Crónica fotográfica, por Paulo Jorge de Sousa

Fotos de fogo.
Lembrei-me desta musica de Sérgio Godinho que nos transporta para as memórias fotográficas da guerra colonial quando estava a tentar encontrar uma fotografia para esta crónica e a saber que Abrantes tem as chamas à porta.
Sem querer fazer algum paralelismo de causa/efeito, ou qualquer tipo de comparação, os incêndios não deixam de ser também, uma guerra.
Ora Sardoal, ora Mação, ora Constância, ora Abrantes, um de cada vez lá vai sendo consumada a guerra onde é impossível gritar “cessar fogo” durante o combate.
Aqui o grito tem de ser dado antes, muito antes.
É de lamentar que deixemos andar as coisas assim, sem estratégias, sem seriedade, sem decidir qualquer futuro independentemente do que pode estar ligado ao negócio disto ou daquilo.
Agora estamos aflitos e gritamos de dor e revolta, amanha esquecemos tudo, agarramos nas bandeiras de Portugal e gritamos Vivas pelo país que temos, quando a seleção de futebol entrar em campo.
(Fotografia captada ao inicio da noite de quinta-feira, dia 10 de agosto, em Abrantes e texto escrito na noite de sexta-feira, 11)
COMPARTILHE
Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.
Artigo anteriorEspecial Ferreira do Zêzere | VOX POP: “O que é que Ferreira tem de melhor …”
Próximo artigo“Cocktails”, por Armando Fernandes

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here