Tradições | Crianças aprendem a fazer bolinhos dos santinhos em Abrantes (C/fotos e vídeo)

Oficina de doçaria 'Bolinhos, Bolinhos' na XVI Feira Nacional de Doçaria de Abrantes

Aprender a confecionar beijinhos para o Dia de Todos os Santos foi o desafio lançado às crianças na oficina de doçaria ‘Bolinhos, Bolinhos’ na XVI Feira Nacional de Doçaria Tradicional de Abrantes, este domingo 29 de outubro. A iniciativa contou com a colaboração da Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes.

PUB

“Cheira a pão” atestava Salvador, um dos pequenos participantes no workshop ‘Bolinhos, Bolinhos’ do chef Igor Marques após mexer a massa dos beijinhos, típicos e comuns nas bolsas de pano após o peditório das crianças no Dia de Todos os Santos.

Antigamente, em dias de vida dura, implementou-se a tradição popular de os mais necessitados pedirem ‘Pão por Deus’, segundo reza a história, desde os tempos do terramoto de 1755 que arrasou Lisboa e fez dos pobres mais que miseráveis. Conta-se que no dia de ‘Pão por Deus’ as portas das casas abriam-se-lhes para que comessem e bebessem à vontade numa mesa posta com essa finalidade.

PUB

Por terras do concelho de Abrantes mantém-se até hoje a tradição de pedir no Dia de Santos, ainda que com diferentes protagonistas e pedidos. Os adultos já não pedem pão mas as crianças continuam a sair à rua em pequenos grupos para pedir ‘Bolinhos Bolinhos em Louvor de Todos os Santinhos’. Batendo de porta em porta, os donos da casa enchem-lhes os sacos de guloseimas como chocolates e rebuçados, ou fruta como romãs, castanhas e nozes, ou ainda bolos como, broas de mel, línguas-de-gato e beijinhos.

Para a massa são “três ovos, 100 gramas de açúcar, 150 gramas de farinha e raspa de limão. Bater tudo e 20 minutos no forno”, explica o chef Igor Marques, formador dos alunos do curso de Técnico de Restauração da Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes (EPDRA). A oficia de doçaria’ ‘Bolinhos, Bolinhos’ decorreu no domingo 29 de outubro durante a XVI Feira Nacional de Doçaria Tradicional de Abrantes, e esta associação da EPDRA à Feira é “regular”, referiu ao mediotejo.net a diretora de curso, Paula Gomes.

PUB

Foram dez as crianças que se inscreveram nesta atividade gratuita para aprender a fazer os cada vez mais esquecidos beijinhos, lembrados, ainda, nas zonas rurais e trazidos à mesa em dia de celebrações que exigem rigor na tradição.

“A base é uma massa de língua-de-gato e depois leva por cima um merengue” colorido com corante alimentar. Confeciona-se com “4 claras, 8 colheres de sopa de açúcar” e o tal corante para tingir as claras batidas em castelo que depois de colocadas, através de um saco pasteleiro, num tabuleiro forrado com papel vegetal vão hora e meia ao forno numa temperatura de 100 graus.

Quatro alunas, do segundo e terceiro ano de Técnico de Restauração da EPDRA, vestiram naquele dia a farda de “professor auxiliar” do chef Igor. Micaela de Almeirim, Rafaela de Tramagal, Carolina de Rio de Moinhos e Rafaela de Alferrarede treinavam assim a teoria adquirida com a prática de um workshop dirigido aos mais pequenos para despertar sentidos e tradições.

A EPDRA “recebe alunos de praticamente todo o País”, esclarece Paula Gomes, tratando-se de uma escola com internato “alguns alunos aproveitam o fim-de-semana para ir a casa, mas temos sempre alunos voluntários” para acompanhar os workshops.

Na preparação dos bolinhos, simples na confeção, com ingredientes crus e a precisarem de cozedura fácil, as crianças manifestavam o entusiasmo, umas mais tímidas outras mais afoitas. Lá iam recebendo instruções e seguindo a receita passo a passo, umas ansiosas por provar os bolos, outras apenas por experimentar o saco pasteleiro. A parte preferida: montar o bolinho, colando a bolacha ao suspiro com uma cola feita de clara de ovo e açúcar em pó.

Na EPDRA o curso de Técnico de Restauração “contempla duas vertentes. Ao longo dos três anos do curso têm disciplinas técnicas na área da pastelaria e na área de cozinha” explica Paula Gomes, sendo o chef Igor Marques formador em ambas as áreas.

Pela primeira vez a dar formação na EPDRA, o jovem chef de Marinhais já conta com 11 anos a ensinar técnicas e truques de cozinha. Passou por escolas em “Salvaterra, Lisboa, Santarém, Sintra” e agora Mouriscas, indica.

Para Paula Gomes este tipo de iniciativa “é muito bem vinda” uma vez que proporciona “experiências muito engraçadas aos alunos, com muito valor” para o seu futuro profissional. “Quanto mais participarem mais experiência diversificada adquirem”, considera, dando o exemplo da entrada dos alunos na fase de estágio. “Acresce-lhes um bocadinho de prática e de à vontade a lidar com o público”.

As crianças também gostaram da experiência. No final era visível a alegria estampada nos rostos dos miúdos. Até porque todos levaram para casa um saco cheio de beijinhos.

 

Abrantes | No workshop 'Bolinhos Bolinhos' os mais pequenos aprenderam a confecionar bolinhos dos santinhos, os doces e coloridos beijinhos, na XVI Feira Nacional de Doçaria Tradicional de Abrantes, com o chef Igor Marques e alunos da EPDRA.

Publicado por mediotejo.net em Domingo, 29 de Outubro de 2017

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here