Torres Novas | Filme-concerto de Legendary Tiger Man abre nova temporada do Teatro Virgínia

Um filme-concerto que junta The Legendary Tigerman (músico), Rita Lino (fotógrafa) e Pedro Maia (realizador) abre este sábado, dia 01 de abril, a próxima temporada do Teatro Virgínia, em Torres Novas.

PUB

“How to Become Nothing” é o título da viagem pelo deserto da Califórnia que abre a programação apresentada em Torres Novas pelo presidente do município, Pedro Ferreira, e pelo diretor artístico do Teatro Virgínia, Rui Sena, depois de uma sessão para escolas do espetáculo “Do Bosque para o Mundo”, uma peça de Miguel Fragata e Inês Barahona.

Da programação para os próximos meses, até julho, o Teatro Virgínia destaca ainda António Zambujo, que apresentará o álbum “Até Pensei que Fosse Minha”, numa homenagem a Chico Buarque, no dia 06 de maio, e a Companhia Nacional de Bailado, que a 25 de junho reporá quatro peças de quatro criadores – Olga Roriz, Vasco Wellenkamp, William Forsythe e Ohad Naharin -, num espetáculo que assinalará os seus 40 anos.

Na programação de dança, o coreógrafo Victor Hugo Pontes foi convidado pelo Virgínia para apresentar o espetáculo “Nocturno” na comemoração do Dia Mundial da Dança, que se assinala a 29 de abril, com uma sessão para escolas no dia 28 e outra para famílias no dia 29.

Clara Bevilaqua e Guilherme Calegari trarão a Torres Novas “Conversas de Corpo”, um espetáculo de dança “concebido na relação direta com o público”, com sessões para escolas e famílias agendadas para 23, 24 e 25 de maio.

Na música, o Coral Sinfónico de Portugal, que mensalmente ensaia próximo de Torres Novas com coralistas de todo o país dirigidos pela maestrina Saraswati Griffiths, apresenta o seu espetáculo anual, desta vez o “Requiem”, de Giuseppe Verdi, a 14 de maio, seguindo-se, dia 20, o Choral Phydellius com o concerto comemorativo do seu 60.º aniversário.

No teatro, o Virgínia receberá a 08 de abril os Artistas Unidos, que apresentarão “Jardim Zoológico de Vidro”, a partir da obra de Tennessee Williams, estando a peça “Atalhos”, com texto de Joana Craveiro, espetáculo que mostra o resultado de “longos meses de trabalho e de aprendizagem” do Grupo de Teatro Juvenil do Virgínia, agendada para 21 de abril para escolas e dia 22 para público geral.

Pedro Ferreira realçou o “crescimento ímpar” da vida cultural torrejana nos últimos anos, o que atribuiu à qualidade da programação e à diversidade de espetáculos e de eventos promovidos pelo município e ao “rico tecido associativo concelhio”.

O autarca juntou à “singularidade” da programação do Virgínia a abertura do teatro às instituições do concelho e a “articulação” com outros projetos municipais, de que destacou as “Memórias da História”, que no início de junho enchem as ruas da cidade de visitantes, e as Festas do Almonda (julho).

Rui Sena realçou uma programação com “grandes nomes e obras referenciais da cultura nacional e universal” e sublinhou o trabalho do Lab Criativo, onde se insere o Grupo de Teatro Juvenil e que dinamizará sessões com os bailarinos que passarão pelo Virgínia nos próximos meses, além do trabalho do Atelier Teatral dos Miúdos.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here