“A comunicação social está de joelhos”, por Vasco Damas

Foto: DR

Entre 2008 e 2018, estima-se que as ajudas ao sistema financeiro português terão custado 17.200 milhões de euros aos contribuintes. Fazendo as contas, apuramos que este montante dá qualquer coisa como 1.800 euros a cada cidadão português. Além de percebemos que estes números são ofensivos e que ainda por cima estão desatualizados porque neste momento já atingiram uma dimensão maior, eles são a prova que mais nenhum sector de atividade teve apoios desta ordem de grandeza por parte dos diversos governos portugueses.

Relembro estes números apenas para colocar as coisas em perspetiva e para voltar a analisar um tema que é sensível e que tem maior importância do que aquela que normalmente lhe atribuímos. Refiro-me às dificuldades por que passam a generalidade dos órgãos de comunicação social nacionais e locais.

Como já escrevi por diversas vezes, aquele que é normalmente apelidado de 4º poder passa por dificuldades históricas que o têm “obrigado” a exercer esse poder demasiadas vezes à margem dos seus códigos de ética e de deontologia.

PUB

Este é um tema que já chegou à opinião pública e o próprio Presidente da República fez uma referência pública de forma subliminar para os perigos que enfrentará a democracia portuguesa com a existência de uma comunicação social dependente. Em novembro último, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou esperar que, no âmbito do Orçamento de Estado, o Parlamento aprovasse medidas de incentivo às empresas do sector, à semelhança daquilo que já passa noutros países.

Como sabemos, o governo ainda não deu esse passo adiando para um futuro incerto a implementação de medidas fundamentais para que o 4º poder possa efetivamente exercer as suas funções, garantindo o controlo sobre os restantes 3 poderes – legislativo, executivo e judiciário.

Ficamos com a sensação que estes poderes básicos das democracias têm vindo a perder o seu real poder, estando cada vez mais dependentes do poder financeiro.

Este problema ganha maior dimensão quando nos focamos em realidades locais e ficamos a saber que os principais clientes, aqueles que ajudam a pagar os custos de estrutura, são precisamente os mesmos que exercem cargos públicos.

Apesar da verticalidade da maioria dos profissionais que trabalham no sector, a necessidade de manutenção das avenças contratadas “obriga” a uma atenção redobrada na gestão e partilha de informação.

A verdade é que, no cenário atual, a comunicação social está de joelhos. Mais grave. Não se pode levantar porque sente a lâmina no seu pescoço. E enquanto assim for, a maioria continuará de joelhos e os que se tentarem levantar rapidamente vão sucumbir. E este cenário de dependência apenas serve quem se pretende perpetuar no poder. Talvez assim se percebam os critérios por trás das ajudas aos diferentes sectores de atividade.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here