Acionado Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo

Acionado Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo. Foto: CMC

A Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém acionou hoje o Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo no seu nível Amarelo, devido ao “aumento considerável dos níveis hidrométricos e caudais do rio Tejo”.

Em comunicado, o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém afirma que a subida dos caudais do Tejo, “especialmente nos provenientes de Espanha e rio Ocresa”, causada pela precipitação que se tem sentido em Portugal e em Espanha, torna “elevada a probabilidade de cheia” na região.

A nota afirma que, desde as 23:00 de quinta-feira, os caudais lançados no rio Tejo estão acima dos 1.500 metros cúbicos, tendo atingido os 3.085 metros cúbicos por segundo às 00:00 de hoje, sendo expetável que, a manter-se a situação atual, possam atingir os 2.900 metros cúbicos por segundo em Almourol, ao longo do dia de hoje.

PUB

Até ao momento, apenas se registou a submersão do parque de estacionamento junto ao rio Zêzere, junto à vila de Constância, afirma.

Para as próximas horas, o CDOS admite que se possa verificar, no concelho de Santarém, a submersão da Estrada Nacional (EN) 365, em Ponte do Alviela e em Palhais/Ribeira de Santarém, da Estrada Municipal (EM) que liga a Ribeira de Santarém a Vale de Figueira e do parque de estacionamento da Ribeira de Santarém.

PUB

A EN 365 pode ainda ficar submersa na ligação entre os concelhos de Santarém e da Golegã, “com possibilidade de isolamento da povoação de Reguengo do Alviela”, afirma.

“É expetável nas próximas horas uma manutenção dos caudais do rio Tejo, mantendo-se assim a elevada probabilidade de cheia”, acrescenta o comunicado.

O CDOS Santarém recomenda às populações das zonas que podem vir a ficar inundadas para que retirem equipamentos agrícolas, industriais, viaturas e outros bens, que levem os animais para locais seguros, não atravessem com viaturas ou a pé estradas ou zonas alagadas e que se mantenham informadas através dos Órgãos de Comunicação Social ou dos agentes de Proteção Civil.

A passagem da depressão Elsa, em deslocação de norte para sul, provocou em Portugal dois mortos, um desaparecido e deixou 70 pessoas desalojadas, registando-se até à manhã de hoje mais de 6.200 ocorrências.

Num balanço feito à agência Lusa cerca das 09:00 de hoje, o comandante Paulo Santos, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), disse que foram registadas 6.237 ocorrências desde quarta-feira, afetando em especial os distritos de Porto, Viseu e Lisboa.

O responsável destacou como ocorrências principais as quedas de árvores, movimentos de terras, inundações e quedas de estruturas. O mau tempo provocou também danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tem hoje sob aviso laranja (o segundo mais grave) 12 distritos de Portugal continental e a costa norte da Madeira devido sobretudo à agitação marítima. Leiria, Santarém e Portalegre estão sob aviso laranja também devido às previsões de precipitação forte durante a tarde.

O IPMA alertou para os efeitos de uma nova depressão, denominada Fabien, que atingirá Portugal no sábado, em especial o Norte e o Centro, estando previstos intensos períodos de chuva e vento forte de sudoeste, com rajadas que podem atingir 90 km/hora no litoral norte e centro e 120 km/hora nas terras altas.

Segundo o IPMA, os efeitos da depressão Fabien não deverão ter em Portugal continental a mesma intensidade do que os da tempestade Elsa, prevendo-se uma melhoria gradual do estado do tempo a partir de domingo.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here