Mação | Agrupamento de Escolas Verde Horizonte confiante em mais um regresso às aulas

Foto: mediotejo.net

Mação tem 657 alunos e 35 turmas no total. São estes os números que compõem o arranque do Agrupamento de Escolas Verde Horizonte de Mação (AEVH), no ano letivo de 2017/2018. Para o diretor, José António Almeida, “não somos muitos, eu gostava que fôssemos pelos menos o dobro”. Ainda assim, está tudo a postos para o início de um novo ano letivo, entendendo o agrupamento que há uma “obrigação de continuar num patamar de qualidade elevado” após uma avaliação externa que deu nota máxima nos três critérios de classificação: resultados, prestação de serviço educativo, e liderança e gestão.

PUB

Fazendo as contas, o diretor apontou que “este ano tivemos uma das piores experiências, que eu me lembre nunca entraram tão poucos meninos para o pré-escolar como este ano (…) perdemos uma turma no pré-escolar, ganhámos uma no 1º ciclo”.

Em números: o agrupamento inicia o ano letivo 2017/2018 com 5 turmas de pré-escolar, com 81 alunos; 8 turmas de 1º ciclo (1 em Cardigos, 1 em Carvoeiro e 6 em Mação) com 139 alunos; 5 turmas de 2º ciclo com 104 alunos; 6 turmas de 3º ciclo com 115 alunos; 1 turma de CEF 3º ciclo com 18 alunos; Secundário Regular com 101 alunos; e ensino profissional com 99 alunos. Tem 75 professores já colocados, 12 técnicos operacionais, 62 assistentes operacionais (38 do Ministério da Educação e 24 da CM Mação), mais 10 assistentes técnicos.

PUB

Em declarações ao mediotejo.net, José António Almeida, diretor do AEVH, mostrou-se preocupado com as fragilidades com a falta de alunos no pré-escolar, mas mostrou-se confiante e com altas expetativas para o próximo ano letivo, que inicia esta quarta-feira, dia 13 de setembro.

“Perdemos um considerável número de alunos à entrada do agrupamento, no pré-escolar, onde sentimos maior dificuldade. No resto, as coisas mantêm-se mais ou menos idênticas, e no ensino secundário aumentámos o número de alunos porque, felizmente, os nossos desempenhos têm conseguido captar alunos de outros concelhos”, frisou o docente, enumerando Gavião, Sardoal, Abrantes, e referindo que é algo que deixa os membros da direção “satisfeitos”, sendo “sinal que confiam no nosso desempenho e que estão satisfeitos com a qualidade educativa que vamos apresentando”.

PUB

Ainda assim, o diretor não deixou de notar que a natalidade é um fator que pesa muito no desempenho do Agrupamento de Escolas, e chega a ser “assustador” o número diminuto de crianças perante a dimensão do concelho. “Praticamente todos os alunos que nascem no concelho de Mação entram para o agrupamento, e este ano batemos todos os recordes negativos de entrada no agrupamento”, algo que também acontecera em 2013/2014.

Recordando que, no ano letivo anterior, o agrupamento fora alvo de uma avaliação externa que veio dar nota máxima em todos os critérios, José António Almeida diz existir “obrigação de continuar num patamar de qualidade elevado, é essa a nossa obrigação”, mas a excelência dá trabalho, e ainda há pormenores onde se pode melhorar.

Foto: mediotejo.net

“E é por isso que estamos a desenvolver – temos o projeto concluído, falta aprová-lo em Conselho Geral – um Plano de Melhoria, que vai apostar em debelar as fragilidades que nos foram apontadas. E o que nós queremos é ir perceber o que acontece em cada uma das salas de aula, com monitorização do que acontece na sala de aula; uma atenção muito importante à avaliação que fazemos dos alunos, diversificar essa avaliação, deixar que seja somente somativa, e que seja formativa; tentar perceber aquilo que nos impede de chegar a patamares superiores de qualidade. São as três áreas nas quais nós vamos apostar”, explicou.

Quanto à atividade e dinâmica do agrupamento, sendo de sucesso, irá manter-se, mas com updates. “Continuamos a ter os nossos projetos emblemáticos, do Projeto Aluno 100%, o projeto-âncora, toda a base da nossa estratégia e onde vamos apostar tudo”.

Este ano haverá novidade neste campo, uma vez que surge um “atrativo para desempenhos coletivos”, com o Prémio Melhor Turma, que reconhecerá turmas “com o objetivo de que cada um dos grupos se influencie positivamente no sentido de ter desempenhos superiores”.

Novidade é a introdução, numa colocação que veio gerar uma coincidência feliz, da área do teatro e expressão dramática, que será experimentada já neste ano letivo. “Nós olhamos sempre para as competências, capacidades e formações dos nossos professores. E, esta quinta-feira, apresentou-se na colocação da primeira reserva de recrutamento, um professor com currículo e com experiência na área do teatro e expressão dramática, acho que é uma mais-valia, e vamos apostar para que seja mais uma dimensão na formação que queremos o mais diversificada para os alunos. É uma novidade boa”, confidenciou o diretor.

O curso profissional de Restauração e Hotelaria, uma das imagens de marca do Agrupamento de Escolas, viu aumentar o número de alunos. “Aumentámos o número de alunos nos cursos, é uma imagem de marca na região”, referiu, afirmando ainda que “quem quer formação de qualidade na área da cozinha e da pastelaria obrigatoriamente tem que passar por Mação”.

José António Almeida, diretor do AEVH, Vasco Estrela, autarca de Mação, e Vera Dias António, presidente da Associação de Pais e Enc. de Educação de Mação. Foto: mediotejo.net

“A formação é diversificada, reconhecida, e claramente virada para a empregabilidade, ou seja, os alunos saem daqui devidamente certificados, com uma carteira profissional de nível 4, praticamente todos estão a trabalhar em empresas e com empresários de qualidade”, acrescentou.

Também a área da Mecatrónica Automóvel representa uma “componente muito forte”, contando com apoio de 3 engenheiros na formação, e que favorece a captação de alunos em toda a região.

A área da saúde não fica para trás, com formação de Técnicos Auxiliares de Saúde, “com empregabilidade praticamente total, todos os técnicos que saem são absorvidos”.

Espaço ainda para uma experiência, com o curso de Técnicos de Turismo. “Eles vão entrar agora no segundo ano de formação, não temos experiência em termos de empregabilidade, mas estamos convencidos que até pode correr bem. Vamos ver, pois estamos a dar-lhe a melhor formação que podemos e sabemos”.

Quanto ao repto lançado pela autarquia para que os cursos profissionais possam incidir em áreas que sejam parte do tecido empresarial do concelho e diretamente ligadas às suas caraterísticas socioeconómicas, José António Almeida assumiu que “aquilo que mais nos agrada é conseguir concretizar também as vontades do município, porque o agrupamento é uma instituição municipal, portanto está aqui para servir essencialmente a área municipal. Mas a escolha não depende só do agrupamento”, alertou o diretor.

“A escolha depende de cada uma dos alunos. E aquilo que o município entende que faz falta, não é aquilo que os alunos entendem que lhes faz falta para a sua formação. E ainda não conseguimos encontrar esse equilíbrio. Este ano fizemos a tentativa na área da Proteção Civil, queríamos abrir e tínhamos na oferta educativa um curso, mas os alunos não acharam muita piada e não estiveram interessados em matricular-se. Mas não vamos esquecer. Vamos tentar fazer com que essa oferta seja também ela muito próxima daquilo que a Câmara Municipal entende como áreas prioritárias de desenvolvimento económico”.

No Centro Cultural Elvino Pereira, reuniram-se algumas dezenas de professores, pais e alunos, para ouvir aquilo que se pretende implementar no ano letivo que se avizinha.

Vasco Estrela, presidente da CM Mação, esteve presente na iniciativa, bem como o vereador com o pelouro da Educação, Vasco Marques. O presidente da autarquia começou por referir que a apresentação pública do projeto educativo do agrupamento de escolas é algo “de extrema importância” e “fundamental”, “independentemente do número de pais ou encarregados de educação que aqui estejam, acho que nestas questões a obrigação da escola é de facto insistir”.

Foto: mediotejo.net

“É também uma forma de culminar o que tem sido a atuação do agrupamento de escolas”, notando existir “extraordinária abertura da escola à comunidade, no sentido de tentar aproximar os pais e os encarregados de educação, e a sociedade civil, da própria escola, a participar nas decisões que a escola toma e acho que é um bom caminho e um bom princípio”, disse, ao longo do discurso.

Vasco Estrela lembrou que, no ano letivo passado, foi feita avaliação externa ao Agrupamento de Escolas que resultou no “reconhecimento do trabalho que aqui vem sendo desenvolvido”.

O autarca desejou que “a escola continue a prestar este serviço ao concelho, à comunidade maçaense, foi traduzido nos resultados que forma alcançados, e que são o reconhecimento por uma entidade externa, do trabalho desenvolvido”, facto com que a CM Mação “tem de se congratular”, entendendo ser transmitido “um sinal de confiança aos pais e encarregados de educação e alunos”.

Vera Dias António, presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação de Mação, também integrou a mesa desta apresentação, reforçou que a relação com o agrupamento tem sido positiva, não havendo “grandes queixas” a fazer, e vincou ainda a disponibilidade desta entidade para fazer representar os pais e aproximá-los cada vez mais da escola, dos seus projetos e da vida escolar dos filhos.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here