Sertã | Novos paradigmas da gestão florestal debatidos em conferência

Decorre esta segunda-feira, 20 de março, a partir das 17h30, no no Centro serQ, situado na Zona Industrial da Sertã, Lote 3, uma conferência dedicada aos Novos Paradigmas da Gestão Florestal. A iniciativa é promovida pela Raposo Subtil e Associados – Sociedade de Advogados, SP, RL (RSA Advogados), com o apoio da Câmara Municipal da Sertã e do Centro serQ.

A abertura da conferência vai estar a cargo do Presidente da Câmara da Sertã, José Farinha Nunes, e do Advogado António Raposo Subtil. Os temas que vão ser abordados são os seguintes: “Perspetivas da Nova Política Florestal”, pelo Coordenador Adjunto da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, João Paulo Catarino; “Sociedades de Gestão Florestal”, pelo Engenheiro Florestal Gonçalo Alves; e “Capital de Risco associado à Gestão Florestal”, pelo Administrador da Lynx, António Aranha. A moderação vai estar a cargo do Presidente da Direcção do Centro serQ, Paulo Farinha Luís.

“Pretende-se fazer uma abordagem de esclarecimento, à nova legislação publicada, que veio estabelecer diversas novas medidas para a gestão florestal, pretendendo o Governo com estas incentivar as sociedades de gestão florestal, fomentando a utilização profissional da floresta e o aumento da rentabilidade dos ativos florestais. Além disso, com a parceria celebrada com o Dr. António Jorge Mendes Dias, a RSA Advogados, através da RSA – Coimbra, possui agora as competências e valências técnicas para prestar assessoria nesta área, contando já com alguns clientes ligados à gestão florestal”, destaca Rita Montalvão, Advogada e Coordenadora da RSA – Coimbra.

A conferência, com duração prevista de 1h30, tem entrada gratuita mediante envio de e-mail para geral@rsa-lp.com e conta com o apoio institucional da Câmara Municipal da Sertã e do Centro serQ. No final da conferência, os oradores responderão às questões que forem colocadas pela audiência.

A RSA Advogados é uma sociedade com escritórios em Coimbra, Lisboa, Porto, Algarve e Madeira, e une através de várias parcerias em países lusófonos (Angola, Brasil, Cabo Verde e Moçambique) um conjunto de escritórios de referência, razão pela qual criou a RSA LP – Rede de Serviços de Advocacia de Língua Portuguesa.

DEIXAR UMA RESPOSTA