com o Hospital de Bonecas, um espaço interativo onde se pode assistir ao arranjo de brinquedos realizado pela proprietária da coleção, Rosa Maria Vieira.
Rua Engº Eduardo Arantes de Oliveira, 49, Alcanena. Tel. 249 899 308. Aberto de ter-sex 10h-13h/14h-18h, sáb-dom só por marcação. Entrada 1,89€ (descontos aplicáveis), gratuita para crianças até aos 10

Constância

Museu dos Rios e das Artes Marítimas – Constância. Foto: DR

4. Museu dos Rios e das Artes Marítimas
Sendo uma vila ribeirinha com uma história fortemente relacionada com o rio, o transporte fluvial, construção naval e pesca, muitos foram os vestígios que foram sendo deixados ao longo dos tempos e que o Museu dos Rios e das Artes Marítimas recolhe, analisa e divulga. O acervo é principalmente constituído por peças da etnografia fluvial, como os instrumentos de trabalho e miniaturas das tradicionais embarcações da vila de Constância.
Estrada Nacional N.º 3, Constância. Tel. 249 730 053. Aberto de seg-sex das 14h-17h30. Entrada individual 1€/Entrada em grupo 0.50 €

Entroncamento

Sala dedicada aos ferroviários, no Museu Nacional Ferroviário. Foto: mediotejo.net

5. Museu Nacional Ferroviário
Já se ouve o comboio a apitar, próxima paragem: Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento, um espaço que pretende dar a conhecer o património cultural, histórico, simbólico e tecnológico do transporte ferroviário em Portugal, desde as primeiras locomotivas a vapor até ao transporte ferroviário do futuro. Numa área de 4,5 hectares, nos quais marcam presença 19 linhas e diversos edifícios ferroviários, e entre os cerca de 36 mil objetos das mais diferentes dimensões que constituem o acervo do museu, é possível encontrarem-se verdadeiros tesouros nacionais ferroviários como o Comboio Real e o Comboio Presidencial.
Ferreira de Mesquita 1-A, Entroncamento. Tel. 249 130 382. Aberto de Ter-Dom das 10h- 18h. Entrada 5€ (descontos aplicáveis)

Mação

Foto: mediotejo.net

6. Museu de Arte pré-histórica e do Sagrado no Vale do Tejo
Distribuído por quatro núcleos, história natural, etnografia, arte sacra e arqueologia, é sobretudo deste último que se compõe o acervo do museu. Entre coleções de fósseis da região do período Pré-Câmbrico, materiais representativos de algumas profissões tradicionais, peças de arte e registos de arte rupestre, achados da Idade do Bronze, o acervo é grande e convida a visita. O museu é um importante polo na investigação científica e arqueológica, desenvolvendo e colaborando em diversos projetos e ofertas formativas e possui inclusive um Centro de Investigação e uma Biblioteca Científica com um conjunto considerável de livros, publicações e artigos científicos.
Largo Infante D. Henrique. Tel. 241 571 477. Aberto de seg-sex das 9h30-12h30/14h-17h30. Entrada gratuita

Ourém

Foto: Facebook do Museu de Cera de Fátima

7. Museu de Cera de Fátima
Este museu dá a conhecer a história do milagre de Fátima de 1916 através de figuras em três dimensões, criadas o mais fiéis possível à realidade, tal como os espaços envolventes onde as figuras estão inseridas, na tentativa de recriar os cenários o mais realistas possíveis. Ao todo, pode contar com 120 figuras distribuídas por 32 cenas.
Rua Jacinta Marto, Fátima. Tel. 249 539 300. Aberto de Seg-Sex, das 10h-13/14h-17h e Sáb-Dom das 10h-18h. Entrada 7,75€ (descontos aplicáveis), gratuito para crianças até aos 6 

A Associação Portuguesa de Museologia (APOM) atribuiu o prémio pelo projeto da mesa digital integrado na exposição temporária “Crianças entre Crianças – Os Pastorinhos de Fátima na Casa do Administrador” patente neste núcleo museológico do MMO.

8. Casa do Administrador (Museu Municipal de Ourém)
A Casa do Administrador (núcleo do Museu Municipal de Ourém), está vocacionada para estudar e dar a conhecer um pouco do que foi o município de Ourém e o seu património e identidade cultural. O espaço, que consiste no antigo edifício recuperado do que foi residência do antigo administrador de Ourém, Artur de Oliveira Santos, associa-se igualmente à história das Aparições de Fátima, pois foi o responsável por acolher os três pastorinhos durante duas noites, uma vez que Artur de Oliveira Santos foi um dos responsáveis pelo interrogatório aos três pastorinhos.
Largo Dr. Vitorino de Carvalho, n.º 14, Ourém. Tel. 249 540 900 (6831); 919 585 003. Aberto de seg-sex das 9h-13h/14h-17h. Entrada 2,80€ (descontos aplicáveis), gratuito para crianças até aos 6

Tomar

O Museu dos Fósforos conserva uma coleção superior a 80 mil caixas, etiquetas e carteiras de fósforos doada por Aquiles da Mota à Câmara Municipal de Tomar em 1980. Foto: mediotejo.net

9. Museu dos Fósforos
No interior do convento de São Francisco em Tomar encontra-se à espera de ser visitado o Museu dos Fósforos, o qual apresenta uma enorme coleção de caixas e outros utensílios relacionados com os fósforos, como etiquetas e carteiras, num número superior a 60 mil. Na coleção, as caixas de fósforos apresentam as mais variadas formas, materiais e padrões, com diferentes representações como países, animais, carros, filmes, instrumentos e personalidades. Sendo comummente apresentada como a maior da Europa (e quem sabe, do mundo), esta vasta coleção filuminística foi doada por Aquiles da Mota à Câmara Municipal de Tomar e o museu foi criado em 1984.
Av. General Bernardo Faria, Tomar. Tel. 249 329 823. Aberto de ter-dom, das 10h-13h00/14h00-18h00. Entrada Gratuita

Torres Novas

Foto: Facebook Museu Agrícola Riachos

10. Museu Agrícola de Riachos
O Museu Agrícola de Riachos pretende, através de um vasto espólio etnográfico, dar a conhecer a ancestralidade da atividade agrícola que marcou a localidade e preservar a sua memória tendo em conta a mudança da agricultura com a introdução da maquinação. Do espólio, maioritariamente doado, fazem parte diversos objetos do quotidiano como instrumentos agrícolas e trajes tradicionais, e documentação textual e fotográfica que foi sendo resgatada e que é imprescindível para a compreensão do património local e das vivências passadas da localidade. O espaço do museu, inaugurado em 1989, é o edifício de um antigo lagar de azeite desativado na década de 70.
Dr. José Marques 14, Riachos. Tel. 934 133 079. Aberto de seg-sex 9h-12h30h/14h-17h, sáb e dom só com marcação prévia. Entrada Gratuita

Foto: mediotejo.net

11. Museu Carlos Reis
Fundado em 1933, sendo-lhe atribuído o atual nome em 1942, o Museu Carlos Reis visa criar um repositório do património e da memória histórica e cultural de Torres Novas e da região que lhe está ligada, com a exposição de objetos respeitantes à Pré-História, época romana, Idade Média, à Arte-Sacra. Pertencente à Rede Portuguesa de Museus desde 2001, o museu alberga igualmente uma exposição de quadros de pintores de renome como Carlos Reis, João Reis, Maria Nery, Artur Bual e José Malhoa.
R. Salvador, 10, Torres Novas. Tel. 249 812 535. Aberto de ter-sex, das 9h-12h30/14-18h30, sáb-dom 14h-18h. Entrada gratuita

Vila de Rei

12. Museu do Fogo e da Resina
Situado no centro histórico de Vila de Rei, este museu explica o fogo e a sua relação com a humanidade e aborda a importância da resina enquanto matéria-prima. O acervo do museu, composto por materiais arqueológicos, uma coleção de caixas de fósforos, utensílios de resineiro e equipamentos de combate a incêndio, conduz ainda os visitantes pela história de Vila de Rei tendo como fio condutor o fogo, tentando explicar a localização geográfica, composição geológica, histórica e mítica, e a própria evolução da localidade através deste elemento. No ano passado foi destacado na revista National Geographic.
Rua da Devesa, nº15, Vila de Rei. Tel. 274 898 518. Aberto de qua-dom, das 10h-12h30/14h-17h30. Entrada Gratuita

Foto: CMVR

13. Museu da Geodesia
É precisamente no centro de Portugal – como aliás não podia deixar de ser – que se encontra o Museu da Geodesia, espaço dedicado a esta ciência que estuda a forma e dimensões da Terra, onde estão diversos instrumentos geodésicos e painéis informativos sobre a temática. É ainda de aproveitar o miradouro do local.
A 2,5 km de Vila de Rei, junto ao Centro Geodésico de Portugal (Picoto). Tel. 274 898 023. Aberto todos os dias das 10h-12h30/14h-17h30. Entrada Gratuita

- Publicidade -
- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde, solicito que, referente ao Museu da Boneca – Alcanena, no endereço, seja substituída a palavra Tomar por Alcanena. Obrigada e os melhores cumprimentos, Museu da Boneca – Alcanena.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome