Entroncamento | PS critica permanência de Jaime Ramos (PSD) como vereador depois de condenado em tribunal

Assembleia Municipal do Entroncamento de 29 de abril de 2019. Foto: mediotejo.net

Foi num ambiente de tensão entre as bancadas do PS e do PSD que, na sessão da Assembleia Municipal do dia 29, se discutiu a permanência do vereador Jaime Ramos (PSD) no Executivo Camarário depois de este antigo Presidente da Câmara ter sido condenado pelo tribunal a uma pena de dois anos e meio de prisão com pena suspensa.

PUB

O tema foi lançado pelo deputado Manuel Martins (PS) para quem a confirmação, após recurso, da condenação do autarca social-democrata por “prevaricação de titular de cargo político” deveria implicar a perda de mandato.

Para o deputado do PS a permanência de Jaime Ramos no Executivo “dá uma má imagem à cidade, ao município e em particular ao PSD do Entroncamento, que se vê representado por alguém indigno do lugar que ocupa” e que deveria abandonar o cargo “de forma voluntária”.

Na mesma linha de pensamento, o Presidente da Câmara defendeu que se trata de “uma questão jurídica e de ética” e que o autarca condenado deveria “tirar daí as suas ilações”, concordando que a sua permanência “não dignifica a Assembleia”.

Visivelmente incomodado com as intervenções, Jaime Ramos (PSD) pediu para se defender, apresentando-se como “um homem íntegro” que, em tribunal, procurou defender os funcionários da Câmara.

PUB

O eleito considera que a justiça ”por vezes é severa demais para com certos assuntos e outros passam ao lado”, reconhecendo que cometeu “um erro processual” ao longo de 20 anos enquanto autarca.

Jaime Ramos aproveitou para criticar a postura da atual Câmara, gerida por maioria PS, de se ter “portado muito mal, de uma forma baixa para quem tanto fez por esta terra”. Acusou ainda o atual Presidente da Câmara de ter processos no Tribunal de Contas e não falar sobre o assunto, acusação que Jorge Faria considerou ser uma calúnia, desafiando Jaime Ramos a apresentar provas.

“Sou vereador porque a lei não me proíbe de ser vereador”,  afirmou o antigo Presidente da Câmara, para justificar a sua permanência no Executivo para o qual disse ter sido eleito democraticamente.

O debate não ficou por aqui. Kelly Silva, vereadora do PSD, pediu para intervir mas o Presidente da Assembleia não autorizou, sugerindo que fosse uma deputada a usar da palavra. Coube à deputada Susana Cruz (PSD) defender o vereador Jaime Ramos, realçando o trabalho desenvolvido pelo autarca ao longo dos seus mandatos.

Foi preciso um requerimento do deputado Carlos Matias (BE), apresentado apenas oralmente, para que terminasse o debate e se passasse ao ponto seguinte.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here