Futebol | Benfica bate Sporting na Final e vence Torneio de Abrantes de Iniciados (C/fotos e áudio)

Sport Lisboa e Benfica venceu a 13ª edição do Torneio.

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 0 – SPORT LISBOA E BENFICA 2
XIII Torneio Internacional de Iniciados de Abrantes
Final
Estádio Municipal de Abrantes
18-08-2019

PUB

Uma Final é sempre uma Final e se os adversários forem os eternos rivais Sporting e Benfica o espetáculo fica garantido. Foi o que sucedeu na final do Torneio Internacional de Iniciados de Abrantes, num jogo de qualidade e que fechou uma edição muito competitiva.

Bancadas bem compostas e muitas figuras do mundo do futebol.

Num Torneio com equipas e jogadores de grande qualidade para chegar à Final as equipas tiveram de deixar pelo caminho adversários de qualidade. O Sporting goleou a equipa da casa, a seleção concelhia de Abrantes, e teve de se aplicar para, com um empate com o Porto, beneficiar do número de golos. O Benfica, ao empatar com o Boavista no jogo de abertura, viu-se obrigado a vencer o Celta de Vigo por “score” superior a um golo.

Equipas entraram disposta a lutar pelo troféu.

Ambas as equipas apresentaram neste Torneio jogadores de elevada qualidade individual. O coletivo teria de fazer a diferença. Com as equipas em estudo mútuo, o Benfica chegou à área sportinguista logo aos dois minutos e conquistou um canto.

O guarda redes Salvador Gomes ainda defendeu a cabeçada de João Veloso, originando novo canto, mas foi impotente para travar a forte cabeçada de João Pereira que havia subido à área contrária.

PUB

Uma entrada muito forte das “águias” cedo lhe davam a liderança no marcador e obrigava os jovens “leões” a correr atrás do prejuízo.

João Pereira marcou cedo para o Benfica.

Não podia ter melhor resposta. Aos cinco minutos Alexandre Brito conseguiu isolar Adair Kandala que, à saída do guarda redes Francisco Pereira, atirou à base do poste, gorando-se uma excelente transição ofensiva.

Dois minutos volvidos foi a vez do irrequieto Rodrigo Ribeiro se isolar obrigando o guarda redes “encarnado” a uma enorme defesa. O lance estava invalidado por posição irregular do atacante sportinguista.

Sporting reagiu muito bem ao golo “encarnado”.

Com as equipas a acertarem marcações e a encaixarem uma na outra, o jogo começou a ser disputado preferencialmente na zona central do terreno, longe das balizas. Aos 19 minutos Mamadu Djaló ganha, em lance faltoso, sobre um contrário, progrediu no terreno e rematou forte a obrigar o guarda redes das “águias” a defesa esforçada para canto.

Respondeu o Benfica, passados três minutos, através de um livre à entrada da área, junto ao bico do lado esquerdo. Henrique Sá bateu forte para defesa de Salvador Gomes para fora. No canto, Vasco Teixeira, “esquecido” ao segundo poste, cabeceou ao lado.

Benfica espreitava uma ocasião para ampliar a vantagem.

Pouco depois, aos 24 minutos, um desentendimento entre os defesas benfiquistas Henrique Sá e João Conceição proporcionou a Rodrigo Ribeiro uma oportunidade para empatar a partida. O guarda redes Francisco Pereira não o consentiu com defesa atenta para canto.
Parecia estar melhor a equipa leonina nesta fase da partida e dispôs ainda de alguns lances que podiam deixar tudo empatado.

Sporting com bons movimentos ofensivos.

À passagem da meia hora Afonso Moreira surgiu nas costas da defensiva “encarnada” e valeu o corte precioso de Tiago Sampaio pela linha de fundo. No minuto seguinte um cruzamento bem medido do lado esquerdo proporcionou forte cabeçada a Rodrigo Ribeiro mas muito por alto.

O mesmo Rodrigo viria a protagonizar a última oportunidade para os “leões”, aos 33 minutos, quando entrou na área e rematou obrigando o guarda redes a defesa complicada para canto.

Sporting dispôs de várias oportunidades para empatar.

O intervalo chegou pouco depois, esgotados os 35 minutos do primeiro tempo, com o Benfica na frente, fruto do golo madrugador de João Pereira. Aceitava-se com relutância.
O empate seria o resultado mais ajustado ao futebol apresentado por ambos os conjuntos.

Resultado penalizador para os “leões” ao intervalo.

O técnico leonino, Bernardo Bruschy, refrescou a equipa durante o descanso apresentando três novos atletas para o segundo tempo. As alterações surtiram efeito e o Sporting entrou melhor na segunda parte obrigando o Benfica a redobradas atenções defensivas. Logo aos 38 minutos (cada parte do jogo tinha 35 minutos) Guilherme Santos rematou fraco para defesa fácil do guarda redes das “águias”.

Sporting refrescou o ataque ao intervalo.

Em cima do minuto 41 Rodrigo Ribeiro, o mais inconformado das hostes leoninas, em jogada individual desenvencilhou-se de todos os adversários que lhe saíram ao caminho e rematou ao poste. Dois minutos volvidos o Sporting beneficiou de um livre do lado direito, já muito perto da área. Guilherme Santos encheu o pé para uma portentosa defesa de Francisco Pereira a manter a inviolabilidade das suas redes.

Bons momentos no Municipal de Abrantes.

Aos 47 minutos Martim Sereno isolou-se e só a saída decidida de Francisco Pereira aos seus pés fez gorar a iniciativa. Num lance semelhante, aos 50 minutos, voltou a permitir a defesa do guarda redes, com o pé, saindo o esférico para lá da linha de fundo.
O Sporting carregava e fazia brilhar a grande altura o guarda redes “encarnado”.

Benfica espreitava ocasião para ampliar a vantagem.

Aos 53 minutos Rodrigo Ribeiro voltou a enjeitar soberana oportunidade ao rematar ao lado em excelente ocasião. O Benfica, até aí a defender de forma perfeita a magra vantagem, apenas saindo esporadicamente para o ataque, aproveitou uma rápida transição ofensiva, aos 54 minutos, para “matar” o jogo.

Um cruzamento bem medido do lado esquerdo, com a bola a viajar rente à relva, encontrou João Costa em posição privilegiada para marcar. Foi o que fez encostando para o fundo das malhas da baliza leonina.

Benfica ampliou a vantagem em contra golpe.

Este golo, “cínico”, contra a tendência do jogo deixou a equipa de Bernardo Bruschy, com um quarto de hora para jogar, numa posição difícil para inverter a marcha do marcador.
Subiu linhas e com isso o Benfica conseguiu equilibrar ofensivamente a sua equipa.

Com uma hora de jogo, Hugo Pereira embalou e foi até ao fim proporcionando outra enorme defesa ao guarda redes leonino. No minuto seguinte foi a vez de Vasco Teixeira ir à linha de fundo cruzar para onde estava… ninguém.

Luta de “dez” a meio campo.

Respondeu o Sporting de imediato com um remate fortíssimo de do central Carlos Santos, de muito longe. O guarda redes benfiquista não se deixou surpreender e com uma defesa enorme tirou para canto. Grande momento de futebol!

Aos 66 minutos Hugo Pereira tentou rematar do “meio da rua” mas o remate passou muito longe da baliza dos “leões”. O mesmo destino teve a cabeçada do marcador do segundo golo benfiquista, João Costa, no último lance do tempo regulamentar.

Remates de longe testaram guarda redes.

O árbitro João Bento concedeu seis minutos de compensação e no primeiro deles Hugo Pereira voltou a desperdiçar ao rematar contra um defesa já no “coração” da área.
No minuto seguinte Alfa Baldé, por duas vezes no mesmo lance, voltou a pôr à prova Francisco Silva que defendia as redes leoninas nesta altura.

O jogo terminou com um remate ao lado de João Rego. O jovem sportinguista lesionou-se neste lance e João Bento deu a Final por terminada.

Benfica foi justo vencedor.

Vitória justa da equipa que conseguiu concretizar. Foi uma vitória da eficácia ofensiva aliada ao bom labor defensivo. O Sporting tentou de todas as maneiras chegar ao golo. Não o conseguiu mas deixou uma imagem de raça e muito querer. A diferença mínima aceitava-se melhor. Grande arbitragem da equipa liderada por João Bento, recém chegado à I Liga.

Jogo primou pelo “fair play”.

FICHA DO JOGO:

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL:
Salvador Gomes (Francisco Silva), José Silva (André Gomes), Pedro Silva, Carlos Santos, Leonardo Barroso, Alexandre Brito (Henrique Arriol), Afonso Moreira (Pedro Sanca), Rodrigo Ribeiro, Guilherme Santos, Mamadu Djaló (Sérgio Matos) e Adair Kandala (Martim Sereno).
Treinador: Bernardo Bruschy

Sporting Clube de Portugal.

SPORT LISBOA E BENFICA:
Francisco Pereira, João Conceição, Henrique Sá, Tiago Sampaio, João Pereira (Júlio Gil), Pedro Pato (Hugo Pereira), Alfa Baldé, Ussumane Djaló, João Costa, João Veloso (Rodrigo Freitas), Vasco Teixeira (João Rego).
Suplentes não utilizados: Gonçalo Ferreira, Rodrigo Oliveira.
Treinador: Tiago Pina.

Sport Lisboa e Benfica.

GOLOS: João Pereira e João Costa (SL Benfica).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
João Bento, Carlos Covão e José Morgado.
Quarto árbitro: Pedro Mendes.

Equipa de arbitragem: João Bento, Carlos Covão e José Morgado com os capitães.

No final fomos ouvir os técnicos de ambos os conjuntos:

Bernardo Bruschy, treinador do Sporting Clube de Portugal.

 

Tiago Pina, treinador do Sport Lisboa e Benfica.

*Com David Belém Pereira (fotos e áudio).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here