Torres Novas | Festival Couves com Feijões valoriza produtos endógenos e potencia turismo (C/FOTOS)

Jantar de apresentação do Festival Couves com Feijões de Torres Novas. Foto: Arlindo Homem

Foi em Carvalhal da Aroeira, uma aldeia do concelho de Torres Novas, que nasceu a Confraria das Couves com Feijões, a qual deu origem ao Festival Gastronómico homónimo, e que está a decorrer até este domingo, dia 1 de dezembro, em mais de 40 restaurantes do território torrejano.

PUB

Este ano, aderiram ao evento 43 restaurantes, mais 14 do que na 1ª edição, o que revela um maior entusiasmo pela iniciativa promovida pelo Município de Torres Novas em colaboração com a Confraria das Couves com Feijões do Carvalhal da Aroeira.

“Contribuir para a afirmação e preservação de um dos pratos que compõem a gastronomia típica torrejana” é o principal objetivo do Festival das Couves com Feijões cuja apresentação decorreu no dia 16, na sede do Centro Social, Cultural e Recreativo de Liteiros.

Jantar de apresentação do Festival Couves com Feijões de Torres Novas. Foto: Arlindo Homem

O vereador Joaquim Cabral, responsável pelo pelouro do turismo na Câmara de Torres Novas, realçou a adesão crescente que o evento está a registar e a forma como a restauração respondeu ao desafio. “No fim de fecharmos o prazo de inscrições ainda apareceram mais dois ou três restaurantes que também queriam participar”, revelou.

A Confraria das Couves com Feiões junta até agora 56 confrades. Foto: mediotejo.net

As Couves com Feijões “é um prato com muita tradição no nosso concelho e tem muita boa aceitação por parte da nossa restauração. O Festival divulga Torres Novas, valoriza-nos turisticamente e valoriza os produtos endógenos do nosso território”, destacou. Este ano, a autarquia reforçou a aposta na divulgação através de um outdoor na A1 a anunciar o evento.

PUB

A ideia da Confraria surgiu na sequência do seu atual Grão-Mestre, Luís Correia de Sousa, ter escrito um livro sobre os usos e costumes de Carvalhal da Aroeira, onde dedicou um capítulo à gastronomia. Face à indicação de que se comia tradicionalmente, entre outros pratos populares, as couves com feijões, deixaria então a sugestão de se criar algum tipo de Confraria, tendo rapidamente sido desafiado a concretizar a ideia, conforme explicou ao mediotejo.net.

Posteriormente, confidenciou, ainda se equacionou que teria sido melhor apostar numa Confraria do Figo, mais fiel à narrativa do concelho, mas manteve-se a ideia original das couves com feijões, por ser “simples” e “emblemático” da localidade.

Houve logo um primeiro encontro para debater a ideia, tendo reunido em torno da Confraria cerca de 50 pessoas. “Começámos a reunir anualmente e contactámos outras confrarias”, recordou. Estes encontros costumam ser acompanhados por música, numa tentativa de unir a cultura erudita à gastronomia.

Aquilo que começou informalmente em 2012, passou a associação sem fins lucrativos, devidamente legalizada em 2015, com apadrinhamento da Confraria do Azeite do Fundão, contando atualmente com 56 confrades. O seu principal objetivo é a promoção da gastronomia local e regional, valorizando a sua dimensão sociocultural.

O trabalho desta Confraria foi valorizado pelo presidente da Câmara de Torres Novas na sua intervenção durante o jantar de apresentação do Festival. Pedro Ferreira destacou a importância da gastronomia local e do “puxar pela nossa terra, valorizando coisas que, parecendo simples, dinamizam a economia à sua escala”.

Pedro Ferreira, presidente CM Torres Novas. Foto: mediotejo.net

Além do prato em destaque, falou do valor e qualidade que tem o azeite de Torres Novas, “o melhor azeite do mundo”. O autarca agradeceu ainda a presença de alguns deputados no jantar e o acolhimento da coletividade de Liteiros.

A animação, com atuação e representação teatral, coube ao Rancho Folclórico Os Ceifeiros de Liteiros.

Fotogaleria de: Arlindo Homem

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here