“As pessoas parecem melhor, mas o país está pior”, por Duarte Marques

Foto: DR

Começamos 2019 com uma preocupação maior face a janeiro de 2018, o país que parecia melhor está afinal a caminhar para uma situação preocupante, que não é propriamente surpresa, sem nada ter feito para o evitar.

PUB

Se a sensação de riqueza e de maior liquidez, quer das pessoas, quer no discurso dos governantes é indiscutível, a dura realidade é que afinal tudo não passa de uma situação aparente e passageira alicerçada no aumento do crédito e na redução da poupança, no plano pessoal, e no aumento da dívida e dos prazos de pagamento no que diz respeito ao Estado.

Hoje, milhares de empresas e instituições esperam cada vez mais tempo para receber o que a Administração Pública lhes deve. Demasiadas reformas ficaram por fazer ao longo de 4 anos em que a única preocupação foi reforçar a distribuição de rendimentos mesmo que isso custe a sustentabilidade e médio prazo.

A economia portuguesa está a desacelerar pois nada foi feito para estimular as empresas, antes pelo contrário, os únicos sinais dados às empresas foram no sentido oposto: mais impostos.

Face às consequências previsíveis do Brexit, ao desacelerar da economia europeia e ao fim do programa de compras do BCE, a atitude responsável não seria aumentar despesa estrutural que não será coberta pelo crescimento da economia, mas foi essa a opção do governo. Em vez de reformas que garantissem maior crescimento económico, o Governo das esquerdas optou por criar maior dependência.

PUB

Ao contrário de Portugal, outros países aproveitaram a folga do crescimento económico, mas sobretudo o “oxigénio” do programa de compra de dívida pública do BCE. para fazer reformas que permitissem agilizar as suas economias e modernizar as respetivas administrações públicas e as empresas. Portugal fez tudo ao contrário, procurou a “felicidade imediata pondo em causa o seu próprio futuro”.

Os portugueses não podem estar melhor quando os hospitais estão pior, os portugueses não podem estar melhor quando esperam cada vez mais tempo para ter uma consulta médica ou fazer uma cirurgia.

Os portugueses não podem estar melhor quando os transportes públicos são cada vez mais escassos, são constantemente suprimidos e têm cada vez menos segurança.

Os portugueses não podem estar melhor quando as forças de segurança não atuam porque não têm gasóleo para os carros ou para a sua reparação e quando os helicópteros de busca e salvamento estão parados por falta de dinheiro para a sua manutenção.

A coligação de esquerda rebentou com o que restava dos serviços públicos e adiaram novamente investimentos que tinham sido suspensos durante a crise económica. Pior, o investimento público desde 2015 é ainda mais baixo do que no período da troika.

Ao longo dos últimos três anos e meio, com condições nacionais e internacionais muito favoráveis, a coligação de PS, BE e PCP optou por ser populista em detrimento de assegurar o futuro do país. A fatura chegará.

Duarte Marques, 36 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros. Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.
Artigo anteriorEntroncamento | Galeria Municipal recebe “Flora” nas imagens de Ana Duque Pereira
Próximo artigoTramagal | Mitsubishi Fuso Truck  é anfitriã das 24 Horas de Logística 2019

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here