Passe pela Biblioteca | “Mrs. Dalloway”, de Virginia Woolf

Convidámos os responsáveis das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço de forma alternada, às segundas-feiras. “Mrs Dalloway”, de Virginia Woolf, é a sugestão apresentada esta semana por Maria José Pereira, da Biblioteca Municipal Dr. António Cartaxo da Fonseca, em Tomar.

PUB

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

A ação do livro passa-se, toda ela, num só dia. Um dia em que Mrs. Dalloway vai dar uma festa à noite e decide ela própria ir comprar as flores. É ao percorrer as ruas de Londres que, através da voz da sua consciência, a narrativa vai ganhando corpo. Apesar de se passar em apenas um dia, o leitor fica a conhecer, de forma clara, a vida inteira das personagens.

Ao longo do seu passeio por Londres, Clarissa Dalloway apresenta todas as personagens principais do livro e a sua relação com elas: O marido Richard, a filha Elizabeth, Peter Walsh, um antigo amor, a sua amiga Sally Seton e, finalmente Septimus um veterano que lutou na 1º Guerra Mundial. A personagem de Septimus assume uma importância crucial no desenrolar da história. Mrs. Dalloway e Septimus são duas figuras que retratam duas vivências completamente opostas, ela uma senhora bem casada que adora a opulência da vida em sociedade e ele um ex-soldado com problemas mentais e que vai enlouquecendo em silêncio.

Ao andar pelas ruas de Londres, a autora vai refletindo sobre pessoas e acontecimentos do passado e como a sua vida teria sido diferente se tivesse efetuado outras escolhas. Esta situação está bem visível no caso de Peter Walsh, o seu antigo amor que denota um grande ressentimento por Clarissa não o ter escolhido para marido. Clarissa, apesar de o amar, optou pela segurança de uma vida despreocupada e sem exigências.

PUB

Mrs. Dalloway foi escrito por Virginia Woolf e é uma abordagem à sociedade londrina, às falsas aparências, à guerra absurda e irracional e à homossexualidade que marca presença no livro de forma subtil, mas, simultaneamente controversa tendo em conta a época em que o livro foi publicado (1925).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here