Centro de Saúde de Abrantes com mais quatro médicos a partir de novembro – Utentes

Taxas moderadoras no SNS passarão a existir só nas urgências dos hospitais. Foto arquivo: mediotejo.net

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo (CUSMT) disse que, a 01 de novembro, terça-feira, vão ser colocados quatro médicos de família em Abrantes, concelho da região onde existe maior carência de clínicos.

PUB

Manuel José Soares, porta-voz da CUSMT, disse à agência Lusa que a existência de mais de 30.000 utentes na região sem médico de família foi uma das situações abordadas na reunião realizada com a diretora executiva do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo, Sofia Theriaga.

Afirmando esperar que a anunciada colocação de médicos de família, a partir de agora e até agosto de 2017, melhore a prestação de cuidados primários de saúde na região, Manuel José Soares alertou para a necessidade de outros profissionais, como nutricionistas e dentistas.

PUB

Segundo o porta-voz da CUSMT, o projeto-piloto de saúde oral anunciado para o centro de saúde de Fátima não está a funcionar, porque o profissional aí colocado não aceitou o lugar.

Sublinhando o relacionamento de “colaboração construtiva” atualmente existente com as autoridades de saúde na região – tanto com a direção do ACES como do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) -, Manuel Soares referiu o esforço que está a ser feito para melhorar a comunicação com os utentes, dando o exemplo da formação que vai ser ministrada brevemente aos assistentes técnicos.

PUB

Apontou, ainda, iniciativas de sensibilização para questões de saúde pública que vão acontecer na região, uma direcionada aos hotéis e restaurantes de Fátima, em preparação da grande afluência esperada na cidade em 2017, no dia 14 de novembro, e outra, um fórum sobre tabagismo e doenças oncológicas para profissionais de saúde e instituições, nomeadamente escolas, agendada para o dia seguinte.

O porta-voz da CUSMT afirmou que estão a ser elaboradas minutas de protocolos para aproveitamento dos meios complementares de diagnóstico e terapêuticos do CHMT.

Por outro lado, a CUSMT vai solicitar à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo uma “intervenção imediata” no caso da poluição atmosférica e hídrica na ribeira da Boa Água, em Torres Novas, por estar em causa a saúde pública, questão que extravasa os poderes do ACES.

Manuel Soares afirmou que, embora a ribeira da Boa Água seja a situação dos maus cheiros e da poluição do curso de água a exigir uma intervenção mais imediata, há outras na região a merecerem atenção das autoridades de saúde, nomeadamente nos concelhos de Ferreira do Zêzere e de Constância, mas também ao longo do Tejo e de vários dos seus afluentes.

Na reunião de hoje, a comissão pediu melhorias nas práticas de saúde pública que evitem casos de sobremedicação detetados na região, bem como nos horários dos prestadores de serviços, tendo em conta as “falhas consecutivas” destes profissionais em alguns centros e extensões de saúde, disse.

A persistência de dificuldades no acesso à plataforma informática, com consequências na produtividade dos médicos, e nos meios de deslocação, prejudicando a assistência domiciliária que deveria ser assegurada pelas unidades de cuidados na comunidade, foram outras questões abordadas, adiantou.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here