Festival da Lampreia à moda de Mação volta a ser mote de romaria ao concelho

Foto: mediotejo.net

O Festival em que a lampreia é rainha à mesa está de volta a Mação. São oito os restaurantes aderentes na edição deste ano, que está a decorrer desde 28 de fevereiro e se prolonga até ao dia 12 de abril. Além de se poder degustar o tradicional Arroz de Lampreia à moda de Mação, há ainda oportunidade para outros paladares com produtos locais, nomeadamente o vinho, o presunto, o mel, o azeite e a azeitona. O objetivo da autarquia, responsável pela organização do evento em parceria com a Pinhal Maior, passa por trazer mais e mais apreciadores do ciclóstomo ao concelho, abrindo-lhes as portas para conhecerem o que de melhor se produz e se faz por terras maçanicas.

Na conferência de imprensa de apresentação do evento gastronómico, Vasco Estrela, presidente da Câmara Municipal de Mação, disse que a estratégia é retomada depois de em 2019 o festival ter sido “um sucesso”. O investimento global ronda os 10 mil euros.

Nesta iniciativa todas as freguesias do concelho que têm espaços de restauração participam, algo que é “motivo de satisfação” para a Câmara, uma vez que “mesmo aqueles que têm menos tradição neste prato” fazem por estar presentes e colocar o mesmo à disposição.

PUB

A adesão ao festival por parte dos empresários de restauração “representa empenho na dinamização do negócio, podendo assim também fazer publicidade à sua casa e aproveitando esta oportunidade que o município lhes dá para poderem ter uma forma de mostrar o que sabem fazer”, reconheceu Vasco Estrela.

Para lá da habitual presença do presunto da Marca Mação à mesa, uma oferta do município para que os restaurantes possam divulgar mais este produto típico, passaram a ser introduzidos novos produtos locais.

PUB

Ao presunto junta-se o azeite, a azeitona e o mel “para que as pessoas que vêm ao concelho nestas ocasiões possam também provar estes produtos que estamos a tentar potenciar e valorizar o que os nossos produtores aqui fazem”, explicou o autarca.

Além disto, será possível em cada estabelecimento aderente adquirir produtos locais através de expositor preparado pela associação AmarMação, onde estarão também os vinhos, queijos, enchidos, doçaria e outros.

Foto: mediotejo.net

“O que pretendemos com esta aposta é chamar pessoas ao nosso território, ao nosso concelho, para que possam conhecer e gostar do que vêem e experienciam”, afirmou Vasco Estrela, notando que esta é a forma que a autarquia vê como “adequada” para promoção do concelho de Mação.

De olhos postos no futuro, e com vista a preservar de alguma forma aquela que é a cultura, a tradição e memória do povo de Ortiga – aldeia intimamente ligada às lides da pesca e com o Tejo aos pés, que ganha maior expressividade a nível histórico pelas múltiplas famílias ali se sustentavam da faina – surge o Núcleo Museológico cuja obra já está concluída e que deverá ser inaugurada em breve na antiga Escola primária.

“O Núcleo Museológico de Ortiga será inaugurado dentro de pouco tempo, tendo terminado a obra. Mas estamos também a desenvolver projetos naquela zona do concelho, junto ao rio Tejo, através da Rota das Pesqueiras que ali vamos implementar, a Grande Rota do Tejo, requalificação da praia fluvial de Ortiga. Não sendo ainda uma realidade este ano que quem venha aqui possa verificar estas obras, temos fundadas esperanças que no próximo ano já seja uma realidade”, referiu o autarca.

Vasco Estrela refere que a Câmara pretende aproveitar esta ocasião para dar a conhecer estes projetos nos restaurantes de Ortiga, no sentido de captar a atenção aos visitantes e saberem qual vai ser a realidade naquela freguesia no próximo ano, “tentando tirar partido do potencial que o concelho tem relativamente ao rio Tejo agora que, pelo menos em termos de poluição, as coisas estão mais ou menos estabilizadas”.

“Sabendo nós que há outras questões que o rio continua a ter por resolver, nomeadamente quanto ao seu caudal, não deve ser isso que nos deve inibir de tentar tirar partido de todo o potencial que aquela região tem, como outras regiões do concelho, noutros contextos, também têm”, disse.

Foto: mediotejo.net

Quanto à origem da lampreia, “há esperança que dentro de semanas suba o suficiente para que possa ser apanhada na região, se não puder ser apanhada no concelho”, mas apesar disso, os restaurantes especializados já têm disponível o ciclóstomo desde dezembro, sendo que os apreciadores desta iguaria gastronómica estão sempre prontos para a devida degustação, seja dentro ou fora do festival.

Em Mação, o arroz é servido em separado, feito com o caldo com que é cozinhada a lampreia, que contém vinagre e vinho tinto, depois de devidamente limpa e cortada em postas finas.

A dar cor, o verde dos coentros que são colocados por cima, nas taças de barro tradicionais, desperta os sentidos. À mesa, com um vinho tinto também local, junta-se o presunto como entrada, pois onde há rainha, deverá também existir rei.

Eleito como a “Estrela do Médio Tejo” na categoria de Prato Principal a nível regional, o tradicional Arroz de Lampreia é um dos pratos típicos do município de Mação sendo dos mais conhecidos e procurados por apreciadores de todo o país.

Concelho quer dar o “salto” para reunir “maiores condições de atratividade”

Quanto a este aproveitar do potencial a nível turístico, a autarquia diz não ter dúvidas de que há um caminho ainda por percorrer e trilhar, no sentido de criar “maiores condições de atratividade”.

“Sentimos no ano passado, pelos dados que nos foram passados, que foi o ano em que mais pessoas estiveram no concelho de Mação na altura do verão (…) tudo isto nos leva a pensar que temos de nos começar a capacitar melhor para podermos responder a esta nova realidade”, começou por dizer Vasco Estrela.

O edil quis, ainda assim, deixar claro que não estava a “embandeirar arco” e que não se trata de “um boom turístico”, entendendo que são “sinais que importam à Câmara de Mação recolher, analisar e perceber como os pode trabalhar da melhor maneira”.

“Há necessidade, para além daquilo que temos, potenciar o que já existe e fazer mais alguma coisa, que passa por fazer recuperação de moinhos, algo que já foi feito no Castelo; o primeiro passo que já demos para aquisição da antiga fábrica de presunto em Envendos para podermos lá criar um núcleo museológico; passa por um conjunto de moinhos que há em Cardigos sinalizados e poder perceber como o local pode ser fator de interesse turístico; passa por perceber como o Centro Geométrico que existe no nosso concelho pode ser compatibilizado com a Serra do Santo, que ali fica junto… Há um conjunto de pequenas grandes realidades que têm de resultar num bolo para que possamos ser mais eficientes nesta matéria”, justificou.

Por outro lado, Vasco Estrela entende que muito do desenvolvimento nesta matéria deverá partir essencialmente da iniciativa privada, nomeadamente quanto à oferta hoteleira e sua capacidade. “Temos de dar passos mais consistentes, percebendo a nossa realidade, dimensão, e fatores críticos que por vezes existem que tem a ver com a capacidade hoteleira no concelho – que está em cerca de 200 camas – mas que necessitaria de muitos mais nalguns momentos, sabendo nós que há uma grande sazonalidade e que é importante perceber que os investimentos nesta área devem ser de iniciativa privada”, referiu, assumindo que é o seu ponto de vista em termos políticos.

 

 

Lista de restaurantes aderentes:

  • Avenida (Pica-Fino) – Mação – 241 572 585 / 966 225 784

Terça a sexta-feira – almoço e jantar, com reserva

Fim-de-semana – almoço e jantar

(encerra à segunda-feira)

  • A Lena – Ortiga – 241 573 457 / 926 347 974 / 917 792 996

Todos os dias – almoço, com reserva

  • A Recta Café Restaurante – Mação – 969 459 660

Segunda-feira a sábado – almoço e jantar

Domingo – grupos, com reserva

  • Café Cristo – Envendos – 967 817 819 / 966 296 095

Terça a quinta-feira e domingo – almoço e jantar, com reserva

Sexta-feira e sábado – almoço e jantar

(encerra à segunda-feira)

  • Churrasqueira Norberto – Mação – 241 573 293 / 962 602 382

Todos os dias – almoço, com reserva

(encerra ao domingo)

  • O Bigodes – Ortiga – 241 571 230 / 964 677 705

Todos os dias – almoço e jantar

(encerra à quarta-feira)

  • O Godinho – Mação – 241 572 874 / 962 536 310

Todos os dias – almoço, com reserva

(encerra ao domingo)

  • Solar do Moinho – Cardigos – 274 866 505 / 969 513 633

Fim de semana, com reserva

 

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here