Fátima | No centenário da morte de São Francisco Marto pediu-se pela reparação da Igreja

Francisco Marto Foto: D.R.

Celebrou-se esta quinta-feira, 4 de abril, o centenário da morte de São Francisco Marto, um dos três videntes de Fátima. O rapaz faleceu com 10 anos, vítima da pneumónica ou gripe espanhola que varreu o continente europeu na sequência I Guerra Mundial. O Cardeal António Marto pediu a sua intercessão num momento em que a Igreja católica vive uma época de escândalos.

PUB

D. António Marto pediu a intercessão do vidente para curar as feridas da humanidade, “dilacerada por tantas formas de violência” e reparar a Igreja “tão dolorosamente abalada pela corrupção e pelos escândalos”.

Socorrendo-se das palavras de São Francisco de Assis, o prelado diocesano de Leiria-Fátima presidiu ao terço e à Eucaristia votiva do Centenário da Morte de São Francisco Marto,  e afirmou: “vai Francisco e repara a minha Igreja. Também nós invocamos São Francisco Marto para esta hora dolorosa da Igreja. Ajuda-nos a ser cristãos mais fiéis ao Evangelho e a Jesus; ajuda-nos a descobrir o encanto da beleza de Deus; a unir-nos cada vez mais a Jesus na Eucaristia e a sermos seus colaboradores para repararmos os pecados do mundo e da Igreja”.

Francisco Marto faleceu a 4 de abril de 1919, com 10 anos, em consequência da gripe espanhola Foto: Santuário de Fátima

O Cardeal, que proferiu uma homilia centrada na história de vida desta criança, a primeira não mártir a ser canonizada na história da Igreja Universal, juntamente com a irmã Jacinta, referiu-se ao vidente de Fátima como “um exemplo de grande atualidade”, sobretudo para os adultos do mundo de hoje.

“Francisco lembra-nos a devoção eucarística como o lugar onde alimentamos a nossa fé e depois vem lembrar-nos a atualidade da missão reparadora para curar as feridas do mundo e da humanidade, dilacerada por tantas formas de violência e reparar também a própria Igreja do Senhor, hoje tão dolorosamente abalada pela corrupção de alguns escândalos de responsáveis que ferem a nossa alma e a qualidade da nossa fé e a imagem e confiança na Igreja”, afirmou, segundo nota de imprensa do Santuário de Fátima.

PUB

“É necessário reparar os estragos para reconstruir; reparar os estragos provocados pelos escândalos e reerguer comunidades que sejam fieis ao Evangelho, com a confiança de que nas horas mais obscuras da história, pelas quais a igreja já passou, o Senhor nunca nos abandonou”, prosseguiu D. António Marto sublinhando a amizade e a intimidade que Francisco tinha com Deus como a chave de leitura da sua santidade.

O Santuário de Fátima está a assinalar o centenário da morte de São Francisco Marto com um programa especial que começou na quarta-feira, 3 de abril, à noite, com a recitação do Rosário seguida de uma vigília com veneração do túmulo de São Francisco Marto, na Basílica da Santíssima Trindade.

Na quinta-feira rezou-se o Terço às 10h00, na Capelinha das Aparições, seguindo-se a procissão para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima com o ícone de São Francisco Marto, onde foi celebrada a Missa Votiva dos Pastorinhos de Fátima, presidida pelo cardeal D. António Marto.

O Santuário de Fátima vai começar a distribuir uma pagela comemorativa do centenário da morte do Francisco, que será disponibilizada exclusivamente na casa do Francisco e da Jacinta, em Aljustrel, até ao fim do ano pastoral. Esta vai estar disponível nos sete idiomas oficiais do Santuário de Fátima.

No centenário da morte do pastorinho, os peregrinos que passaram pelo quarto do vidente tiveram a oportunidade de escutar o trecho com a narração da morte do Francisco, retirado das Memórias da Irmã Lúcia. O túmulo do pequeno pastor, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário, vai estar solenizado de forma especial até ao final do ano pastoral.

No dia 7 de abril, domingo, a Basílica do Rosário acolhe o Concerto Comemorativo do Centenário da Morte de São Francisco Marto, pelas 15h30, pelo Grupo Vocal LUSIOVOCE, com direção de Clara Alcobia Coelho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here