Livros premiados no Médio Tejo lançados na Feira do Livro de Lisboa

Quatro dos livros premiados nas duas primeiras edições do Prémio Literário do Médio Tejo. Foto: mediotejo.net

A ideia de que “Portugal é Lisboa e o resto é paisagem” vai voltar a ser desafiada na tarde deste dia 10 de junho, na Feira do Livro de Lisboa, no Parque Eduardo VII, com a apresentação de mais quatro obras de autores distinguidos com o Prémio Literário do Médio Tejo.

O poeta Martinho Branco venceu a 2ª edição do Prémio Literário do Médio Tejo. Foto: Pedro Branco

Os eventos decorrem sempre na Praça Verde, junto ao Marquês de Pombal, com o primeiro encontro marcado para as 14h00. A música dos “Duo Outrora” introduzirá “O homem que tirava retratos”, de Martinho Branco, que venceu este Prémio Literário em 2018 na categoria de Poesia. Natural de Riachos, em Torres Novas, Martinho Branco reside no Entroncamento, é professor na Escola EB1 de Azinhaga, na Golegã, e faz parte do movimento internacional Poetrix desde 2001.

Nuno Garcia Lopes. Foto: DR

Às 14h30 será a vez de Nuno Garcia Lopes lançar o seu “arremedilho aos homens minúsculos”, um poema (ou conjunto de ‘minúsculos’ poemas) que critica aqueles que se apoucam e vivem como formigas num carreiro. Nuno Garcia Lopes, de Tomar, foi distinguido com a Menção Honrosa na categoria de Poesia nas duas edições já realizadas do Prémio Literário do Médio Tejo. A editora entendeu, também por isso, que o autor merecia ter a sua obra publicada, tal como os primeiros classificados.

A outra obra vencedora em 2018 na categoria de Não-Ficção foi o trabalho de ilustração “A árvore cantante”, de Paulo Alves, de Abrantes, que será pela primeira vez apresentado ao público às 20h00, também na Praça Verde.

Paulo Alves em Bogor, ilha de Java: Foto: DR

O ilustrador científico e consultor ambiental, de 30 anos, ensina crianças a desenhar num atelier de arte privado, mas passa grande parte do ano a viajar pelo mundo, envolvido em projetos na Indonésia, Egipto e Djibuti.

O fotógrafo Paulo Jorge de Sousa foi distinguido no Prémio Literário do Médio Tejo com o ensaio fotográfico “O Arneiro – 100 anos depois da I Guerra”. Foto: mediotejo.net

“O Arneiro, 100 anos depois da I Guerra”, do fotógrafo Paulo Jorge de Sousa, que venceu a mesma categoria de Não-Ficção em 2017, será apresentado logo a seguir, às 20h30. Esta obra foi publicada em novembro de 2018, por ocasião do centenário do final da I Guerra Mundial, tendo sido lançada em dezembro na Casa-Memória de Camões, em Constância, e tem a particularidade de ter uma edição limitada a 100 exemplares, numerados e assinados pelo autor.

Cerimónia de entrega do Prémio Literário do Médio Tejo 2018 Foto: Paulo Jorge de Sousa

O Prémio Literário do Médio Tejo, uma iniciativa da Médio Tejo Edições com o apoio do TorreShopping e da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, já havia marcado presença na Feira do Livro de Lisboa em 2018, lançando as obras “20 poemas de dores e amores”, de António Lúcio Vieira (Poesia), e “na massa do sangue”, de Evelina Gaspar (Romance).

Evelina Gaspar foi uma das autoras escolhidas para a Fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura em 2019. Foto: Paulo Jorge de Sousa

As candidaturas para a 3ª edição do Prémio Literário do Médio Tejo abriram no início de maio e decorrem até 28 de junho de 2019.

O júri mantém-se inalterado desde a criação do prémio, sendo formado por PATRÍCIA REIS, escritora premiada com 13 romances publicados na D. Quixote, CEO do Atelier 004 e editora da revista Egoísta; ANTÓNIO MATIAS COELHO, historiador, consultor cultural e presidente da Associação Casa-Memória de Camões, em Constância; MARGARIDA TEODORA, diretora da Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes, de Torres Novas; e PATRÍCIA FONSECA, diretora editorial da Médio Tejo Edições e jornalista da revista Visão.

O regulamento pode ser consultado aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here