VN Barquinha | Praia do Ribatejo evoca importância histórica de um território que foi Templário (C/FOTOS e VIDEO)

Cortejo histórico "Exaltação das Ordens". Foto: mediotejo.net

A freguesia de Praia do Ribatejo, que este ano comemora os 500 anos do foral manuelino, está a promover até ao fim do ano uma série de iniciativas que tem uma sequência cronológica com o objetivo de evocar várias passagens da história deste território do concelho de Vila Nova da Barquinha que pertenceu à Ordem dos Templários.

PUB

PUB

“Foram eles e mais tarde a Ordem do Templo que permitiu que fossemos o grande império do mundo porque foi aqui que começaram os descobrimentos”, explica Rita Inácio, uma das dinamizadoras da iniciativa que pretende essencialmente valorizar a história local.

No sábado, dia 12, decorreu o cortejo histórico “Exaltação das Ordens” no sítio onde existiu a vila antiga, depois Santa Maria do Zêzere e mais tarde Payo de Pelle. Era naquela zona que existia o castelo de Ozêzere e a antiga povoação, cujos vestígios foram destruídos com o passar dos tempos.

“Isto é uma espécie de homenagem ao que aqui existiu. O evento tem a ver com a passagem da Ordem dos Templários para a Ordem de Cristo que ocorreu em 1312”, explicou Rita Inácio, que idealizou o evento em parceria com Maria Esteves.

“Fomos um dos territórios mais importantes do País. Foi aqui que começou a expansão marítima portuguesa, foi aqui que começou o grande império português”, notou.

PUB

Recreação histórica ''Exaltação das Ordens'', em Praia do Ribatejo (VN Barquinha), evocativa da herança Templária, no âmbito dos 500 anos do Foral de Praia do Ribatejo

Publicado por mediotejo.net em Sábado, 12 de outubro de 2019

A escolha da hora para a iniciativa,  18:18, também não foi aleatória. O objetivo foi “jogar” com o pôr do sol, hora em que aconteceu o momento alto do espetáculo, no largo do cemitério.

Na atividade participaram cerca de três dezenas de figurantes relacionados com associações locais, como seja a  Universidade Sénior, Centro Cultural Limeirense, Associação Payo de Pelle, Associação dos Apicultores do Tejo e Soraia e a Associação Equestre das Margens do Tejo, além de alguns habitantes na Praia do Ribatejo que se associaram ao evento. Os fatos templários foram todos confecionados de propósito por uma costureira da freguesia, Maria Fernanda Capitão.

Ao longo da estrada do cemitério, o público ia acompanhando o cortejo e a coreografia entre Templários a pé e Templários cavaleiros além de uma misteriosa figura feminina, ao som de música ambiente e leitura de textos explicativos, até ao largo do cemitério.

O Foral de Payo de Pelle foi outorgado a 22 de dezembro de 1519 por D. Manuel I, numa altura em que a zona era território da Ordem de Cristo. Mas até 1312, a atual Praia do Ribatejo pertenceu a uma das mais poderosas Comendas da Ordem da Ordem do Templo. E é neste contexto que o mestre da Ordem, D. Gualdim Pais fez a outorga do primeiro Foral da Vila, em 1174.

As atividades comemorativas prosseguem a 26 de outubro com as Jornadas de História Local nas quais está prevista a intervenção de vários historiadores.

O espetáculo de teatro de rua “Visitação” está agendado para 16 de novembro e trata da visita do rei D. Manuel à povoação numa altura em que ainda era duque.

O programa termina com a Feira Renascentista de Payo de Pelle nos dias 21 e 22 de dezembro (fim de semana antes do Natal), momento alto das comemorações dos 500 anos do Foral. Conta-se com a presença do professor da Universidade Nova João José Alves Dias, natural da Praia do Ribatejo, a única pessoa que escreveu sobre este território: monografia “Paio de Pele: A vila e a região do século XII ao XVI”, obra que vai ser reeditada pela Junta de Freguesia.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here