“Comeres na quadra natalícia”, por Armando Fernandes

Foto: Jill, Pixabay

Não, não vou aborrecer os leitores lembrando os comeres ditos tradicionais de Natal, tais comeres foram obrigados pelas circunstâncias produtivas e pela globalização a adaptarem-se soa tempos modernos (revejam Chaplin) levando-nos à procura das raridades também salpicadas pela evolução às quais chamamos caseiras, do campo, artesanais, de tratamento especial, obrigando-nos a calcorrear quilómetros e entrar ali e acolá na procura das referidas especialidades. Sobre estas representações voltarei a aludir num próximo texto.

PUB

Este é o dos almoços, merendas e jantares anunciados como de… Natal.

As transformações sociais ocorridas nos últimos quarenta anos trouxeram-nos a constância do açúcar, do cremoso, do macio e das convivialidades a propósito de tudo e do querido consumismo, muito à custa da construção de «gostos» remetidos dos Estados Unidos como há anos Roland Barthes teorizou em acerado ensaio.

Os leitores conhecem a minha mania de referir autores e livros na esperança de algum ficar curioso de maneira a procurar os livros nas Bibliotecas que não foram exterminadas através de eufemismos, refiro-me às de Alferrarede, Mouriscas, Rossio e Tramagal. A história dessas localidades registará o nefando crime.

Sendo assim e é, multiplicam-se as ditas refeições inçadas de sorrisos postiços, palavras cínicas (leiam Albino Forjaz Sampaio), presentes comprados na loja chinesa e comida a encher sem gastos a ultrapassarem os quinze euros incluindo vinho ou cerveja e café. E, o que se come?

PUB

Come-se imensa conversa conservada desde há meses, croquetes e rissóis após a descongelação, creme de legumes e polpa de batata (pode-se repetir), peru gigante assado de forma a ser fatiado finamente, vitela (vaca) preparada do mesmo modo, sem esquecer o tamboril (outrora para a lagosta fingida), os acompanhamentos são à base de batatas assadas ou fritas e arroz.

O complemento costuma ser salada de alface e fiapos de cenoura, mais as rodelas de cebola. A finalizar um doce dos muitos existentes na panóplia industrial. E, para o ano há mais…

Bem sei, há excepções o que só confirmam a regra, o dinheiro não abunda, um refeição barata junta as pessoas cantando todas juras de aproximação a relembrar pró ano cá estaremos se tudo correr bem.

PS: Na próxima semana trarei ao conhecimento dos leitores (dos que não sabem) uma ementa apresentada no dia de Natal há 60 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here