Médio Tejo | O que muda nos transportes públicos da região a partir de 1 de abril?

Estação do Entroncamento. Foto: mediotejo.net

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo apresentou oficialmente as alterações que o PART – Programa de Apoio Tarifário à Redução Tarifária nos Transportes Públicos vai trazer para a região a partir desta segunda-feira, dia 1 de abril. A presidente Anabela Freitas e o secretário-executivo Miguel Pombeiro confirmaram reduções tarifárias na ordem dos 40% que abrangem rodovia e ferrovia, sendo que no último caso a entrada em vigor é a 1 de maio.

PUB

Os critérios de aplicação e outros pormenores do PART no Médio Tejo foram anunciados na última reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo, realizada na semana passada. A apresentação oficial do que muda a partir do próximo dia 1 de abril decorreu na segunda-feira, dia 25, após reunião das CIMs do Médio Tejo e da Lezíria do Tejo com a Área Metropolitana de Lisboa, um dia antes das assinaturas mensais de abril começarem a ser vendidas.

A conferência de imprensa sobre o programa associado à redução tarifária nos sistemas de transporte público coletivo e o aumento da oferta de serviço e expansão da rede teve lugar na sede da CIM do Médio Tejo, em Tomar. Foi no auditório que a presidente Anabela Freitas e o secretário-executivo Miguel Pombeiro confirmaram o valor global de 892.759,00€ de dotação do PART prevista para esta comunidade intermunicipal em 2019.

Do total, 870.984,00€ são provenientes do Fundo Ambiental e 21.775,00€ comparticipado pelos municípios, tendo a CIM do Médio Tejo optado por aplicar cerca de 90% na redução tarifária e o remanescente no aumento da oferta de serviço e extensão da rede. No último caso, o financiamento vai incidir no projeto Transporte a Pedido que, atualmente, assegura mais de 700 viagens mensais em 11 concelhos da região através de 60 circuitos e cerca de 1100 paragens.

Miguel Pombeiro e Anabela Freitas durante a conferência de imprensa na CIM do Médio Tejo. Foto: mediotejo.net

A aplicação do PART contempla a extensão desta rede de transporte flexível ao sul do concelho de Tomar, na União de Freguesias de Madalena e Beselga, e a novidade de ligações intermunicipais de Vila de Rei aos centros de Abrantes, Tomar e Sertã. Anabela Freitas esclareceu que, até à data, a lógica do Transporte a Pedido era a ligação interna nos municípios entre lugares e sedes de concelho.

PUB

A autarca anunciou como outra novidade a ligação das cinco cidades do Médio Tejo – Abrantes, Entroncamento, Ourém, Tomar e Torres Novas – até ao final de 2019. Além da população, a medida também favorecerá os fluxos turísticos na região e Anabela Freitas acabou por associar esta inovação à campanha “StayOver Fátima-Tomar”, projeto desenvolvido pela CIM do Médio Tejo neste âmbito.

No que respeita às reduções tarifárias no Transporte a Pedido, o número de escalões foi reduzido para três e os bilhetes passam a custar 1,00€, 1,50€ e 2,00€. Um dos exemplos apresentados foi o percurso entre Cardigos e Mação, no qual o passageiro pagará 2,00€ por bilhete simples e 10,80€ por seis viagens a partir de 1 de abril, em vez dos 3,80€ e 22,80€ que paga atualmente.

Exemplos apresentados pela CIM do Médio Tejo de redução tarifária nas assinaturas do serviço rodoviário. Foto: mediotejo.net

Ao contrário do que acontece no Transporte a Pedido, porque não tem esta modalidade, é sobre os passes mensais que vai ser aplicada a maioria das reduções tarifárias do PART. Os critérios estabelecidos determinam a sua aplicação de igual modo no transporte coletivo rodoviário e ferroviário, sem esquecer os urbanos nos quatro concelhos onde existem.

Os valores das reduções tarifárias, nestes casos, serão anunciados pelas respetivas autarquias, tendo sido avançado que a entrada em vigor das alterações está prevista para 1 de abril em Abrantes e Tomar e no máximo até 1 de maio para Entroncamento e Torres Novas. Maio é o mês em que o PART passa a abranger a mobilidade ferroviária no Médio Tejo.

À semelhança do transporte rodoviário, as reduções tarifárias aplicam-se a viagens com origem e/ou destino nos concelhos da região, assim como as deslocações que começam na região e terminam fora dela e vice-versa. Igualmente consideradas foram as ligações entre o território da CIM do Médio Tejo e os fronteiriços de outras comunidades intermunicipais, como a Lezíria do Tejo ou Coimbra.

As reduções tarifárias nos transportes ferroviários entram em vigor a 1 de maio. Foto: mediotejo.net

Os descontos rondam os 40% e incidem nas assinaturas mensais pois as tarifas de bordo não estão contempladas. Miguel Pombeiro destacou tratar-se de um “incentivo” à utilização dos transportes públicos na região e um contributo para a “descarbonização”. A mudança de hábitos não terá efeitos visíveis a curto-prazo, mas o impacto irá sentir-se no futuro.

O transporte ferroviário inclui a utilização dos serviços regional e inter-regional e quem se desloca para Lisboa tem a possibilidade de combinar o passe regional, até Vila Franca de Xira, com o da Área Metropolitana de Lisboa.

Por exemplo, um passageiro que viaja regularmente de comboio entre Entroncamento e a capital já poderá usufruir do novo valor do passe da Área Metropolitana de Lisboa (40,00€) a partir de abril.

A partir de 1 de maio, o mesmo passageiro deixa de pagar 164,20€ entre o Entroncamento e Vila Franca de Xira e o encargo mensal desce para os 98,50€. Em termos globais, considerando a soma do passe regional e do passe metropolitano, a partir de 1 de maio, o custo mensal entre Entroncamento e Lisboa desce de 252,90€ para 138,50€, entre Tomar e Lisboa passa de 279,35€ para 164,25€ e entre Abrantes e Lisboa reduz de 292,00€ para 168,60€.

PUB

2 COMENTÁRIOS

  1. “..transporte ferroviário inclui a utilização dos serviços regional e inter-regional e quem se desloca para Lisboa tem a possibilidade de combinar o passe regional, até Vila Franca de Xira, com o da Área Metropolitana de Lisboa. Por exemplo, um passageiro que viaja regularmente de comboio entre Entroncamento e a capital já poderá usufruir do novo valor do passe da Área Metropolitana de Lisboa (40,00€) a partir de abril.”

    A informação que tenho por escrito da CP é que os comboios Inter-regionais não estão abrangidos para utilização do passe.
    Eis a resposta da CP ao meu pedido de informação:
    Recebemos a sua comunicação que mereceu a nossa melhor atenção.

    O novo Navegante Metropolitano vai poder ser utilizado em todas as empresas de serviço público de transporte regular de passageiros da área metropolitana de Lisboa, em serviços de transporte dentro da área metropolitana, com exceção de serviços inter-regionais.

    Agradecemos o interesse demonstrado. As comunicações dos nossos clientes são essenciais para aferir a qualidade dos nossos serviços e melhorá-los.
    Com os melhores cumprimentos,
    CP Comboios de Portugal

    • Boa tarde. agradeço o seu contacto mais informando que estamos a trabalhar no sentido de obter informações sobre o caso que menciona

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here