Tramagal | Primeiro ninho de vespas asiáticas encontrado dentro da vila (C/VIDEO)

Em Tramagal, o primeiro ninho de vespas asiáticas foi encontrado hoje numa amoreira dentro da vila. Foto: mediotejo.net

Já havia suspeitas e relatos de avistamentos de vespas velutinas (ou asiáticas) em Tramagal mas só esta quarta-feira foi encontrado e certificado como tal o primeiro ninho das vespas carnívoras invasoras numa amoreira numa zona de pequenas hortas e quintais na Rua de Angola, no centro da vila.

PUB

Também hoje, a Proteção Civil de Abrantes encontrou mais um ninho na zona urbana de Abrantes, no Bairro Catroga e Gaio, e um outro em Águas das Casas, freguesia de Fontes. Os relatos são diários de uma praga que se instalou em todo o território concelhio.

Maria Jumélia Dias e Francisco Jesus são vizinhos e exploram os seus quintais em pequenos talhões de hortícolas das suas habitações, em Tramagal. Na sua labuta no dia a dia, já haviam estranhado o avistamento de uma estrutura fora de normal a crescer numa amoreira no terreno de um vizinho, recentemente falecido, mas nunca levaram a que fosse de uma vespa asiática.

Até que associaram o feitio dos ninhos e o aspeto das vespas que iam matando no quintal, “pretas e maiores do que as normais”, às notícias que viram na televisão e questionaram-se: “ó vizinha, aquilo não será um ninho daquelas vespas de que tanto se fala agora”?.

Ninho de vespa asiática em Tramagal. Foto:
Décio Dias – Photography

O contacto para as autoridades estava à distância de um telefone e a Proteção Civil de Abrantes esteve hoje no local a certificar que se tratava efetivamente de um ninho de vespa asiática, assumindo agora a aniquilação do ninho e das vespas num processo que deverá decorrer na sexta-feira.

PUB

Com uma cana impregnada de inseticida, o técnico fura o ninho e insere o veneno, sendo necessárias 24 a 48 horas para matar as vespas residentes, que se estima poderem chegar aos dois a três milhares. Sendo carnívoras, uma só colónia de vespas asiáticas pode comer cerca de meio quilo de abelhas por dia, sendo um grave problema ambiental e económico, pelos prejuízos que causa aos apicultores através da devastação das colmeias.

Ninho de vespa asiática encontrado numa amoreira numa horta de uma habitação na Rua de Angola em Tramagal. Foto: Décio Dias – Photography

Jumélia e Francisco não esquecem que têm convivido há cerca de um mês com algo que não faziam ideia ser um ninho de vespas asiáticas, tendo lembrado os relatos dos ataques mortais a pessoas que viram nas notícias.

“Nunca fui picada mas já encontrei e matei umas quantas vespas destas, e sem saber que eram asiáticas”, contou Jumélia Dias.  “Agora só descanso quando vierem cá matar as vespas e destruir o ninho, já não vou andar descansada na horta”, afirmou, na expectativa que o técnico contratado pela Proteção Civil venha ao Tramagal o mais depressa possível.

Francisco Jesus, por sua vez, não esquece uma picada de uma abelha de que foi alvo quando era jovem e do que sofreu durante vários dias com os efeitos da picada provocados no seu corpo. O receio de ser picado por uma vespa asiática são evidentes, aguardando com natural expetactiva que o ninho a poucos metros da sua horta seja neutralizado.

Tramagal l Ninho de vespas asiáticas encontrado em quintal

Publicado por Mário Rui Fonseca em Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

A Proteção Civil de Abrantes não tem mãos a medir para com relatos, telefonemas, pedidos de apoio, ajuda e informação sobre o avanço desta espécie invasora no território. Ainda esta semana, na terça-feira, destruiu mais um ninho de vespas asiáticas detetado num beirado em plena cidade, numa zona urbana em Vale de Rãs. Esta espécie não escolhe sítios para fazer os seus ninhos, podendo ser encontrados quer no campo quer na cidade, podendo o alimento escassear nos campos e entrar nas zonas urbanas “talvez em busca de comida”.

Os responsáveis da Proteção Civil de Abrantes contabilizavam na terça-feira cerca de 200 alertas e mais de 40 ninhos detetados e destruídos desde o início do ano, sendo muito difícil encontrar os ninhos das vespas, que podem estar num beirado de uma casa, numa garagem, num eucalipto, num silvado, ou dissimulado numa oliveira, por exemplo.

“No Bairro Catroga e Gaio, [em plena zona habitacional de Abrantes], o ninho foi hoje [quarta-feira] encontrado num silvado”, disse ao mediotejo.net a Coordenadora Municipal da Proteção Civil, Maria Inês Mariano. Sobre o ninho de Tramagal disse que “foi o primeiro encontrado na freguesia, e que deverá ser “neutralizado” na sexta-feira. Os apelos à ajuda população mantêm-se.

Foto: Décio Dias – Photography

“As vespas velutinas avistam-se pelos populares, somos chamados, mas não podemos ir à procura dos ninhos, que podem estar a alguns quilómetros do avistamento das vespas. A ajuda da população é fundamental para encontrar os ninhos, e depois nós procederemos à sua destruição”, notou.

O primeiro ninho de vespa velutina, ou vespa asiática encontrado na zona mais a sul do território concelhio foi encontrado e neutralizado no dia 27 de agosto na freguesia de Bemposta, com um ninho de grandes dimensões detetado no meio de um eucaliptal e que configura o primeiro caso sinalizado na zona mais a sul do concelho de Abrantes, o que é revelador que “a vespa continua a expandir-se para sul do território”, disse Maria Inês Mariano.

A responsável apelou a que qualquer avistamento de um ninho que possa parecer ser de vespa asiática seja imediatamente reportado às autoridades, tendo referido que a Proteção Civil “atua sempre que confirmada a presença de um ninho de vespa asiática”, e feito o alerta de que um qualquer avistamento requer um afastamento imediato das proximidades do ninho de vespa asiática, e o alerta imediato às autoridades”.

Vespa asiática ou velutina – Informações úteis:

Em caso de avistamento da vespa velutina observe se existem sinais de ninho em redor.

Se detetar ninhos de vespa asiática, contacte as autoridades competentes e siga à risca as indicações.

A deteção ou a suspeita de existência de ninho ou de exemplares de Vespa velutina deverá ser comunicada através de um dos seguintes meios:

– contactar a GNR, através da linha SOS Ambiente e Território (808 200 520). Neste caso o observador será informado do procedimento a seguir para a efetiva comunicação da suspeita;

– contactar os serviços municipais de proteção civil ou a junta de freguesia mais próxima do local de deteção/suspeita. O Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC) só atua após a confirmação da localização do ninho de acordo com o descrito no “Plano de Ação para a Vigilância e Controlo da Vespa velutina em Portugal”.

– Em caso de presença de ninho suspeito, deverá ser feito o registo no portal Plataforma SOS Vespa (http://www.sosvespa.pt/web).

A destruição dos ninhos deve ser feita por técnicos habilitados para limitar a sua dispersão.

Em caso de picada deve deslocar-se imediatamente à unidade de saúde mais próxima.

PUB
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here