Constância e Barquinha contestam “inaceitável” redução de horários da CGD

Os presidentes dos municípios de Vila Nova da Barquinha e Constância, no distrito de Santarém, contestaram hoje uma “inaceitável” redução de horários de diversos balcões da Caixa Geral de Depósitos (CGD), medida que dizem não servir as populações.

PUB

PUB

Contactada pela agência Lusa, a assessoria da CGD disse que prestará “oportunamente” esclarecimentos sobre este processo.

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha, Fernando Freire (PS), disse à Lusa ter tido conhecimento de que, “no âmbito do processo de reestruturação da CGD, algumas das agências do país sofrerão reduções de pessoal e no horário de atendimento ao público em janeiro”.

PUB

Entre as zonas abrangidas está a Barquinha, mas também, apontou, “Constância, Sardoal, Alcanena e Ferreira do Zêzere”, todos municípios do Médio Tejo, no distrito de Santarém.

A CGD é o único banco que existe no concelho de Vila Nova da Barquinha, com cerca de oito mil habitantes.

PUB

“Verificamos, com enorme inquietação, que prosseguem a fuga de serviços públicos aos concelhos do interior, negligenciando serviços de qualidade e de proximidade aos cidadãos aqui residentes”, disse o autarca.

“O programa do XXI Governo Constitucional assumiu, entre os seus objetivos prioritários, a afirmação do interior como um aspeto central do desenvolvimento económico e da coesão territorial. Todavia, ao arrepio deste objetivo prioritário, somos agora surpreendidos com a redução do atendimento do balcão da CGD, um banco público, cujo horário de atendimento será fixado entre as 08:30 as 12:30, encerrando da parte da tarde”, acrescentou.

Com “estranheza e revolta” perante a decisão, o município irá agora “iniciar diligências no sentido de vir a alterar este novo horário”.

Também a presidente da Câmara de Constância, Júlia Amorim, entende que a medida “é um retrocesso nos serviços públicos disponíveis nas regiões do interior” do país.

“Esta é a única agência que existe na vila e que serve Constância e Montalvo. Para quem trabalha. Não estando a agência a funcionar à hora de almoço, esta é uma medida que dificulta a vida às pessoas, pelo que não se compreende nem se aceita a redução do horário de funcionamento ao público”, defendeu.

Júlia Amorim disse que “já foram tomadas diligências necessárias junto das entidades competentes”, para inverter a situação.

A CGD está numa fase de alteração de gestão, depois de em 31 de dezembro ter terminado o curto mandato de António Domingues à frente do banco público, que foi marcado por polémicas com o Governo, sobretudo porque o gestor e a sua equipa se recusaram a entregar as declarações de rendimento e património junto do Tribunal Constitucional argumentando que o executivo tinha aceitado que não cumprissem o estatuto do gestor público.

O banco vai entrar num processo de mudança comercial e operacional, estando previstos a saída de mais de 2.000 trabalhadores e fechos de centenas de agências.

PUB

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here