Tramagal | BdP fala em “desempenho assinalável” de setor automóvel mas alerta para desafios

A Mitsubishi Fuso Truck Europe de Tramagal está entre as quatro grandes fábricas de produção automóvel em Portugal. Foto: MFTE.

O setor automóvel apresenta um “desempenho assinalável”, segundo um estudo do Banco de Portugal, que alerta para as incertezas que condicionam o setor na Europa e no mundo, considerando que Portugal deve criar condições para continuar a beneficiar deste investimento.

PUB

A Caixa 6 que integra o Boletim Económico, hoje divulgado, faz a caracterização e evolução recente da produção automóvel em Portugal e aponta os desafios com que o setor se confronta.

Segundo o estudo, o “setor de produção automóvel em Portugal tem apresentado um dinamismo elevado desde a segunda metade de 2017”, desde logo com impacto na exportação de bens, caso do primeiro semestre de 2019.

Ainda nos primeiros seis meses deste ano, o número de veículos de passageiros produzidos aumentou 22,3%, com a entrada em produção de novos modelos de carros, sendo que a quase totalidade da produção destinou-se à exportação.

A Mitsubishi Fuso Truck Europe de Tramagal está entre as quatro grandes fábricas de produção automóvel em Portugal. Foto: MFTE

Já em termos europeus, a “evolução do setor tem sido relativamente fraca”, com uma redução de 1,4% na produção de veículos ligeiros de passageiros na União Europeia em 2018, uma tendência que, segundo o estudo, se terá mantido este ano.

PUB

Já o peso do setor no Valor Acrescentado Bruto (VAB) da economia foi de 0,9% em 2017 e a importância do emprego do setor no total do emprego ficou em 1%, também em 2017, últimos dados existentes.

O setor compara ainda favoravelmente em produtividade, remunerações médias e investimento com a média da economia e da indústria transformadora, o que o estudo do Banco de Portugal atribui ao importante investimento estrangeiro e à competitividade internacional a que o setor é sujeito.

Segundo o Banco de Portugal, este “desempenho é particularmente assinalável, já que ocorreu num contexto de perturbação da oferta do setor a nível europeu”, com a entrada de uma nova norma sobre emissões poluentes (WLTP) a ter efeitos na produção automóvel europeia, assim como o esgotamento da procura, e com o setor a nível global a fazer face às incertezas relacionadas com desaceleramento económico e políticas protecionistas.

Ainda a condicionar esta indústria, diz o estudo, estão fatores como redução da procura de veículos automóveis de passageiros, elevada densidade automóvel existente, alterações nas preferências dos consumidores por veículos mais ecológicos ou mobilidade partilhada e até os avanços tecnológicos que levam à entrada de novos fornecedores no mercado, criando pressão sobre os produtores automóveis tradicionais.

Todo isto, refere, contribui para “tornar mais incertas as perspetivas sobre o setor”.

Fábrica da Mitsubishi Fuso Truck Europe, em Tramagal. Foto: DR

Estas incertezas, refere, assumem “acentuada relevância” em Portugal, já que este é um setor “fortemente dependente de investimento direto estrangeiro e da procura externa”, pelo que “eventuais decisões de redução da produção por parte de um conjunto limitado de empresas multinacionais podem ter um impacto macroeconómico relevante”.

Contudo, afirma também, pode haver oportunidades para Portugal, já que o país pode posicionar-se como mercado para receber mais produção, no âmbito da “reestruturação de cadeias de produção global”.

Para isso, sublinha, é “importante continuar a promover um enquadramento favorável à sua atividade”.

“O bom desempenho recente do setor em Portugal, nomeadamente a captação de novo investimento estrangeiro, com reflexo substancial na evolução das exportações e da respetiva quota de mercado, apontam para a manutenção de fatores de competitividade da indústria nacional. Neste âmbito, é importante continuar a promover um enquadramento institucional favorável à sua atividade”, refere.

As quatro grandes fábricas de produção automóvel em Portugal são PSA Mangualde (Peugeot/Citroen), distrito de Viseu, Autoeuropa Palmela (grupo Volkswagen), distrito de Setúbal, Mitsubishi Tramagal, distrito de Santarém, e Toyota Ovar, distrito de Aveiro, que contribuem para a criação de um ‘cluster’ automóvel em Portugal formado por milhares empresas dedicadas ao fabrico de componentes para automóveis.

Há ainda empresas de moldes e têxteis que trabalham quase exclusivamente para o setor automóvel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here