Médio Tejo | Turismo Militar com primeiro curso do país e mais entidades envolvidas

João Pinto Coelho, secretário-geral da Associação de Turismo Militar Português. Foto: mediotejo.net

As candidaturas para o primeiro curso de Turismo Militar a ministrar no instituto Politécnico de Tomar, aberto a 20 candidatos, decorrem até esta sexta-feira, 30 de novembro. A afixação dos resultados das candidaturas terá lugar a 3 de dezembro e as matrículas decorrem nos dias 5 e 6 do mesmo mês.

PUB

Francisco Carvalho, diretor da Escola Superior de Gestão do Instituto Politécnico de Tomar, sublinhou que o novo curso de Turismo Militar, composto por 10 sessões com um total de 60 horas, representa um novo paradigma de aprendizagem.

O plano curricular foi estruturado por Luís Mota Figueira, professor, diretor de cursos e coordenador da área de Património Cultural no Instituto Politécnico de Tomar, e apresenta um formato baseado em seminários. As horas de almoço são sinónimo de debate com diversos oradores convidados, esbatendo a relação professor-aluno. Entre os temas contemplados nos três módulos encontram-se a cultura, a História e a vertente técnica, sempre com a finalidade de “potencializar os recursos endógenos”.

Primeiro curso de turismo militar vai decorrer este ano no IPT. Foto: DR

O Turismo Militar da região entrou numa nova etapa no dia 3 de novembro, com a apresentação da primeira formação curricular associada ao tema e dos 15 novos associados honorários da Associação de Turismo Militar Português, entre os quais se encontram cinco municípios do Médio Tejo. O momento teve lugar no Centro Cultural de Vila Nova da Barquinha, durante o seminário sobre Turismo Militar integrado nas comemorações do 182º aniversário do concelho barquinhense.

A iniciativa, igualmente realizada no âmbito do Ciclo Nacional de Seminários promovidos pela Associação de Turismo Militar Português, juntou esta entidade e a Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha na organização, com o apoio do Instituto Politécnico de Tomar, do Exército Português e da Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal. Foi à autarquia anfitriã que coube a primeira intervenção e o discurso de boas-vindas.

PUB

A vereadora Marina Honório partilhou uma mensagem do presidente da Câmara Municipal, Fernando Freire, em que destacou a presença militar – não apenas no concelho, mas em toda a região –, que pode constituir uma oferta turística concertada e estratégica. A palavra foi passada a Álvaro Covões, presidente da Associação de Turismo Militar Português, e primeiro orador do seminário dedicado às potencialidades e desafios do Turismo Militar para o território nacional.

Álvaro Covões, presidente da Associação de Turismo Militar Português. Foto: mediotejo.net

A presença militar na região foi apontada como um fator que deve ser explorado de forma a criar um produto que atraia visitantes e riqueza para o interior do país, cujas fronteiras são as mais antigas da Europa. Uma particularidade enriquecida, nomeadamente, pelo legado Templário que deve ser dinamizada com o storytelling, ou seja, a criação de histórias que contribuam para a essência do património e cativem as pessoas.

Para tal, acrescentou, é importante o envolvimento das autarquias e naquele sábado foram 12 as oficialmente apresentadas ao público como novos associados honorários. A região do Médio Tejo passa a estar representada pelas câmaras municipais de Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Tomar, onde a Associação de Turismo Militar Português está sediada desde o início deste ano, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

A lista é partilhada com os municípios de Golegã, Angra do Heroísmo, Lourinhã, Mealhada, Mortágua, Penacova, Porto de Mós e Santa Maria da Feira. Além das autarquias, também a Comenda de Tomar do Grande Priorado de Portugal, com quem a associação partilha a sede em Tomar, e a Rota Histórica das Linhas de Torres decidiram juntar-se ao “desafio” referido por Ana Miguel Santos após a entrega de lembranças aos novos associados.

Novos associados honorários da Associação de Turismo Militar Português. Foto: mediotejo.net

A vice-presidente da Associação de Turismo Militar Português destacou que todos se podem juntar à caminhada que “está nos primeiros passos”, dados com “espírito de missão” e ponderados para conseguir “ir conquistando território”. Para concluir, salientou o contributo que a associação pretende dar neste sentido, acrescentando “nós queremos unir, não desunir. Nós queremos servir e não sermos servidos”.

O programa do seminário chegou ao momento final com a apresentação da primeira formação curricular em Turismo Militar do país, do Instituto Politécnico de Tomar, resultante de uma parceria entre este estabelecimento de ensino superior, a Associação de Turismo Militar Português, a Câmara Municipal de Tomar e a Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal.

Os representantes das quatro entidades envolvidas na criação do novo curso de curta-duração, com início previsto para o dia 7 de dezembro, estiveram presentes, tendo como elemento comum das suas intervenções a importância do Turismo Militar para o desenvolvimento da região.

João Pinto Coelho, Secretário-Geral da Associação de Turismo Militar Português, foi o primeiro a intervir, associando a nova formação, a par da entrada dos novos associados, como ponto de partida para a segunda fase da associação, após a primeira, de três anos, em que se tentou sensibilizar o território e os seus agentes para esta temática.

Seminário sobre Turismo Militar em Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

A segunda etapa envolve a criação de sinergias e a terceira já está projetada com o objetivo de criar novos produtos turísticos, estruturar a marca e apostar na afirmação internacional. Por sua vez, Francisco Carvalho, diretor da Escola Superior de Gestão do Instituto Politécnico de Tomar, sublinhou que o novo curso de Turismo Militar, composto por 10 sessões com um total de 60 horas, representa um novo paradigma de aprendizagem.

O plano curricular foi estruturado por Luís Mota Figueira, professor, diretor de cursos e coordenador da área de Património Cultural no Instituto Politécnico de Tomar, e apresenta um formato baseado em seminários. As horas de almoço são sinónimo de debate com diversos oradores convidados, esbatendo a relação professor-aluno. Entre os temas contemplados nos três módulos encontram-se a cultura, a História e a vertente técnica, sempre com a finalidade de “potencializar os recursos endógenos”.

Recursos associados ao património militar da região da qual o concelho de Tomar faz parte e a autarquia esteve representada por Filipa Fernandes. A vereadora destacou que os três anos do Turismo Militar, potenciado pela Associação de Turismo Militar Português são, igualmente, “História do concelho” e sublinhou que compete às entidades locais e nacionais defenderem e honrarem o património deixado pelos que, em tempos, também o honraram e defenderam.

Francisco Carvalho, do Instituto Politécnico de Tomar. Foto: mediotejo.net

Um esforço conjunto realizado numa lógica de trabalho em rede, como um todo, para atrair os turistas que já não procuram apenas “sol, mar e praia” e que querem as histórias criadas pelo storytelling, levando-os a partir à descoberta e na esperança de serem surpreendidos. Os mesmos que, segundo Filomena Pinheiro, podem encontrar o que procuram numa região com características únicas e diferenciadoras e que, no futuro, pode integrar as redes entretanto estabelecidas com entidades espanholas.

A diretora de Operações Turísticas da Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal foi a última oradora do seminário e, na sua intervenção, referiu que o território tem “tudo o que é necessário para atrair turistas de forma “sustentada e articulada”.

A participação dos municípios foi destacada no sentido de “criar raízes” e gerar “sentimento de pertença e partilha” da História militar junto da comunidade pois as pessoas que recebem quem as visita são tão ou mais importantes do que os equipamentos hoteleiros.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here