Santarém | Patrícia Fonseca é a cabeça de lista do CDS às legislativas

A deputada Patrícia Fonseca, presidente da distrital de Santarém do CDS-PP, é a cabeça de lista pelo distrito às eleições legislativas. Foto: DR

Os cabeças de lista do CDS-PP às legislativas, propostos pela líder do partido, foram aprovados por mais de 80% dos votos numa reunião do conselho nacional do partido, em Lisboa. A atual deputada Patrícia Fonseca, eleita pelo círculo eleitoral de Santarém é novamente a cabeça de lista pelo distrito. As eleições legislativas portuguesas, também designadas eleições para a Assembleia da República, irão decorrer no dia 6 de outubro de 2019.

PUB

Patrícia Fonseca tem 47 anos e foi eleita deputada à Assembleia da República pelo CDS-PP pelo círculo eleitoral de Santarém, cidade onde reside. Integra a Comissão de Agricultura e Mar, da qual é coordenadora, a Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação e é ainda suplente na Comissão de Saúde.

Engenheira Agrónoma de profissão, iniciou a sua carreira profissional na Agroges – Sociedade de Estudos e Projectos, foi Secretária Geral da Associação dos Agricultores do Ribatejo, docente convidada na Escola Superior Agrária de Santarém nas áreas de economia agrícola e adjunta do Gabinete de Assunção Cristas quando era Ministra da Agricultura e Mar.

A vida política surgiu naturalmente pelo seu percurso profissional nos domínios da política agrícola nacional e comunitária aliado ao valor que o CDS sempre deu à agricultura e à importância deste sector da economia na nossa região.

Patrícia Fonseca é a cabeç de lista do CDS por Santarém, Assunção Cristas concorre por Lisboa. Foto: DR

Conselho nacional do CDS aprova lista às legislativas indicada por Cristas com mais de 80%

PUB

Os cabeças de lista do CDS-PP às legislativas, propostos pela líder do partido, foram aprovados em abril por mais de 80% dos votos numa reunião do conselho nacional do partido, em Lisboa. A deputada Patrícia Fonseca é a cabeça de lista pelo distrito de Santarém.

Fonte oficial dos centristas disseram à Lusa que a lista da chamada quota nacional da direção nas listas teve 100 votos a favor (82,6%), 14 contra, seis nulos e um branco, numa votação feita já de madrugada.

A lista do partido às europeias, de novo encabeçada por Nuno Melo, também foi aprovada, com 91% de votos a favor, três por cento contra e 5,4% de brancos e nulos.

A chamada quota nacional inclui, além dos cabeças de lista, os primeiros candidatos nos dois maiores círculos (Lisboa e Porto).

Estatutariamente, e por uma questão de autonomia, Açores e Madeira escolhem os seus candidatos.

A líder do CDS vai liderar a lista de candidatos a deputados de Lisboa nas legislativas de outubro e a sua vice-presidente Cecília Meireles será “número um” no Porto.

Assunção Cristas optou por deixar Leiria, onde foi candidata noutras eleições, inclusive quando o CDS concorreu coligado com o PSD. A lista neste distrito será encabeçada por outra mulher, a ex-jornalista da Rádio Renascença Raquel Abecassis (independente), que já fora candidata do partido à freguesia das Avenidas Novas, em Lisboa, nas autárquicas.

O líder da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos, é indicado para número dois na lista do Porto.

No maior círculo do país, Lisboa, depois de Cristas, surgem na lista os deputados Ana Rita Bessa, João Gonçalves Pereira, que também é líder da distrital, Pedro Morais Soares, secretário-geral e que não estava no parlamento, Isabel Galriça Neto, outra deputada, e em último lugar Sebastião Bugalho, independente, ex-jornalista, colunista e analista político,

Na lista do Porto, depois de Cecília Meireles, estão Francisco Rodrigues dos Santos, Fernando Barbosa, líder da distrital, e Isabel Menéres Campos, jurista e docente na Universidade Católica do Porto.

No total, há nove deputados como cabeças-de-lista: Assunção Cristas em Lisboa, Cecília Meireles no Porto, Nuno Magalhães, líder parlamentar, em Setúbal, João Almeida em Aveiro, Telmo Correia em Braga, João Rebelo em Faro, Patrícia Fonseca em Santarém, Filipe Anacoreta Correia em Viana do Castelo e Helder Amaral em Viseu. De saída está Teresa Caeiro, até agora eleita pelo círculo de Faro.

O CDS-PP é o primeiro partido a iniciar formalmente o processo de escolha de candidatos a deputados nas legislativas, agendadas para 06 de outubro.

Nas legislativas de outubro de 2015, o CDS-PP concorreu em coligação com o PSD, tendo os dois partidos obtido 36,8% dos votos. Os centristas elegeram 18 deputados.

Há cinco anos, nas europeias de 2014, centristas e sociais-democratas também concorreram em aliança, tendo obtido 26,7% dos votos, atrás do PS. A coligação elegeu sete eurodeputados, seis do PSD e um do CDS-PP.

Nas legislativas de 2011, ganhas pelo PSD, os centristas, então liderados por Paulo Portas, conseguiram 11,7% dos votos e elegeram 24 deputados, tendo depois formado uma aliança com os sociais-democratas.

Assunção Cristas destaca renovação e aposta na juventude nas listas do CDS às legislativas. Foto: DR

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, destacou a renovação de 70% dos cabeças-de-lista às eleições legislativas e a aposta na juventude, na proposta que fez ao conselho nacional do partido, reunido em Lisboa.

“Há uma renovação de cabeças-de-lista de 70%, entre deputados que vêm para cabeças-de-lista pela primeira vez e pessoas novas que vão encabeçar listas”, afirmou Assunção Cristas, em declarações à agência Lusa, na noite em que o conselho nacional tem na agenda a votação da chamada quota nacional de candidatos da direção, incluindo todos os cabeças-de-lista, e a candidatura às europeias.

Em 20 cabeças-de-lista, “14 são novos”, já considerando Patrícia Fonseca e João Almeida, que foram candidatos na coligação com o PSD em 2015 e agora estão à frente das candidaturas centristas, exemplificou.

c/LUSA

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here