Constância | Casa cheia para celebrar Camões na “mais Camoniana das vilas de Portugal” (c/fotos e video)

Momento da deposição de flores no monumento a Camões. Foto: mediotejo.net

Não era fácil encontrar um lugar para estacionar em Constância no feriado de 10 de junho, Dia de Camões, ponto alto das Pomonas Camonianas, que decorreram entre os dias 8 e 10. À grande afluência de público, maior do que em anos anteriores, correspondeu também a um maior número de participantes na mostra de ofícios, tasquinhas, no Mercado Quinhentista e na feira de velharias.

PUB

Foram três dias de festa e animação na “mais Camoniana das vilas de Portugal”, como a definiu António Matias Coelho, presidente da Direção da Casa-Memória de Camões durante o discurso realizado no Jardim-Horto no dia 10 de junho.

Este carácter distintivo de Constância foi também referido por Carlos Ascenso André, durante a conferência que se realizou depois na Casa-Memória de Camões em Constância. Para este camonista, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Constância é “a única povoação a celebrar Camões como um poeta seu”.

Sublinhou também o facto de Portugal ser o único país do mundo que tem um dia feriado dedicado a um poeta, facto que “quer dizer muito sobre a identidade de um povo”.

Constância assinala a data da morte do poeta Luiz Vaz de Camões, ocorrida a 10 de junho de 1580, uma data sempre simbólica para Constância e que há muito a comunidade celebra como forma de preservar e perpetuar uma muito antiga relação de afeto da vila com Camões, fundada na tradição de que o épico terá vivido na vila durante algum tempo.

PUB

Ano após ano, o município festeja a data com as Pomonas Camonianas e, a 10 de junho, com a deposição de ramos de flores junto ao monumento a Camões, obra do escultor Lagoa Henriques.

Seguiram-se os discursos no Jardim-Horto de Camões, “um dos mais vivos e singulares monumentos erguidos a um poeta”, como o definiu António Matias Coelho, presidente da Direção da Casa-Memória de Camões.

Comemorações do 10 de Junho em Constância, durante as Pomonas Camonianas.

Publicado por mediotejo.net em Segunda-feira, 10 de junho de 2019

As comemorações acontecem numa altura em que o espaço do Jardim-Horto se apresenta renovado. “Nunca como agora se fizeram tantas e tão importantes intervenções que bem necessárias e urgentes eram nos espaços de Camões”, afirmou aquele dirigente para quem os tempos são de “redobrada alegria e fundadas esperanças” tendo em conta as obras efetuadas nos últimos meses e os projetos em perspetiva.

António Matias Coelho destacou a construção de novo edifício para portaria do Jardim-Horto que vem proporcionar melhores condições de receção dos visitantes, para o trabalho da funcionária e para exposição de materiais.

A nova imagem do espaço é visível também no painel que preenche a fachada da nova portaria, a rota de Camões no mundo, um trabalho criativo da arquiteta Dália Lacerda Machado.

Matias Coelho destacou ainda o restauro do pavilhão de Macau, que, 30 anos depois de inaugurado, estava a precisar de “urgentes, profundos e complexos trabalhos de restauro”, só possíveis graças ao “generoso patrocínio” da Caima.

“O Jardim-Horto está bem diferente hoje, do que era há dois ou três anos. Mais vivo, mais organizado, mais cuidado, mais bonito, mais digno do épico que homenageia”, afirmou Matias Coelho, reconhecendo que “ainda não está como precisa”. Falta tratar do lago e construir a cascata prevista no projeto inicial que nunca foi implantada. Serão estes os trabalhos seguintes a realizar ainda este verão naquele que será “um dos anos mais profícuos” da Associação Casa-Memória, anunciou.

 Presidente da Câmara agradece envolvimento da comunidade

Igualmente entusiasmado e otimista estava o presidente da Câmara Municipal de Constância. No seu discurso fez questão de mostrar o orgulho pelas festas do Concelho, pelas Pomonas Camonianas, e outros eventos que envolvem não só a Câmara como o Agrupamento de Escolas, a Associação Casa-Memória, e toda a comunidade constanciense.

Para Sérgio Oliveira, esta capacidade de congregar sinergias e concretizar atividades são “uma mais valia” e “é algo que não se vê em muitos concelhos”.

“Estamos todos de parabéns enquanto comunidade”, exultou, fazendo um balanço positivo de mais uma edição das Pomonas Camonianas.

Estando no Jardim-Horto, o autarca aproveitou para dar os parabéns à Associação Casa Memória de Camões por aquilo que tem sido feito neste espaço. “Entramos e vemos um jardim cuidado, recuperado e diferente daquilo que tínhamos há uns anos”, sublinhou. Fez uma referência especial ao pavilhão de Macau agora recuperado, que “voltou a ter a dignidade que tinha há uns anos”.

A intervenção de Sérgio Oliveira alargou-se a uma reflexão sobre o estado atual do País. Deixou ainda palavras de apreço aos emigrantes do concelho espalhados pelo mundo a quem deixou “um abraço sentido a todos”, frisando que “não são esquecidos na sua terra”.

O programa da tarde prosseguiu com danças renascentistas pelo Agrupamento de Escolas e a conferência do catedrático Carlos Ascenso André sobre o tema “O poeta em busca de si e da sua epopeia?”, enquanto no centro histórico da vila decorria a feira de velharias.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here