Futebol | Pego está sem treinador e Carlos Cadete apela a uma reflexão

Carlos Cadete, presidente da Casa do Povo do Pego

Nuno Bernardo já não é treinador da equipa sénior da Casa do Povo do Pego, clube que disputa o campeonato distrital da 1ª divisão da Associação de Futebol de Santarém. Depois da derrota com o Amiense por 1-4, no último jogo da 1ª volta, o treinador e a direção do Pego reuniram e rescindiram por mútuo acordo, estando a equipa em lugar de descida de divisão, somando duas vitórias e 13 derrotas neste campeonato, quando falta toda uma segunda volta por disputar. Os maus resultados são um facto mas a rescisão apresenta outros motivos que merecem reflexão por parte de todos os dirigentes desportivos, disse ao mediotejo.net o presidente do Pego, Carlos Cadete.

“Assumi um compromisso com o treinador Nuno Bernardo quando ele veio para o Pego e que o clube, por motivos que nos escapam, não estava a conseguir cumprir. Ele disse-me que não treinava com menos de 12 jogadores presentes nos treinos e isso ultimamente era o que estava a suceder, pelos mais variados motivos mas que merecem reflexão e o repensar do futuro”, disse Carlos Cadete, que elogiou a postura e a competência do treinador que agora cessa funções e que entrou em novembro, rendendo então no cargo o técnico Miguel Marques e com o clube numa posição incómoda na tabela, com uma vitória e oito derrotas na altura.

“Começámos o campeonato com um plantel de 24 jogadores e hoje estamos com 14. Uns estão lesionados e não podem dar o seu contributo à equipa, outros decidiram sair da equipa, e temos jogadores que trabalham por turnos. Ora, não temos tido os tais 12 jogadores na maior parte dos treinos e o compromisso estabelecido por ambas as partes não estava a ser cumprido. A sua saída é de mútuo acordo e, essencialmente, por este motivo”, disse o dirigente desportivo para quem, assim, é difícil trabalhar.

“O Nuno foi o primeiro a colocar o lugar à disposição tendo em conta esta situação, e entendemos que temos de repensar tudo isto porque estamos numa zona onde é difícil recrutar jogadores e os jogadores disponíveis, que são poucos ou nenhuns, não querem assumir compromissos. Vamos ter de trabalhar com os que temos, tentar pensar num treinador, e é com este grupo e mais alguém que venha que vamos dignificar este emblema até ao final mantendo a expectativa da manutenção na 1ª divisão”, disse ainda Carlos Cadete.

Nuno Bernardo, 38 anos, esteve pouco mais de dois meses a treinar a equipa do Pego. Foto: mediotejo.net

Com 15 jogos disputados, o Pego tem seis pontos (2 vitórias e 13 derrotas) e divide o último lugar da tabela com o Riachense, em igualdade pontual, descendo duas equipas de divisão. A direção do Pego não desiste de tentar a manutenção e vai tentar contratar um novo treinador, tendo em conta a atual situação que o clube vive em termos de disponibilidade de plantel. O próximo jogo disputa-se no domingo, no Pego, frente ao Cartaxo, e quem vai orientar a equipa são os jogadores Mário Lopes e Fábio Santos.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here