Constância | Bombeiros tentam negociar dívida com Centro Hospitalar (ATUALIZADA)

Adelino Gomes, Comandante dos Bombeiros de Constância. Foto: mediotejo.net

A Associação Humanitária  dos Bombeiros Voluntários de Constância vai iniciar na próxima semana as negociações com o Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) quanto às alegadas dívidas que esta instituição tem para com a corporação, anunciou o comandante da corporação de bombeiros.

PUB

Na segunda feira, dia 25, já houve uma primeira reunião preparatória ainda sem entrar nos aspetos negociais, mas em que “ficou claro haver intransigência por parte do CHMT”, com a representação de Constância a não ceder nas suas reivindicações, segundo referiu Adelino Gomes.

“O Centro Hospitalar continua a não reconhecer qualquer dívida para com a Associação, argumentando que se encontrando apenas em falta um valor de cerca de 26 mil euros e que resulta do apuramento final do contrato” que havia com a referida Associação Humanitária para o transporte de doentes deste CHMT, EPE, disse aquele responsável.

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Constância reclama 205 mil euros de serviços prestados e que não foram pagos, segundo os seus critérios.

Em nota enviada ao mediotejo.net, a administração do CHMT confirmou a reunião de segunda-feira, criticou a quebra unilateral do contrato pela Associação de Bombeiros de Constância, e reiterou que o montante em dívida é de 26 mil euros, e não mais.

PUB

“Efetivamente, o CHMT, E.P.E. reuniu, mais uma vez, na passada segunda feira, dia 25 de março, com a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Constância, e reiterou cumprir escrupulosamente o contrato quebrado em junho último e unilateralmente pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Constância, o que colocou em causa a salvaguarda dos direitos dos utentes do CHMT, EPE”, pode ler-se na nota enviada ao nosso jornal.

Na mesma reunião, continua, “foi reiterada à referida Associação Humanitária que além de 26 mil euros já anteriormente assumidos, o CHMT, EPE, não é devedor de quaisquer montantes. Advertiu, ainda, para as graves consequências do incumprimento pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Constância do contrato em causa”, conclui.

O CHMT dá ainda conta que, “a pedido da mesma Associação Humanitária o CHMT, EPE. aceitou voltar a reunir em próxima data”.

O CHMT já havia referido públicamente, no início deste ano, que “em nada contribuiu para as alegadas dificuldades veiculadas pela direção da Associação Humanitária  dos Bombeiros de Constância, sendo alheio às opções de gestão tomadas pela direção da mesma Associação Humanitária”.

E recordou na altura que foi “a mesma direção que quebrou abrupta e unilateralmente o contrato de transporte de doentes com o CHMT, EPE, privando-se assim das receitas do seu principal cliente, o Cento Hospitalar do Médio Tejo, EPE”, ao mesmo tempo que “trouxe graves constrangimentos para a prestação de cuidados aos utentes”.

Adelino Gomes, Comandante dos bombeiros constancienses, afirmou ao mediotejo.net que estas negociações que se vão iniciar com o CHMT surgem por indicação da Ministra da Saúde, Marta Temido, na sequência de uma reunião realizada no Ministério no início do mês, encontro no qual participou também o presidente da Câmara Municipal de Constância, Sérgio Oliveira.

Quanto à atual situação na corporação e depois de uma fase mais difícil com “bombeiros a passar fome” e “risco de insolvência” denunciada em fevereiro, parece que o pior já passou.

Os bombeiros e funcionários já receberam as remunerações referentes aos meses de janeiro e fevereiro, faltando apenas o subsídio de Natal, que será pago gradualmente ao longo do ano.

“Temos de dividir o mal pelas aldeias”, refere Adelino Gomes, esperançado nas negociações com o CHMT. Adianta ainda que já foi regularizado o pagamento aos credores, nomeadamente ao fornecedor de combustível para as viaturas da corporação.

Entretanto a Associação Humanitária está a negociar com a Caixa Geral de Depósitos um empréstimo para tentar minimizar o problema da falta de liquidez.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here