Autarca de Santarém reivindica espólio do Museu de Cavalaria levado para Abrantes

O presidente da Câmara de Santarém reivindicou na segunda-feira a “recuperação” do espólio do Museu de Cavalaria Tenente-Coronel Salgueiro Maia, que se encontra em Abrantes, para integrar o futuro museu dedicado ao 25 de Abril.

PUB

Afirmando ter já fundos comunitários para criar o futuro museu “assente na temática do 25 de Abril, na história da Escola Prática de Cavalaria (EPC) e em Salgueiro Maia”, Ricardo Gonçalves pediu a “preciosa ajuda” do Presidente da República para recuperar o espólio que saiu de Santarém para Abrantes aquando da transferência da EPC há uma década.

Ricardo Gonçalves (PSD), que falava na cerimónia de homenagem a Salgueiro Maia, este ano presidida pelo chefe de Estado, pediu ainda a Marcelo Rebelo de Sousa para ser “embaixador” do futuro museu.

PUB

O autarca reafirmou a declaração feita há um ano, por altura da atribuição da Ordem da Liberdade a Santarém e a Salgueiro Maia, pelo anterior Presidente da República, Cavaco Silva, de que o município assume “a responsabilidade de não deixar esquecer o papel da cidade na edificação de Portugal e da democracia”.

“Honramos a nossa história e trabalharemos para perpetuar os valores de Abril, que não se esgotam na liberdade, mas que se estendem também à busca de uma sociedade mais justa, mais tolerante e mais solidária”, disse, salientando que esse é um ideal que o município procura transmitir aos mais jovens.

PUB

Recordando o papel de Salgueiro Maia nos acontecimentos que levaram ao derrube do regime do Estado Novo e o “legado” que deixou, “incitando a todos para sair da apatia e lutar para perpetuar os valores da liberdade e da democracia”, o autarca afirmou que são estes “dois valores fundamentais” que são hoje alvo de “ataques cobardes”.

“Não é aceitável que no século XXI vivamos num clima de medo e de ameaça, motivado pelo terrorismo. Não é aceitável que homens, mulheres e crianças tenham de fugir dos seus países, das suas casas, das suas vidas, deixando para trás um rasto desolador de destruição massiva”, declarou.

A cerimónia do 25 de abril, realizada no Jardim dos Cravos, onde se encontra a estátua de Salgueiro Maia e a chaimite “Bula” (que transportou o então chefe do Governo Marcelo Caetano), contou com a presença, além do Presidente da República, do ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, do chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Pina Monteiro, dos chefes dos Estados-Maiores da Força Aérea, Manuel Rolo, e do Exército, Rovisco Duarte, e do vice-chefe do Estado-Maior da Armada, Bonifácio Lopes.

Com a participação da Fanfarra do Exército e da Sociedade Filarmónica Alcanedense, de pelotões da Escola de Tecnologias Navais (Alfeite), dos Paraquedistas (Tomar), do Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (Ota) e da Polícia do Exército do Regimento de Lanceiros, a sessão contou com a presença da viúva de Salgueiro Maia, Natércia Maia, e da neta, Daniela Salgueiro Maia.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here