Empresários ribatejanos procuram parceiros de negócios no Canadá

A Associação Empresarial da Região de Santarém está no Canadá numa missão empresarial. Foto: Sérgio Mourato

A Associação Empresarial da Região de Santarém está no Canadá numa missão empresarial, para “tentar encontrar parceiros de negócio num mercado com muito potencial”, disse à agência Lusa o presidente da NERSANT, António Campos.

PUB

“Viemos convidar os empresários portugueses radicados no Canadá, para que possam ver Portugal como uma janela de oportunidade de investimento. Em Portugal há um fator, que é a existência de capitais próprios baixos. Existem bons investimentos que podem ser feitos”, afirmou António Campos, presidente executivo da Associação Empresarial da Região de Santarém (NERSANT).

A delegação de dez elementos da NERSANT, incluindo representantes de seis empresas, está em Toronto até quinta-feira, estando agendados encontros locais com empresários canadianos.

PUB

As empresas portuguesas representadas na missão estão ligadas à área da “metalomecânica, agroindústria e engenharia informática”.

“A tipologia das nossas pequenas empresas enquadra-se perfeitamente nas respostas que possam dar a nichos do mercado. A expectativa não é vir para cá grandes empresas ou grandes negócios, mas é de poder haver alguma complementaridade”, acrescentou António Campos.

PUB
A delegação de dez elementos da NERSANT, incluindo o presidente António Campos e representantes de seis empresas, está em Toronto até quinta-feira. Foto: Sérgio Mourato
A delegação de dez elementos da NERSANT, incluindo o presidente António Campos e representantes de seis empresas, está em Toronto até quinta-feira. Foto: Sérgio Mourato

O dirigente da associação empresarial ribatejana revelou que, após um rastreio efetuado aos associados, no ano passado, surgiu também a hipótese de se realizar “uma futura missão empresarial a Alberta”, no centro do Canadá.

Quanto ao acordo comercial entre o Canadá e a União Europeia (CETA, sigla em inglês), aprovado no Conselho Europeu no dia 28 de outubro, vai “facilitar a realização de negócios bilaterais”, destaca o presidente da NERSANT.

O acordo “é bom para ambos os lados”, afirma. “É por aí que podemos trabalhar, através da tipologia da nossa atividade económica e vice-versa, porque também queremos que os empresários olhem para Portugal e para o mercado Europeu de 500 milhões de habitantes”, realçou.

António Campos sublinhou igualmente a importância do programa Portugal 2020, considerando-o como uma “boa oportunidade para os empresários portugueses residentes no Canadá em investirem em Portugal”.

O responsável pela organização da missão da NERSANT no Canadá, Felipe Gomes, explicou que “esta é uma boa altura para Portugal, porque há uma grande procura de produtos portugueses”.

“Como empresário tenho testemunhado muita procura de imensos produtos portugueses, com a ida a Portugal de muitos canadianos que procuram produtos portugueses. É algo bastante positivo”, sublinhou.

O empresário mostrou-se confiante para um aumento no número das exportações para o Canadá, nomeadamente no setor do vinho.

Felipe Gomes defende igualmente um acordo comercial envolvendo três partes, envolvendo o Brasil, e exemplificou os exemplos da Colômbia e do Brasil, um “mercado de partilha” a três.

“Já temos um acordo com a Colômbia e com o Canadá. Gostaria de conhecer melhor a Câmara de Comércio do Brasil, conhecer melhor o seu mercado, [e envolver] Canadá, Brasil e Portugal, num mercado de partilha”.

nersant2
As empresas ribatejanas estão com bastantes expectativas, na missão ao Canadá. Foto: Sérgio Mourato

As empresas ribatejanas estão com bastantes expectativas, na missão ao Canadá.

O diretor-geral da Blue Bau Special Solutions, Jorge Fonseca, declarou que o objetivo inicial é “conhecer melhor o mercado canadiano”.

“As perspetivas são as melhores num mercado maduro, competitivo. O nosso principal objetivo é conhecer Toronto e o Canadá”, salientou.

A empresa tem sede em Torres Novas e atua na área de serviços de engenharia, relacionados com impermeabilizações especiais, e pretende marcar a diferença “pela qualidade”.

Cerca de 80 % do volume de vendas da faturação Blue Bau são para exportação. A empresa já tem uma “presença internacional significativa” em mercados de África, América Latina, Ásia, e Europa.

Para o diretor comercial da Compometal, João Silva, as expectativas também “são positivas”.

“Viemos para o Canadá à procura de novos mercados. No final espero sair daqui com contactos e ter negócios aqui no Canadá”, disse o representante da empresa de produção de componentes para a indústria automóvel, com sede em Vale da Pedra, Cartaxo.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here