Torres Novas | Autarquia aprova investimento de um milhão para reabilitar o Almonda Parque

Almonda Parque prevê a substituição da Ponte da Bácora. Foto: DR

A Câmara de Torres Novas aprovou a abertura do concurso público para a empreitada do Almonda Parque, que inclui a construção de uma nova ponte da Bácora, a intervenção no Moinho dos Duques, nos arruamentos, incorporando a ciclovia e requalificação da zona da Tarambola.

PUB

A intervenção inserida no PEDU – Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano tem como preço base  1 milhão e 56 mil euros, sendo o prazo de execução previsto de 12 meses.

Segundo informação da Câmara, a obra pretende “contribuir para a revitalização e qualificação do centro histórico através da transformação do espaço  em parque urbano, permitindo promover a  fruição e a acessibilidade ao rio, bem como restaurar e reabilitar os equipamentos existentes”.

Está prevista a demolição da Ponte da bácora  existente e a sua reconstrução com recurso a novos materiais, infraestruturas e iluminação, “dando cumprimento ao definido na legislação relativa às acessibilidades e potenciando um acesso mais eficiente ao centro histórico e às zonas comerciais”, explica a autarquia em nota de imprensa.

Em relação à Tarambola  e envolvente vai ser reconstruída e reabilitada,  de forma a garantir a memória da sua utilização e recriando uma zona de estadia e usufruto do rio.

PUB

A empreitada deste parque público inclui outros trabalhos como: estabilização  de taludes através de aplicação de bio rolo, estacas de madeira e muros em gabiões vivos, construção de ciclovia, implantação de equipamentos  de “fitness”, substituição da iluminação pública, construção  de  decks e a melhoria da acessibilidade ao rio e ao centro comercial  da  cidade, instalação de mini-ecopontos, iluminação decorativa e pública LED, redimensionamento e otimização de sistema  de  drenagem  de  efluentes e ainda a recuperação e consolidação de uma parte do Lagar, com  o  objetivo  de  evocar  a  memória  espacial  do  moinho  no  seu território.

Na reunião de câmara do dia 15, onde o processo foi analisado, a vereadora Helena Pinto (BE) levantou algumas questões sobre o projeto nomeadamente quanto à composição do júri que, na sua opinião, devia incluir um técnico da Divisão do Urbanismo. Criticou também a derrapagem dos valores da obra falando numa diferença de 150 mil euros, crítica que o presidente Pedro Ferreira (PS) rebateu.

A eleita do BE acabou por se abster na votação.

1 COMENTÁRIO

  1. E a (assim chamada) “Ribeira da BOA Água”? Só para que conste, a “Volta a Portugal” (em bicicleta) está a ser convidada para passar por aí.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here