VN Barquinha | Festa do Peixe do Rio faz sucesso em Tancos (c/vídeo)

Alguns dos elementos da organização. Foto: mediotejo.net

A Festa do Peixe do Rio em Tancos, Vila Nova da Barquinha, que já vai na sua 6ª edição, superou as expectativas da organização, o CLUPEDESTA – Clube de Pesca Desportiva de Tancos. Ao longo do fim de semana de 31 de agosto e 1 de setembro foram consumidos perto de 200 quilos de peixe do rio, com a enguia a esgotar logo no primeiro dia.

PUB

Tendo como cenários o rio Tejo e, na outra margem, a aldeia do Arripiado, o evento realizado na zona do cais de Tancos captou o interesse de muitos visitantes que ali se deslocaram para saborear o peixe do rio confecionado de várias formas.

Para a organização, apoiada pelo município de Vila Nova da Barquinha, esta é uma iniciativa que tem como principal objetivo a angariação de fundos, para além da promoção do potencial que representa o peixe do rio.

Pescador Rui Paulo também ajuda na cozinha. Foto: medio tejo.net

E são os próprios pescadores que amanham e confecionam o peixe. Rui Paulo, pescador que ganha a vida com o peixe que apanha no rio Tejo, tinha acabado de chegar de um concurso de pesca na barragem de Montargil. Coloca o avental o começa a fritar o peixe, fazendo uma pausa para responder às nossas perguntas.

6° Festa do Peixe do Rio em Tancos

Publicado por mediotejo.net em Domingo, 1 de setembro de 2019

“Tem sido muito bom, tem sido um sucesso. No primeiro dia vendemos cerca de 100 quilos de peixe e tivemos casa cheia ao almoço de domingo”, regozija-se Rui Paulo, salientando o facto de haver mesas reservadas seja para almoço ou para jantar.

PUB

Conhece bem o rio e toda a fauna ali existente. Refere que na festa do peixe é a fataça que mais se consome. Uma espécie que tem dois nomes, consoante esteja no rio ou no mar: fataça e taínha.

Explica-nos o experiente pescador que “é o único peixe que vai desovar ao mar e volta a subir o rio, as restantes espécies existentes no Tejo desovam todas no rio”. E para comer, esta é a altura ideal porque “a fataça está gorda e cheia de ovas”.

Além da fataça, também o barbo, a enguia e a saboga fazem parte da ementa. Para acompanhar serve-se açorda de ovas e salada. Há ainda sopa e caldeirada de peixe do rio. Para quem não gosta de peixe, a alternativa são as febras, as bifanas ou a mista de carne.

Quanto à bebida para acompanhar, Rui Paulo recomenda o “vinho branco fresquinho”, mas também há tinto e cerveja, entre outras bebidas.

Se há alguns meses o rio Tejo foi notícia pelo baixo caudal e pelas descargas poluentes, Rui Paulo garante que agora “a água está muito boa, com um caudal acima da média”. O pescador destaca o facto de “o rio Zêzere estar a largar água o que é muito bom porque a água vem mais límpida”.

Enquanto decorria a entrevista, o presidente da Junta de Freguesia de Tancos, Miguel Homem, não parava a ajudar na fritura, a empratar ou a receber os visitantes.

Na sua opinião, também é positivo o balanço do evento, destacando a angariação de receitas para o clube mas igualmente como fator de promoção da região.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here