Futebol | Balde de água gelada no Pego, com golo do Abrantes mesmo ao cair do pano (C/ fotos e áudio)

Num autêntico bailado à chuva a sorte sorriu aos encarnados.

CASA DO POVO DO PEGO 0 – SPORT ABRANTES E BENFICA 1
Campeonato Distrital da 1ª Divisão da AFS – 10ª jornada
Campo de Jogos do Pego – Pego – 17-11-2019

PUB

Tarde de bastante chuva e com Cristiano Ronaldo e seus pares a jogarem no Luxemburgo com transmissão na TV na busca do caminho para o Euro 2020, podia prever-se que muita gente “fugisse” do Campo de Jogos do Pego para mais um (sempre apetecível) dérbi concelhio, mas a “casa” esteve composta com apoiantes das duas equipas e puxarem pelos seus ídolos.

Jogo muito morno numa tarde fria e bastante molhada.

Com o jogo a desenrolar-se muito no miolo do terreno, onde a equipa do Pego não dava grandes veleidades aos abrantinos para explorarem a velocidade dos seus atacantes, eliminando de imediato qualquer tentativa, foi necessário esperar mais de meia hora para que se conseguisse apontar uma jogada de algum perigo e para os locais.

Apesar do mau tempo, o Campo de Jogos do Pego apresentou-se com bastante público.

A toda a linha, o esférico rolou com rapidez entre os homens mais adiantados, contudo o último passe saiu demasiado longo e a tentativa dos pegachos de alvejar a baliza de Joel Dias ficou-se por aí.

Aos 40 minutos, Hélio Ocante não aproveitou um pequeno deslize do guarda redes João Rosa que facilitou e que quase deixava a bola à mercê do seu adversário. E por aqui ficava a história do primeiro tempo, com Hugo Silva a indicar o caminho dos balneários para o descanso e habituais palestras do técnicos que tinham que corrigir alguma coisa para a segunda metade.

PUB
No primeiro tempo de jogo, o meio campo pegacho não dei grandes veleidades aos abrantinos.

O terreno estava difícil e os jogadores tinham alguma dificuldade em progredir e explorar o seu jogo habitual. Foi tido esse facto em conta, e os segundos 45 minutos foram de melhor qualidade, principalmente para os atletas do Sport Abrantes e Benfica que se mostraram um pouco mais “atrevidos”, aproveitando a sobrecarga de livres diretos que o Pego se via obrigado a fazer, de modo a travar as investidas encarnadas.

Duarte Basílio era o marcador de serviço, mas também ele não se mostrava inspirado nem os colegas que chegavam sempre tarde aos seu cruzamentos para a pequena área, em busca de algum desvio que nunca apareceu.

O terreno estava difícil e os jogadores tinham alguma dificuldade em progredir e explorar o seu jogo habitual.

Um dos momentos do jogo surgiu ao minuto 61 numa sequência de remates de Hélio Ocante e Marcos Patrício, mas João Rosa mostrou-se à altura dos acontecimentos e, mesmo sendo remates “à queima”, conseguiu fazer a parada em todos eles, para desespero dos atacantes do Abrantes e Benfica.

Os homens do Pego raramente conseguiam subir no terreno, excepção feita aos minutos 22 e 32, primeiro com Flávio Calado que podia ter feito melhor apenas com Joel Dias na sua frente como obstáculo, e depois por Pedro Rosado que, na sequência de um pontapé de canto, atirou muito por cima do travessão da baliza abrantina.

Os homens do Pego raramente conseguiam subir no terreno.

E terminavam por aqui as forças dos pegachos. Aproveitando esse facto, o SAB puxou do galões e instalou-se no meio terreno adversário, acabando por dispor de algumas situações em que poderia criar muito mais perigo junto do último reduto pegacho, mas as forças físicas e anímicas também já não eram as melhores.

Porém, ao minuto 81, novamente Duarte Basílio é chamado à marcação de novo pontapé livre a castigar falta sobre Diogo Barrocas. A execução é primorosa, mas Toni ao segundo poste falha por muito pouco a emenda com o guardião pegacho desenquadrado do lance.

Duarte Basílio mostrou-se empre bastante activo, principalmente na cobrança de bolas paradas.

Gorou-se uma grande oportunidade para o Abrantes e Benfica se adiantar no marcador, o que viria a acontecer já em período de compensação dado por Hugo Silva e quando já (quase) ninguém esperava que o resultado se alterasse.

Com a equipa da Casa do Povo do Pego a defender com onze e com o Sport Abrantes e Benfica a atacar com dez (apenas Joel Dias permaneceu no seu posto), o esférico rola de atleta em atleta até que, quase sobre a linha e em ponto de mira, Pedro Damas não se fez rogado e, aos 90+4 minutos, selou o resultado final, para desespero de uns e felicidade de outros.

Celebração do único tento do jogo, apontado por Pedro Damas.

As celebrações foram de tal modo efusivas que acabaram por gerar alguns desentendimentos entre atletas e dirigentes de ambos os clubes, obrigando o trio de arbitragem a intervir a mostrar algumas cartolinas vermelhas de modo a serenar os ânimos que continuavam exaltados.

A bola ainda foi ao centro do terreno, mas segundos depois o jogo era dado por terminado. Dizer que o árbitro Hugo Silva e seus pares, apesar de alguma contestação, estiveram bem, intervindo quando foi necessário até porque o jogo foi rijo mas não teve entradas mal intencionadas, exceção feita ao momento após à obtenção do golo dos encarnados de Abrantes. Nota positiva para Hugo Silva, Francisco Pereira e Pedro Sousa.

O Abrantes e Benfica mantém o 3º lugar na classificação e o estatuto de equipa revelação da época, ao passo que o Pego mostrou ter argumentos para ocupar lugares mais condizentes com a valia do seu plantel.

Não foi um grande jogo de futebol, mas a entrega do atletas foi total.

FICHA DO JOGO:

CASA DO POVO DO PEGO:
João Rosa (cap.), Gil e Gil, Diogo Rosado, Pavlov Cruz, Pedro Rosado, Willian Flores, Ronaldo Ca, Ermis Tavares, Flávio Calado, Bernardo Barreiros e Weslei Silva.
Suplentes: Diogo Pascoal, Fábio Santos, Tiago Marchante, David Pascoal, André Batista, Pedro Alves e Vitor Lúcio.
Treinador: Nuno Bernardo.

Casa do Povo do Pego.

SPORT ABRANTES E BENFICA:
Joel Dias, Miguel Catarino, Toni (cap.), Duarte Basílio, Diogo Rocha, Diogo Mateus, Diogo Barrocas, Rui Sousa, José Pedro, Hélio Ocante e Marcos Patrício.
Suplentes: Canais, Witsel, Pedro Damas, Manuel Victor, Rodrigo Carraceno, João Macieira e Will Intumbi.
Treinador: Paulo “Séninho”

Sport Abrantes e Benfica.

GOLOS: Pedro Damas (SAB).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Hugo Silva, Francisco Pereira e Pedro Sousa.

Árbitros e capitães escolhem campo antes do início da partida.

No final ouvimos os treinadores das duas equipas:

Nuno Bernardo, novo técnico da equipa da Casa do Povo do Pego.

 

Treinador do Sport Abrantes e Benfica. Paulo “Séninho”.

*Com David Belém Pereira (fotos e áudio).

PUB
Artigo anteriorAbrantes | A literacia do oceano junto ao Tejo com o Vaivém Oceanário
Próximo artigoTorres Novas | Município vai adquirir edifício para reabilitar no centro histórico
A grande “culpada” é uma velhinha máquina de escrever Royal esquecida lá por casa e que me “infectou” para uma vida que se revelou mais tarde não fazer sentido sem o jornalismo. O primeiro boletim da paróquia e o primeiro jornal da pequena aldeia onde frequentava a escola (tinha apenas 7 anos de idade) entranharam-me a alma (e o sangue) deste “vício” de escrever e comunicar. Seguiram-se os pequenos jornais de turma, os das escolas, os painéis informativos colocados nas paredes dos átrios e o dos escuteiros... e nunca mais o “vício” sarou. Ao longo da vida, foram vários e diversificados os ofícios exercidos profissionalmente, mas o “mar dos desejos” desaguava sempre numa folha de papel ou (mais tarde) num portátil de computador (e sempre com a máquina fotográfica como companhia). Já mais "a sério” e desde jornais regionais, rádios locais, periódicos nacionais e televisão (TVI), já são mais de 45 anos de um percurso “académico” de alguém que pouco se importa de não possuir um “canudo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here