“Cuidar dos idosos… e seus cuidadores”, por Rui Calado

Foto: DR

Nos últimos dias, os meios de comunicação social têm-se referido, com grande destaque, às dificuldades que a pandemia por Coronavírus tem criado aos hospitais, nomeadamente no que se refere à disponibilidade de equipamentos necessários aos doentes e aos próprios profissionais de saúde. Claro que é preciso estarmos muito atentos a estas chamadas de atenção. Precisamos de bons hospitais, de respostas clínicas de qualidade, para a preservação da vida dos doentes, da nossa vida.

PUB

Acontece porém que, na presente situação, o possível excesso de procura de cuidados hospitalares pode provocar o caos. E adivinha-se que essa possibilidade é real, que está presente nas preocupações dos nossos dirigentes.

Sabendo-se que cerca de 20% dos infectados vão necessitar de internamento, é desejável a adopção de estratégias que contribuam para aliviar a pressão que está a ser exercida sobre essas instituições.

PUB

A generalização de comportamentos adequados na comunidade, conhecidos de todos, asseguram a interrupção da cadeia de transmissão do vírus e diminuem o número de novos casos.

Sabemos hoje, neste contexto, que o maior risco de complicações graves e de vida é directamente proporcional à idade das pessoas, atingindo em especial as que também são portadoras de doença(s) crónica(s). É por isso expectável que sejam os idosos os principais utilizadores de cuidados hospitalares e, se nada for feito, quem os poderá “entupir”.

PUB

Para prevenir a doença com eficácia, a maioria dos idosos não institucionalizados está em quarentena voluntária no próprio domicílio. Mas muitos não estão em condições de compreender a necessidade das medidas que lhes estamos a aconselhar. Estes são os que mais vezes precisam de ser auxiliados por um cuidador dedicado, frequentemente o seu único contacto com o mundo exterior.

É preciso ter presente que estes cuidadores, quer sejam familiares do idoso ou não, no exercício das suas funções de suporte da vida diária ou da logística, poderão contactar com o agente infeccioso. E em consequência serem infectados, havendo a possibilidade de se manterem assintomáticos e alguns, passarem a transmissores.

Mas será que não existem factores de protecção adicionais que possamos utilizar? Claro que sim. Pelo que foi dito, percebe-se que a manutenção da saúde destes idosos pode depender de cuidados direccionados não só para si, mas também para os seus cuidadores. Estamos certos que uma máscara ou o uso frequente de uma solução alcoólica, poderão fazer toda a diferença.

É público que o país está a efectuar diligências para disponibilizar às instituições e aos cidadãos, muito em breve, quantidades apreciáveis de máscaras e soluções alcoólicas.

Mesmo assim, nunca serão suficientes para a totalidade da população. Estamos certos que as autoridades, as lideranças, irão decidir que a distribuição desse material se fará com base em critérios de eficiência.

Considerar os idosos não institucionalizados e os seus cuidadores um destino prioritário de máscaras e solução alcoólica, criará condições favoráveis à manutenção da saúde no grupo populacional mais vulnerável ao Coronavírus. E contribuirá, seguramente, para a diminuição da procura de cuidados hospitalares, condição indispensável a uma prestação de elevada qualidade, em benefício dos que se virem obrigados a recorrer a esses serviços.

No devido respeito pelos que mais precisam de se proteger, neste caso, os próprios profissionais de saúde.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here