Crónica fotográfica, por Paulo Jorge de Sousa

Há dias assim, de sorte. Não adianta ter sempre a máquina fotográfica à mão se não existirem momentos como este. O céu de fim de tarde estava com cores tão fortes que parecia ser de fogo.

PUB

Em termos fotográficos nada tem de especial, basta olhar à volta e tentar uma composição que possa harmonizar a paisagem. De resto, e apesar do sol todos os dias fazer o mesmo percurso, há aqueles fins de tarde que se tornam especiais.

Vale a pena parar uns minutos e ficar a contemplar aquele espetáculo da natureza, não fosse a visão ser um dos cinco sentidos. Até nem se perde muito tempo, é um fenómeno rápido.

(Parque de Merendas do Sardoal, 8 de março de 2019)

PUB

Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.
Artigo anteriorAlcanena | Monsanto é Capital do Tordo e quer promover turismo gastronómico (c/vídeo)
Próximo artigo“Continuamos de luto”, por Vânia Grácio

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here