Ourém | Tertúlia debateu tradições do “Ó Tia, dá bolinho?”

O Museu Municipal de Ourém – Casa do Administrador não deixou passar a data em claro, promovendo uma animada tertúlia à volta do tema, precisamente na véspera do “Dia do Bolinho”. Foto: CMO

“Pão, por Deus?”, “Dia dos Bolinhos”, “Dia do Bolinho”. Sabia que a tradição do Bolinho remonta a 1756, quando a população de Lisboa, aproveitando as seculares celebrações religiosas do Dia de Todos os Santos, se uniu em peso num peditório a favor das milhares de famílias vitimadas pelo terramoto que devastara a região no ano anterior?

PUB

O Museu Municipal de Ourém – Casa do Administrador não deixou passar a data em claro, promovendo uma animada tertúlia à volta do tema, precisamente na véspera do “Dia do Bolinho”. Das raízes desta tradição à sua implantação no concelho, “Ó Tia, dá Bolinho?”, contou com a ilustração de Maria Isabel Felicidade e de Maria Delfina Oliveira, duas oureenses de Alburitel, especializadas na produção dos bolinhos propriamente ditos.

Isabel Costa, vereadora da Câmara Municipal de Ourém, tomou lugar neste encontro, partilhando a sua experiência sobre o tema com os demais presentes. De Espite ao Caneiro, do Sobral a Alburitel, de Atouguia a Urqueira, não esquecendo a própria cidade de Ourém, ficou bem patente que a mesma tradição tem diferentes maneiras de ser celebrada.

Afinal, “esta massa tem muita história”, não fosse o dito bolinho ser da mesma família do igualmente histórico Bolo do Arco, do Bolo da Noiva e outros de semelhante fornada.

PUB
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here