Fátima: Vaticano elogia os “fracos” que amam os próximos e critica os “fortes”

O secretário de Estado do Vaticano despediu-se hoje de Fátima com elogio aos “fracos”, que amam realmente os próximos, e com críticas aos “fortes e poderosos”, que apenas se amam a si e entre si.

PUB

Pietro Parolin, que presidiu hoje e na quarta-feira à última peregrinação internacional a Fátima antes da visita do papa Francisco à Cova da Iria, prevista para maio de 2017, questionou esta dicotomia entre “fracos e fortes” e aludiu ao apóstolo Paulo, que relevava que a “força de Deus se manifesta plenamente na fraqueza”.

“Quando se ama realmente o próximo, tornamo-nos ‘fracos’, porque já não se aceitam as regras, as ideias e os comportamentos dos ‘fortes’ que se amam apenas a si mesmos. No máximo, amam os seus ‘clones’, ou seja, aqueles que são como eles. Os ‘fortes’ e os ‘poderosos’ amam os ‘fortes’ e os ‘poderosos’”, sublinhou.

PUB

Mas a fraqueza a que aludia o apóstolo Paulo, explicou o chefe da diplomacia da Santa Sé, “não é a da mesquinhez, do medo e da imoralidade; mas sim a fraqueza que deriva do amor ao próximo”.

Pietro Parolin pediu ainda aos peregrinos para ajudarem na construção de uma Igreja que “anuncia o Evangelho não obstante as contradições e os lados obscuros da vida; antes, dentro deles”.

PUB

Na quarta-feira, Parolin tinha questionado o Mundo que “vive segundo a lei do mais forte e se deixa tragicamente encantar pela mentira”, e apelou a uma vivência na Igreja com “verdade e paz”.

Então na Saudação aos Peregrinos, o cardeal disse também que o Mundo “faz da corrupção o segredo duma vida bem-sucedida” e, por outro lado, elogiou quem vive com “justiça e fraternidade”.

Na homília de quarta-feira, Pietro Parolin apelou à descoberta do mundo interior em oposição à atração pela era da informação.

A peregrinação de outubro, que hoje termina, assinala os 99 anos da sexta e última aparição, e será a última antes da visita do papa Francisco a Fátima.

Na quarta-feira, em conferência de imprensa, Parolin garantiu que Francisco deseja visitar Fátima, como peregrino mariano, deixando entender que o papa estará realmente em 2017 em Portugal, mas apenas para uma visita à Cova da Iria.

“Creio que o papa se quererá concentrar no centenário das aparições”, disse então o chefe da diplomacia da Santa Sé, aludindo a uma visita “breve”.

Parolin acrescentou que os detalhes da visita serão conhecidos em breve.

Inscreveram-se na peregrinação internacional aniversária de outubro 92 grupos organizados, oriundos de Timor-Leste, Senegal, Suíça, Nigéria, Polónia, Itália, Filipinas, Hungria, Reino Unido, Estados Unidos, Espanha, Eslováquia, Croácia, Coreia do Sul, França, Irlanda, Benim, Brasil, Bélgica, Áustria, Austrália, Alemanha e, naturalmente, Portugal.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here