Ourém/Torres Novas | O “pai” dos dinossauros regressou às Pegadas 25 anos depois (c/vídeo)

Académico que se tornou o rosto da defesa do património dos dinossauros voltou à Serra de Aire para defender a conservação do espaço Foto: mediotejo.net

O geólogo Galopim de Carvalho, professor universitário que encabeçou a luta pela criação do Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurio da Serra de Aire, regressou ao espaço na quinta-feira, 4 de julho, para a celebração dos 25 anos do achado. Ao mediotejo.net reiterou o interesse público do Monumento, mas constatou que tem que ser o governo central a dar-lhe o impulso de que necessita para se tornar um espaço de verdadeira visitação nacional.

PUB

Nos 40 anos do Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros (PNSAC), o programa contemplou um momento de celebração dos 25 anos de descoberta das Pegadas da Serra de Aire, que ocorreu na última quinta-feira.

Durante a sessão oficial, Maria de Jesus Fernandes, diretora do Departamento de Conservação da Natureza e Florestas de Lisboa e Vale do Tejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), fez um ponto de situação da candidatura em curso para a valorização do Monumento Natural, que atualmente se encontra nos 450 mil euros (metade do valor inicialmente projetado) e já possui algumas parte aprovadas, com trabalho de estudo de geoconservação já a ser realizado.

Tendo necessitado de algum apoio para percorrer o trilho de Pegadas, Galopim de Carvalho afirmou-se já não “pai”, mas “avô” dos dinossauros e partilhou a sua experiência de estudante com os mais novos Foto: mediotejo.net

Seguiu-se a intervenção de Galopim de Carvalho, que recordou a história da descoberta das pegadas e de como foi contactado por João Carvalho, da Sociedade Torrejana de Espeleologia (STEA), para ajudar a defender este património. O processo, recordou, não foi fácil, acabando por agradecer ao dono da pedreira, Rui Galinha, por ter aguardado vários anos pela indemnização do Estado sem destruir as pegadas.

Ao mediotejo.net, o geólogo confessou que embora algumas das beneficiações que projetou não tenham sido concretizadas, o Monumento encontra-se dentro do plano que se elaborou há um quarto de século. Para se fazer mais, constatou, será necessário “ter o apoio concreto dos governantes. Para além dos locais, que não têm grandes posses, mas do governo central”.

PUB

Professor Galopim de Carvalho visita Pegadas dos Dinossauros da Serra de Aires 25 anos depois da descoberta

Publicado por mediotejo.net em Quinta-feira, 4 de julho de 2019

Segundo o especialista, o primeiro-ministro António Costa e o Ministro do Ambiente deviam visitar o espaço e “orgulhar-se” do património existente, que é único na Europa e está a 10 quilómetros de Fátima. Não seria difícil, refletiu, com o devido investimento, visitarem o Monumento 10% dos turistas que passam pela cidade religiosa, sendo que se atingisse os 600 mil visitantes por ano o Monumento já estaria em sobrelotação.

No geral, afirmou, “a boa vontade continua” entre as pessoas que envolvem as Pegadas da Serra de Aire, “o que eles não têm é disponibilidade financeira” para alcançar muito mais. “Só com apoio governamental podem levar a cabo as ideias que já têm, que não são diferentes das minhas”, concluiu.

Galopim de Carvalho teve ainda a hipótese de falar com algumas crianças que visitavam o Monumento e participavam nas atividades do dia, frisando a necessidade de haver uma boa relação entre professor e aluno para se criar interesse pela escola.

Conhecido como o “pai” dos dinossauros, hoje, já reformado, está mais próximo do “avô”, comentou, mas continua a defender a causa, uma das várias que protagonizou no país.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here