Europeias/Entroncamento | Catarina Martins apela ao voto dos enganados pela direita e dos mais jovens

Catarina Martins. Foto: DR

A coordenadora do BE, Catarina Martins, apelou hoje ao voto de “quem foi enganado pela direita”, mas também “dos mais jovens”, desafiando-os a irem às urnas para colocarem a “emergência climática na agenda política”.

PUB

No jantar da campanha europeia que decorreu no Entroncamento, distrito de Santarém – e que não contou com a presença da cabeça de lista do BE, Marisa Matias, que está esta noite num debate televisivo – coube a Catarina Martins o último discurso da noite, que fechou com dois apelos ao voto.

“Queria fazer um apelo ao voto àquelas pessoas que se sentem desiludidas da politica, aquelas e aquelas que confiaram que a direita tinha razão, que o único rumo do país era empobrecer. Aquelas pessoas que votaram em PSD e CDS e se sentiram traídas porque lhes cortaram as pensões, porque as insultaram, porque lhes cortaram salário, porque lhes cortaram futuro e que deixaram de votar”, começou por pedir.

Para a líder bloquista, aqueles que “estão desiludidos com a direita” têm “todas a razões para estar”, sendo este o tempo de “um outro projeto”.

“É tempo de darem a vossa confiança e o vosso voto a quem acabou com os cortes que a direita fez e provou que era possível ter um país melhor. Quem foi enganado pela direita está bem a tempo de mudar e usar o poder do seu voto para transformar o país”, apelou.

PUB

Mas, foi aos mais jovens a que Catarina Martins se dirigiu em último.

“Aos que nunca votaram, aos que nas últimas eleições europeias não tinham idade para votar, aos que começam agora a votar, àquela geração cheia de força que colocou a emergência climática na agenda social”, disse.

O apelo a estes jovens foi simples e direto: “coloquem agora a emergência climática na agenda política com o vosso voto, provem o que valem, mostrem que estão a falar a sério”.

“Votem pelo salário dos vossos pais, votem pela pensão dos vossos avós, votem por quem ainda não pode votar, votem contra a emergência climática, wvotem pelo planeta e pelo futuro”, pediu.

Os bloquista, segundo a coordenadora do partido, são “internacionalistas e europeístas”.

“O que não aceitamos é uma União Europeia que diga que o nosso país tem de ser cada vez mais pobre e o que dizemos é que podemos ter a força para um novo projeto europeu”, concretizou.

Assim como “a Europa teve que se reconstruir depois das guerras e como Portugal teve que construir todas as suas infraestruturas depois do 25 de Abril”, para Catarina Martins, “está agora no momento de toda a Europa se reconstruir para responder ao caos climático”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here