“Ano Camões: Celebrar Camões em Constância”, António Matias Coelho

Em Constância, este ano é o Ano Camões.

Quando a Associação Casa-Memória de Camões faz 40 anos e a Escola Luís de Camões completa 25, as duas instituições e a Câmara Municipal de Constância decidiram reforçar os laços e a colaboração que habitualmente as ligam para desenvolverem, durante um ano inteiro, um programa de atividades a que chamaram Ano Camões.

Celebrar Camões em Constância é uma prática normal. Porque Camões e a relação de Constância com a memória do poeta fazem parte da identidade da vila e do concelho. Mas neste Ano Camões que estamos a viver as celebrações têm um sentido especial.

PUB

O Ano Camões coincide com ano letivo de 2016/17. Aliás, a primeira atividade decorreu na Escola, servindo também para assinalar os 25 anos da sua inauguração (em outubro de 1991). Consistiu na entrega de prémios aos alunos que se destacaram no ano letivo precedente, entre os quais o Prémio Camões, destinado a distinguir os alunos com melhores resultados escolares e que foi instituído logo no primeiro ano de funcionamento do estabelecimento de ensino.

Embora a apresentação pública do Ano Camões só tenha ocorrido em 22 de novembro, as atividades vinham-se sucedendo a bom ritmo já antes disso. Destaque especial merece a aula aberta sobre Camões que o dr. Guilherme d’Oliveira Martins veio dar, em 19 de outubro, na Casa-Memória. Apesar de a aula se destinar sobretudo a alunos do ensino secundário da Escola Luís de Camões, estiveram presentes muitas outras pessoas que quiseram ouvir uma das mais prestigiadas figuras da cultura portuguesa e um grande comunicador.

PUB

Em meados de novembro a Casa-Memória voltou a acolher uma importante e bem-sucedida atividade, organizada pela Rede de Bibliotecas do Concelho de Constância, destinada sobretudo a professores – o Encontro A Biblioteca e o Património Cultural Imaterial: Memória e Identidade que, como tinha acontecido no evento anterior, encheu completamente o auditório da Casa-Memória. Uma manhã inteira do programa foi dedicada a Camões e a identidade de Constância, com comunicações da responsabilidade da Associação Casa-Memória e da Escola sobre a história e o significado da relação de Constância com a memória do poeta e com as Pomonas Camonianas que há mais de 20 anos celebramos pelo 10 de Junho, dia de Camões, terminando com uma visita primorosamente guiada ao Monumento a Camões e ao Jardim-Horto.

A apresentação pública do Ano Camões foi um momento especial deste processo comemorativo que juntou, em simultâneo, as três instituições nele empenhadas. Começou na Escola, onde centenas de alunos apresentaram um logo humano alusivo à celebração, e continuou na Casa-Memória, decorada com um variado e significativo conjunto de trabalhos elaborados pelos alunos mais novos do concelho, dos 1.º e 2.º ciclos, em cujo auditório foi apresentado o programa à comunidade e à comunicação social. Mas o momento mais significativo deste ato foi a entrega, por parte de alunos do ensino secundário da Escola Luís de Camões de Constância, à Associação Casa-Memória de um cheque com o produto que realizaram numa atividade que desenvolveram no âmbito do empreendedorismo, com o apoio da TagusValley: os alunos produziram e venderam sacos literários (sacos com versos de Camões) e decidiram entregar à Associação o dinheiro resultante do seu trabalho. Foi um gesto de grande significado que muito sensibilizou os responsáveis da Casa-Memória. A nossa juventude organizar-se, trabalhar, obter resultados e decidir entregá-los à Associação é uma prova de apreço e de confiança e uma ajuda preciosa que incentiva a Associação e a responsabiliza. O espírito do Ano Camões está bem consubstanciado neste gesto e no que ele significa.

Grupo de alunas da Escola Luís de Camões de Constância fazendo a entrega à Casa-Memória de Camões de um cheque com o produto de uma atividade desenvolvida pela sua turma
(Foto: Câmara Municipal de Constância)

Cumprindo o objetivo da Direção da Associação de dinamizar a Casa-Memória, nomeadamente através da realização de eventos relacionados com o conhecimento de Camões, da sua obra, da sua vida e da sua época, realizaram-se duas interessantes apresentações, uma de um livro e outra de um audiolivro. A primeira trouxe a Constância, em finais de novembro, a popular escritora Maria João Lopo de Carvalho que, perante um auditório completamente cheio de jovens e de adultos, apresentou o seu mais recente romance histórico Até que o Amor me Mate – As Mulheres de Camões que, de uma forma ficcionada mas com fundamento histórico, faz abordagens do poeta através das mulheres que o amaram. Poucos dias depois, em 4 de dezembro, foi o ator António Fonseca que surpreendeu os presentes com o seu audiolivro Os Lusíadas como nunca os ouviu. Partindo do princípio que Os Lusíadas são um livro difícil de ler mas muito fácil de ouvir, o autor juntou num volume a versão integral d’Os Lusíadas em papel e um conjunto de sete cd’s com a gravação do poema épico dito por ele próprio que o sabe de cor. A apresentação veio demonstrar que tinha razão António José Saraiva quando afirmava que Os Lusíadas é um livro para ser entoado por recitadores e não analisado por gramáticos

O programa do Ano Camões está em permanente atualização e pode ser consultado na página oficial da Câmara Municipal de Constância na internet, em www.cm-constancia.pt. Todavia e para além de inúmeras iniciativas vocacionadas essencialmente para o público escolar – um público ao qual, naturalmente, se dá uma atenção muito especial –, como atividades de expressão dramática, musical e plástica, sessões de leitura, concursos, exposições, representações e muitas outras, há duas atividades que, pelo seu significado e pelo impacto que certamente terão, gostaria de aqui destacar. Uma é a representação da já consagrada peça de teatro Tomem lá do Camões por alunos da Escola, nas tardes de quarta-feira, durante as visitas de colegas seus de outras escolas ao Jardim-Horto de Camões. A outra chama-se Camões no Jardim-Horto nos sábados de verão e tem o objetivo de animar o Jardim-Horto nas tardes de sábado da segunda quinzena de junho e do mês de julho com poesia, música, canto e danças renascentistas, dando-lhe cor, movimento e vida.

Ah!, claro, e teremos as Pomonas Camonianas pelo 10 de Junho, dia de Camões. Não são novidade, é certo, mas são sempre diferentes. E, neste Ano Camões, terão um encanto especial!

PUB
PUB

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here