VN Barquinha | Museu Hermético inaugurado na vila é único no mundo (c/fotos e video)

Manuel Gandra é o mentor do novo Museu. Foto: mediotejo.net

Quanto entramos no Museu Hermético Português, inaugurado no sábado, dia 30 de novembro, em Vila Nova da Barquinha, entramos num mundo cheio de mistérios, magia e esoterismo. Nas palavras do seu mentor, Manuel Gandra, Diretor do CITA – Centro de Interpretação Templário – Almourol, que funciona no Centro Cultural da vila, trata-se de um “Museu que se dedica a estudar o sagrado e a simbólica e chama-se hermético porque o hermetismo é a base filosófica de todas essas matérias”. É único em Portugal e no mundo, garante.

PUB

PUB

Para o presidente da Associação Saudade, entidade que está na base do projeto, o Museu Hermético “não é apenas uma exposição, mas sim a base de uma série de atividades, como colóquios, conferências, seminários ou trabalhos práticos”. Tais atividades “arrancam em força no próximo ano dado que, entretanto, estamos na quadra natalícia em que há menos disponibilidade das pessoas”, explica Manuel Gandra ao mediotejo.net.

A escolha da data da inauguração do Museu não foi aleatória, tal como não foi aleatória a data do lançamento da “pedra fundamental”, a 13 de outubro. É que 30 de novembro é o dia do aniversário da morte de Fernando Pessoa. Fez 84 anos que o poeta faleceu. “Ele foi um ilustre hermetista português, é o nosso patrono, o nosso padroeiro, digamos assim”.

E 13 de outubro remete para a trágica sexta feira, 13 de outubro de 1307, em que o rei Filipe IV dá início à perseguição contra os Templários acabando com a Ordem do Templo em 1314.

Museu Hermético Português abriu em Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

Mas do que consta o Museu Hermético Português que abriu numa das ruas principais de Vila Nova da Barquinha?

PUB

Quando passamos a entrada, ladeada por colunas de pedra, acedemos a uma primeira e pequena sala de receção onde funciona uma venda de livros usados e novos e de produtos ligados à temática do Museu.

Inauguração do Museu Hermético Português em Vila Nova da Barquinha, um projeto do investigador Manuel Gandra

Publicado por mediotejo.net em Sábado, 30 de novembro de 2019

Passamos depois para a sala principal, ampla, com arquitetura tradicional preservada onde nos chama logo à atenção no centro do chão um conjunto de ladrilhos quadrados, brancos e pretos, a remeter para o popular jogo de damas mas ali com uma simbologia própria.

Além dos inúmeros quadros que preenchem as paredes da sala e de um pórtico em pedra, há várias vitrinas cheias de objetos. Ali estão expostas algumas peças consideradas “fora da caixa”, muitos objetos de magia, de bruxaria, de feitiçaria, de geomancia, objetos que têm a ver com práticas astrológicas, cabalísticas, de tudo um pouco, como nos explicou Manuel Gandra.

Sem convites formais para o dia inaugural, o Museu está de portas abertas aos interessados num tema que Gandra reconhece ser “complexo, com muitas vertentes aparentemente contraditórias”.

No dia 30, durante seis horas, o Museu esteve aberto com visitas guiadas, palestras e representações que compassadamente preencheram a tarde.

O novo espaço cultural “tem subjacente um projeto mais vasto cuja âncora é a Associação Saudade, também conhecida por Mar e Saudade”, nome inspirado num poema de Fernando Pessoa onde se lê que, “depois de perdida a alma, o que resta é o mar imenso e a saudade”.

António Borges, outro dinamizador do projeto, fez questão de elogiar o empenho da Câmara Municipal e do seu presidente, Fernando Freire, que luta para que “Vila Nova da Barquinha seja um lugar de referência”.

Para o autarca, presente no dia de abertura do Museu, estamos perante “uma nova oferta cultural para a nossa região que vai transportar os visitantes para um itinerário misterioso, mágico, simbólico e imaginário”, além de representar uma “busca do conhecimento na arte, nas crenças e de pensar o mundo de outra forma”.

Museu Hermético Português foi inaugurado no sábado em Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

O Museu é gerido pela Associação Saudade, sem fins lucrativos, de natureza cultural e cívica, conforme consta dos seus Estatutos. Feita a instalação da primeira coleção visitável, inaugurada no dia 30, numa segunda fase surgirá a biblioteca bem como a realização de sessões e palestras sobre diversos temas com especial enfoque no tema Portuguesia, “neologismo que reporta a um estado identitário da Alma, exclusivo dos que pensam e se exprimem cosmologicamente em Português”.

“Até ao fim do ano a ideia é manter o museu aberto aos fins de semana. A partir do ano que vem começaremos a ter atividades mais continuadas e com mais intensidade”, complementa Manuel Gandra.

 

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here