Futebol | “Dragões” de Alferrarede sem argumentos para poderio do Alcanenense (C/fotos e audio)

O Alcanenese dominou o jogo de início ao fim.

CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO DE ALFERRAREDE “OS DRAGÕES” 0 – ATLÉTICO CLUBE ALCANENENSE 7
Campeonato Distrital da 2ª Divisão da AFS – Série A – 4ª Jornada
Campo “CUF” – Alferrarede – 03-11-2019

PUB

A história desta partida a contar para a 4ª Jornada do Campeonato Distrital da 2ª Divisão da Associação de Futebol de Santarém (Série A), pode resumir-se aos golos apontados pelo Alcanenense… e pouco mais, tal não foi a supremacia dos comandados de Pedro Gil.

Foi notória a diferença de realidades entre os dois clubes que lutam por objetivos diferentes.

A resistência dos “Dragões” durou apenas 13 minutos, altura em que o poderoso capitão do Alcanenense, Faia, aproveitou da melhor maneira um cruzamento teleguiado de Sudesh que foi um autêntico quebra cabeças no lado direito do seu ataque. E não demorou muito mais para que a cena se repetisse, desta vez com outros protagonistas: quem cruza é Xico com o esférico a ir direitinho para a cabeça de Evandro que apontou o segundo golo da partida aos 16 minutos de jogo.

A história desta partida pode resumir-se aos golos apontados pelo Alcanenense… e pouco mais.

O Alferrarede não conseguia respirar e à passagem do minuto 20, aproveitando um ressalto de bola na entrada da área, foi a vez de Soma ampliar a vantagem para os homens de Alcanena, fazendo o 0-3. A formação da casa apenas conseguiu a sua primeira investida aos 21 minutos quando Tiago se abeirou do último reduto dos visitantes sem, contudo, causar perigo de maior.

Do outro lado, o Alcanenese só não ampliou mais a vantagem porque ao minuto 32 Fininho (ainda de longe e em arco) acertou em cheio no travessão da baliza de Flávio.

PUB
O Alferrarede não conseguia respirar e raramente conseguia subir no terreno.

Mas foi Tiago que ao minuto 33 teve nos pés aquela que foi a melhor oportunidade da equipa de Bruno Duarte em toda a primeira metade de jogo. Completamente isolado e soltando-se da marcação do último defesa do Alcanena, só com o guardião Antony pela frente, deslumbrou-se demasiado perdendo a oportunidade. Ainda atirou em direção à baliza, mas de tal forma que o esférico passou para a linha de fundo, a rasar o poste direito da baliza alcanenense. Foi mesmo a grande chance dos locais poderem reduzir e ganharem algum ânimo para o que ainda havia para jogar.

O atleta Tiago parecia um dos mais inconformados do conjunto de Alferrarede.

Tirando este lance, o jogo tinha sentido único com a “via verde” do Alferrarede completamente disponível. Aos 37 minutos, Soma de longe tentou mais uma vez a sua sorte, mas desta feita com a bola a passar muito por cima da baliza verde e branca. O jogo chegou ao intervalo com os visitantes a vencerem por três bolas a zero, resultado até um pouco lisonjeiro dado o seu caudal ofensivo e a dificuldade que o Alferrarede tinha para suster as constantes investidas adversárias, cujos jogadores pareciam ter soluções (e pulmões) para tudo e mais alguma coisa.

A segunda metade do jogo foi “mais do mesmo” e só dava Alcanenense.

A segunda metade foi “mais do mesmo” com o Alcanenense a jogar a seu belo prazer e o seu meio terreno quase que se podia alugar já que poucas eram as vezes que os “Dragões” o pisavam. E não foi mesmo preciso esperar muito para que a vantagem recomeçasse a se avolumar.

Marcava o minuto 53 e surgia o 0-4 através de uma bonita jogada de entendimento entre sectores, com Gui a finalizar. Um bom remate que não deu qualquer hipótese a Flávio que até ia fazendo o que podia para evitar males maiores pois ainda realizou um bom punhado de vistosas defesas ao longo da partida.

Sempre em ritmo a mais para os da casa, os atletas de Alcanena nunca deram tréguas.

Tiago, atacante do Alferrarede, parecia um dos mais inconformados e ao minuto 60 conseguiu chegar perto da baliza contrária, mas chutou muito por cima, gorando-se uma das poucas “visitas” dos da casa à pequena área contrária. Não aproveitaram os locais, faturaram os visitantes.

Com 62 minutos de jogo, subindo na lateral a toda a velocidade, Nelson (acabado de entrar) cruzou na perfeição para o remate fatal de Soma que, dessa forma, bisou na partida, fazendo a mão cheia de golos para a sua equipa.

Jogada após jogada, O Atlético Clube Alcanenese ia aumentando a vantagem no marcador.

Mas as coisas não ficavam por aqui e, aos 69 minutos de jogo, foi a vez de Sudesh assinar a ficha de jogo com um bom remate, certeiro e fora do alcance do guardião local. O Alcanenense dominava a toda a linha e não acabou a partida sem fazer o sétimo que surgiu no último minuto do tempo regulamentar por Gonçalves, também ele saído do banco para fechar a contagem. Derrota pesada do Alferrarede que mostrou bastantes debilidades perante um adversário muito mais poderoso, com mais soluções e com outros objetivos no presente campeonato.

O Alcanenense já vai com 22 golos marcados e sem saber o que é sofrer golos neste campeonato (com apenas quatro jornadas cumpridas). Começa a ser difícil marcar a esta equipa. Quem o conseguirá?

Derrota pesada do Alferrarede que mostrou bastantes debilidades perante um adversário muito mais poderoso.

FICHA DO JOGO:

CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO DE ALFERRAREDE “OS DRAGÕES”:
Flávio, Afonso, Rodrigo, Pinheiro, Miguel Cabaço, Bernardo, Diogo, Dante (cap.), Gonçalo Leitão, Belchior e Tiago.
Suplentes: Edgar, David, Nuno, Tozé.
Treinador: Bruno Duarte.

Clube Desportivo e Recreativo de Alferrarede “Os Dragões”.

ATLÉTICO CLUBE ALCANENENSE:
Antony, Xico, Ivandro, Faia (cap.), Fininho, Soma, Gui, Anderson, Sudesh, Guilherme e Buba.
Suplentes: Zé Miguel, Mário, Peu, Nelson, Tiago Vieira, Pardal e Gonçalves.
Treinador: Pedro Gil.

Atlético Clube Alcanenense.

GOLOS: Faia, Evandro, Soma (2), Gui, Sudesh e Gonçalves (A. C. Alcanenense).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
César Soares, Rafael Duarte e Roxana Dobie.

Capitães das duas equipas, ladeados pelo trio de arbitragem.

Como habitualmente no final dos encontros, fomos ao encontro dos treinadores das duas formações:

Bruno Duarte, treinador do Alferrarede.

 

Treinador do Alcanenense, Pedro Gil.

 

 

 

 

 

 

PUB
Artigo anteriorOurém reduz tarifas para atrair mais utilizadores para o estacionamento subterrâneo
Próximo artigoOurém | Summit 4 Travel debate em Fátima futuro do turismo
A grande “culpada” é uma velhinha máquina de escrever Royal esquecida lá por casa e que me “infectou” para uma vida que se revelou mais tarde não fazer sentido sem o jornalismo. O primeiro boletim da paróquia e o primeiro jornal da pequena aldeia onde frequentava a escola (tinha apenas 7 anos de idade) entranharam-me a alma (e o sangue) deste “vício” de escrever e comunicar. Seguiram-se os pequenos jornais de turma, os das escolas, os painéis informativos colocados nas paredes dos átrios e o dos escuteiros... e nunca mais o “vício” sarou. Ao longo da vida, foram vários e diversificados os ofícios exercidos profissionalmente, mas o “mar dos desejos” desaguava sempre numa folha de papel ou (mais tarde) num portátil de computador (e sempre com a máquina fotográfica como companhia). Já mais "a sério” e desde jornais regionais, rádios locais, periódicos nacionais e televisão (TVI), já são mais de 45 anos de um percurso “académico” de alguém que pouco se importa de não possuir um “canudo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here