Torres Novas | Queixas sobre nova ronda de poluição na Boa Água chegam ao Ministério do Ambiente

Ribeira da Boa Água este mês de janeiro. Foto: DR

Os maus cheiros e a aparente poluição da ribeira da Boa Água, visível sobretudo na zona de Nicho de Riachos, Torres Novas, voltaram nas últimas semanas à ordem do dia, com manifestações de indignação de populares nas redes sociais, de moradores da envolvente e da oposição na reunião camarária de 8 de janeiro e agora dos deputados do CDS-PP na Assembleia da República ao Ministro do Ambiente e da Transição Energética. A realizar esta semana uma viagem a Cabo Verde, o presidente da Câmara, Pedro Ferreira (PS), adiantou que assim que regressar pedirá uma reunião com o secretário de Estado do Ambiente, mas que não há mais informações sobre os problemas em torno da ribeira da Boa Água.

PUB

Os vídeos nas redes sociais a darem conta do mau cheiro e do fluxo acastanhado de água que segue na ribeira da Boa Água voltaram e são muitos os que se queixam da intensificação dos odores na região. Na reunião de câmara de 8 de janeiro, uma moradora do Carreiro da Areia foi pedir um ponto de situação sobre o processo de encerramento da laboração da Fabrióleo, empresa considerada pela maioria da população a responsável pela poluição, mas Pedro Ferreira admitiu que, não obstante alguns esforços dos serviços municipais para tentarem saber a que se deve a estagnação de quase um ano da questão judicial, até ao momento não há novidades a facultar.

Ativistas, moradores e autarcas compuseram o grupo de torrejanos que foi a Lisboa entregar em novembro de 2016 a petição pela ribeira da Boa Água. À entrada ainda se juntavam assinaturas. FOTO: mediotejo.net

Na mesma sessão, Graça Martins, vereadora em representação do BE, daria conta que a poluição na ribeira da Boa Água se tinha agravado, com várias queixas dos maus cheiros por populares, apelando a uma reunião com o Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins.

Entretanto o CDS-PP, nomeadamente os deputados locais Patrícia Fonseca e Álvaro Castello-Branco, fez saber que questionou o Ministro do Ambiente e da Transição Energética sobre este novo foco poluente na ribeira da Boa Água, interrogando se já foi identificada a fonte de poluição.

“Na pergunta enviada à tutela, os deputados do CDS-PP questionam também com que frequência tem sido feita a recolha de amostras para análise da água na zona em causa e com que resultados, com que periodicidade têm sido feitas inspeções às empresas desta zona e com que resultados, e sendo conhecidas várias descargas neste afluente do Rio Almonda, quantos autos foram levantados e quantos tiveram seguimento”, refere o comunicado enviado às redações.

PUB

Os deputados indagaram ainda sobre que medidas foram aplicadas para dar cumprimento à Resolução da AR n.º 209/2017, de 11 de agosto. De recordar que a Assembleia da República recomendou ao Governo um conjunto de medidas para despoluir o rio Almonda e seus afluentes, na sequência de uma petição da população torrejana.

“Esta semana, o CDS-PP teve conhecimento de que a situação de poluição da Ribeira da Boa Água, um afluente do Rio Almonda, no concelho de Torres Novas, não só se mantém como se tem vindo a agravar”, refere.

O mediotejo.net contactou Pedro Ferreira, no intuito de saber se desde 8 de janeiro havia alguma novidade sobre a poluição da ribeira e o processo da Fabrióleo. Em viagem oficial a Cabo Verde, o autarca adiantou que a situação se mantém, mas que após o seu regresso, sexta-feira, 18 de janeiro, irá pedir uma reunião ao secretário de Estado do Ambiente, a fim de tentar obter esclarecimentos sobre estas matérias.

 

PUB

1 COMENTÁRIO

  1. É uma vergonha, as pessoas que habitam nas proximidades a respirarem o cheiro insuportável que ninguém sabe as consequências para a saúde, águas contaminadas, porque toda a gente sabe até as autoridades que enterram grande parte do material poluente, que contamina os recursos aquíferos. Até quando essa impunidade?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here